Marketing informal estruturas de comercialização em feira-livres brasileira / Informal marketing marketing structures in brazilian fair

Gustavo Henrique Silva de Souza, Nilton Cesar Lima, Jorge Artur Peçanha de Miranda Coelho, Antonio Carlos Silva Costa, Marlone Junger Lima

Resumo


O desemprego e a difícil inserção no mercado de trabalho têm impulsionado indivíduos a tornarem-se donos de seus próprios negócios, como necessidade de sobrevivência, os microempreendedores. Nos últimos anos, pesquisas vêm mostrando evidências de que microempreendedores em feiras-livres e mercados de rua, visando concretizar objetivos de comercialização, desenvolvem estratégias de marketing de modo intuitivo, despojado e sem conhecimentos técnicos, levando-os a resultados profícuos. De tal modo, o objetivo deste estudo é identificar estratégias de marketing informal desenvolvidas por microempreendedores em feiras-livres. Em uma pesquisa teórico-empírica, de abordagem qualitativa-quantitativa, foi aplicado um questionário semiestruturado em 158 microempreendedores em feiras-livres de duas cidades brasileiras. Os resultados corroboraram as premissas apontadas pela literatura, mostrando que os microempreendedores apresentam posturas estratégicas de marketing em relação aos seus negócios.

 

 

 


Palavras-chave


Marketing Informal. Empreendedorismo. Feira-livre. Informalidade. Estratégias de marketing. Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


AMA – American Marketing Association. Definition of Marketing. Chicago: AMA, on-line, 2013. Disponível em: < https://www.ama.org/the-definition-of-marketing/ >. Acesso em: 18 Jul. 2019.

BAPTISTA, R.; ESCÁRIA, V.; MADRUGA, P. Entrepreneurship, regional development and job creation: the case of Portugal. In: Papers on Entrepreneurship Growth and Public Policy. Max Planck Institute for Research into Economic Systems Working Paper, n. 6, 2005.

BOSIRE, J.; GAMBA, P. Measuring business skills cognition: the case of informal sector entrepreneurs in Kenya. Eastern Africa Social Science Research Review, v. 19, n. 2, p. 1-21, 2003.

BRETTEL, M.; STRESE, S.; FLATTEN, T. C. Improving the performance of business models with relationship marketing efforts – An entrepreneurial perspective. European Management Journal, v. 30, n. 2, p. 85-98, 2012.

BRUSH, C. G.; GREENE, P. G.; HART, M. M. Empreendedorismo e construção da base de recursos. Revista de Administração de Empresas, v. 42, n. 1, p. 20-35, 2002.

CACCIAMALI, M. C. Globalização e processo de informalidade. Economia & Sociedade, v. 14, p. 153-174, 2000.

CHURCHILL, G. A.; PETER, J. P. Marketing: criando valor para os clientes. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2000.

CORBETT, A. C. Experiential learning within the process of opportunity identification and exploitation. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 29, n. 4, p. 473-491, 2005.

DANA, L. P. Preserving culture through small business: government support for artisans & craftsmen in Greece. Journal of Small Business Management, v. 37, n. 1, p. 90-92, 1999.

DOYLE, P. Value-based marketing. Journal of Strategic Marketing, v. 8, n. 4, p. 299-311, 2000.

DRUCKER, P. F. Administrando para obter resultados. São Paulo: Pioneira, 2003.

EDWARDS, J.; OGILVIE, S. What lessons for economic development can we draw from the Champagne fairs? Explorations in Economic History, v. 49, p. 131-148, 2012.

FONTES, A.; PERO, V. Desempenho dos microempreendedores no Brasil. EconomiA, v. 12, n. 3, p. 635-665, 2011.

FRANCO, M. J. B. Estudo do empreendedorismo ao nível de aprendizagem individual: ao papel do empreendedor. In: CALVO, J. C. A. (Coord.). Conocimiento, innovación y emprendedores: camino al futuro. La Rioja: Universidad de La Rioja, 2007. p. 1307-1323.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

GODOY, I. W.; ANJOS, F. S. dos. A importância das feiras livres ecológicas: um espaço de trocas e saberes da economia local. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 2, n. 1, p. 364-368, 2007a.

______. ______. O perfil dos feirantes ecológicos de Pelotas-RS. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 2, n. 1, p. 1461-1465, 2007b.

GORDON, R. Re-thinking and re-tooling the social marketing mix. Australasian Marketing Journal (AMJ), v. 20, n. 2, p. 122-126, 2012.

HAIR, J. F., Jr. et al. Fundamentos de pesquisa de marketing. 3. ed. Porto Alegre: AMGH, 2014.

HARRISON, R. T.; LEITCH, C. M. Entrepreneurial learning: researching the interface between learning and the entrepreneurial context. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 29, n. 4, p. 351-371, 2005.

HESPANHA, P. Microempreendedorismo. In: CATTANI, A.; LAVILLE, J. L.; GAIGER, L.; HESPANHA, P. (Org.). Dicionário internacional da outra economia. São Paulo: Almendina, 2009. p. 248-254.

KOTLER, P. Atmospherics as a marketing tool. Journal of Retailing, v. 49, n. 4, p. 48-64, 1974.

______. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 5. ed. São Paulo, Atlas, 1998.

______. RACKHAM, N.; KRISHNASWAMY, S. Acabando com a guerra entre vendas e marketing. In: Harvard Business Review. Gestão estratégica de vendas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

______. LEE, N. R. Marketing social: influenciando comportamentos para o bem. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

KULKARNI, G.; KANNAN, P. K.; MOE, W. Using online search data to forecast new product sales. Decision Support Systems, v. 52, n. 3, p. 604-611, 2012.

LAS CASAS, A. L. Marketing de serviços. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

LELIS, J. L.; PINTO, N. M. de A.; FIÚZA, A. L. de C.; DOULA, S. M. O comércio informal de Viçosa (MG) e suas diferentes finalidades para as famílias envolvidas. Oikos: Revista Brasileira de Economia Doméstica, v. 22, n. 2, p. 67-87, 2011.

LINS, H. dos S.; SILVA, M. do N.; ABREU, H. J. L. F. M. de; COSTA, A. C. Estratégias de marketing utilizadas por comerciantes informais: o caso do churrasquinho. In: XXX ENEGEP – Encontro Nacional de Engenharia de Produção, ABEPRO, Anais..., São Carlos/SP, Brasil, 2010.

MACCARTHY, E. J. Basic marketing: a managerial approach. Homewood/Illinois: R. D. Irwin, 1960.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: foco na decisão. 3. ed. São Paulo: Pearson, 2011.

MASCARENHAS, G.; DOLZANI, M. C. S. Feira livre: territorialidade popular e cultura na metrópole contemporânea. Revista Eletrônica Ateliê Geográfico, v. 2, n. 4, p. 72-87, 2008.

MUELLER, S. L.; THOMAS, A. S. Culture and entrepreneurial potential: a nine country study of locus of control and innovativeness. Journal of Business Venturing, v. 16, n. 1, p. 51-75, 2001.

NASSARALLA, J. A. Feiras setoriais em APL‘s como fenômeno de marketing: o caso FEVEST. Dissertação (Mestrado em Administração e Desenvolvimento Empresarial) – Universidade Estácio de Sá, Presidente Vargas, Rio de Janeiro, Brasil, 2006.

NEVES, M. G. P. Empreendedorismo no setor de moda: um estudo de formação e consolidação de empreendedores na rede da Babilônia Feira Hype. Dissertação (Mestrado em Administração e Desenvolvimento Empresarial) – Universidade Estácio de Sá, Presidente Vargas, Rio de Janeiro, Brasil, 2007.

PASTL NETO, A. Aspectos do comércio de produtos artesanais e características dos comerciantes e vendedores do mercado do artesanato, em Maceió. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, Alagoas, Brasil, 2001.

Peña, S. Informal markets: street vendors in Mexico City. Habitat Intl., v. 23, n. 3, p. 363-372, 1999.

PIMENTEL, A. A teoria da aprendizagem experiencial como alicerce de estudos sobre desenvolvimento profissional. Estudos de Psicologia, v. 12, n. 2, p. 159-168, 2007.

PNUD. Desencadeando o empreendedorismo: o poder das empresas a serviço dos pobres. Nova Iorque: PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 2004.

SALES, A. P.; REZENDE, L. T.; SETTE, R. de S. Negócio feira livre: um estudo em um município de Minas Gerais. In: III Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, ANPAD, Anais..., João Pessoa/PB, 2011.

SANTOS, P. da C. F. dos. Uma escala para identificar potencial empreendedor. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, 2008.

SATO, L. Processos cotidianos de organização do trabalho na feira livre. Psicologia & Sociedade, v. 19, n. 1, Ed. especial, p. 95-102, 2007.

SCHNAARS, S. P. Administrando as estratégias da imitação: Como os retardatários tomam o mercado dos precursores. São Paulo: Pioneira, 1997.

SHETH, J. N. Impact of emerging markets on marketing: rethinking existing perspectives and practices. Journal of Marketing, v. 75, n. 4, p. 166-182, 2011.

SILVA FILHO, C. F. da. Mercado varejista: um estudo das feiras livres no município de Campinas – SP. Cadernos da FACECA, v. 12, n. 2, p. 35-51, 2003.

SOUZA, G. H. S.; LIMA, N. C.; COELHO, J. A. P. de M.; OLIVEIRA, S. V. W. B.; MILITO, C. M. A Influência das redes de cooperação no desenvolvimento de micro e pequenas empresas (MPEs). Desenvolvimento em Questão, v. 13, n. 31, p. 259-294, 2015.

SPÍNOLA, A. (Org.). O empreendedor individual e o programa bolsa família: uma oportunidade para crescer. Brasília, DF: SEBRAE / PLANO BRASIL SEM MISÉRIA / MDS / GOVERNO FEDERAL, 2011.

SRIDHARAN, S.; VISWANATHAN, M. Marketing in subsistence marketplaces: consumption and entrepreneurship in a South Indian context. Journal of Consumer Marketing, v. 25, n. 7, p. 455-462, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.