Análise ergonômica no processo de ordenha mecânica do setor de bovinos de um instituto de ensino superior do centro Oeste Mineiro / Ergonomic analysis in the mechanical milking process of the cattle sector of a higher education institute in central Oeste Mineiro

Carlos Henrique Reis Faria, Ana Carolyne Reis Faria, Heron Soares Junior, Carlos Roberto de Sousa Costa

Resumo


A Analise Ergonomica do Trabalho, tem como principio estudar o meio de  trabalho, buscando melhorias para o ambiente, pensando na produtividade e na qualidade de vida do funcionário, sendo assim, esta abrange diversos setores, bem como o setor de ordenha. O mesmo vem evoluindo muito com o objetivo de aumentar a produtividade. Com essa expansão e devido a importancia da area, é preciso buscar maior qualidade de vida para os funcinários que exercem tal atividade, para que a mesma não sofra uma recaída em sua mão de obra. A partir disto, foi realizada uma pesquisa em uma instituição de ensino superior do centro-oeste mineiro, cujo objetivo foi identificar possíveis problemas a saúde do trabalhador do setor de ordenha mecânica. Visto isto, foi feita uma analise in loco, com base em entrevistas realizadas, onde os próprios funcionários se queixaram da má ventilação e do forte odor, que chegava a ser insuportável no setor, durante a tarefa de ordenha. Assim, foram realizados testes com aparelhagem específica, onde os resultados não demostraram problemas com o ar, porém, foi observado que o odor era advindo da urina das vacas, que na temperatura cuja qual era exposta, liberava amônia. Sendo assim, foram montadas tabelas e feitas analise teóricas, onde pôde-se chegar a um plano de ação corretiva, cuja ideia seria aumentar a ventilação e a circulação de ar dentro do ambiente utilizando um sistema de exaustão.

 

 


Palavras-chave


Ergonomia; Bovinos; Ordenha

Texto completo:

PDF

Referências


ABERGO, “O que é Ergonomia”, [200-], Disponível em:http://www.abergo.org.br/internas.php?pg=o_que_e_ergonomia. Acesso em2016.

ABRAHÃO, J. I; PINHO, D. L. Teoria e Prática Ergonômica: seus limites e possibilidades. Escola, Saúde e Trabalho: estudos psicológicos, 1999.

Áreaseg. Que é Ergonomia e Termos Afins. Disponível em:http://www.areaseg.com/ergonomia/ergonomia.html. Acesso em2016.

Assessoria de Comunicação da Ocupacional Medicina e Engenharia de Segurança do Trabalho. A ergonomia e seus benefícios para todos. Disponível em: http://www.ocupacional.com.br/ocupacional/a-ergonomia-e-seus- beneficios-para-todos/, acesso em 2016.

Da SILVA, R. B. T. R.; Nääs, I. A.; SILVEIRA, N.; De MOURA, D. J. Insalubridade do Trabalhador na Produção Animal: Uma questão de educação e informação. [200-]. http://www.segurancaetrabalho.com.br/download/prod-animal.pdf. Acesso em: 17/02/2016.

FELIX, E. P.; CARDOSO, A. A. Amônia (NH3) Atmosférica: Fontes, transformação, sorvedouros e métodos de análise. Araraquara –SP. Quim. Nova, Vol. 27, No. 1, 123-130, 2004.

(http://www.scielo.br/pdf/%0D/qn/v27n1/18820.pdf)

FILHO, J. M. J. Introdução: inteligência no trabalho e análise ergonômica do trabalho – as contribuições de Alain Wisner para o desenvolvimento da Ergonomia no Brasil, Rev. bras. saúde ocup. vol.29 no.109, São Paulo, 2004.

GUÉRIN, F. et al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo: Edgar Blucher, 2001.

IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. São Paulo: Edgard Blücher, 2005.

International Ergonomics Association, “Definition and Domains of Ergonomics”, 2000, Disponível em: http://www.iea.cc/whats/index.html, acesso em 2016.

MILANO, D. Organização e Análise Ergonômica do Trabalho de Produtores Rurais na Atividade Leiteira. 2014, 116, Dissertação, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

MONTMOLLIN, M. A Ergonomia. Lisboa: Instituto Piaget, 1990.

NÄÄS, I. A. Princípios de conforto térmico na produção animal. São Paulo: Ícone, 1989. 183 p.

Nääs, I. A., Pereira, D. F.; Baracho, M. S. Bem-estar e comportamento. In: Marcos Macari e Ariel Antonio Mendes (org.). Manejo de Matrizes. 1 ed. Campinas, 2005, v.1, p. 45-55.

NETTO, F. G. S.; BRITO, L. G.; FIGUEIRÓ, M. R. A ordenha da vaca leiteira. Porto Velho, 2006. http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/24719/1/cot319-ordenhadavacaleiteira.pdf. Acesso em: 17/02/2016.

Normas Legais. Trabalho de Ordenha é Considerado Insalubre,http://www.normaslegais.com.br/trab/10trabalhista240310.htm, Acesso em:2016.

ORSELLI, O. T. Análise Ergonômica do Trabalho, Laudo Egônomico e Social. CMQV, 2014.

SIGRIST, J.M.M.; BLEINROTH, E. W.; MORETTI, C. L. Manuseio Pós-colheita de Frutas e Hortaliças. 1ª Edição. Embrapa Hortaliças (Brasília, DF):Embrapa Informações Tecnológicas, 2002, capítulo 5.

SILVA, I. J. O. Climatização das instalações para bovino leiteiro. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AMBIÊNCIA NA PRODUÇÃO DE LEITE, Piracicaba, 1998. Anais. Piracicaba: FEALQ, 1998. p.114-145.

Tribunal Regional do Trabalho da 3ª região, “Boletim de Legislação e Jurisprudência do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região”, Belo Horizonte, v.33, n.1, p. 001-142, jan./mar.2012.

ULBRICHT, L. Diagnóstico e Recomendações em Ergonomia: Aplicação no Estudo dos Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho dos Ordenhadores do Paraná. CNPqConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, 2003.

ULBRICHT, L. Fatores de risco associados à incidência de DORT entre ordenhadores em Santa Catarina. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2007.

VIDAL, M. C. Introdução à Ergonômia,http://www.ergonomia.ufpr.br/Introducao%20a%20Ergonomia%20Vidal%20CESERG.pdf , Acesso em:2016.

WISNER, A. Diagnosis in ergonomics or the choice of operating models in field research. Ergonomics, 15, 6, 60-620, 1972.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.