A cobertura do telejornal “Jornal Nacional”, uma análise dos casos Teori e Alcaçuz / The coverage of the telejornal “Jornal Nacional”, an analysis of the cases Teori and Alcaçuz

Pedro Ernesto Ribeiro Alves, Larissa Alves de Carvalho

Resumo


O trabalho consiste na análise da cobertura do telejornal intitulado Jornal Nacional, da emissora Rede Globo, entre os dias 19, 20, 21 e 23 de janeiro do ano de 2017. A escolha do jornal se justifica por seu grande alcance na população brasileira: cerca de 25 milhões de pessoas assistem ao jornal todos os dias. O telejornal é apresentado diariamente de segunda a sábado e tem duração de cerca de 45 minutos. Em relação as datas, é importante ressaltar que elas foram escolhidas propositalmente, pois ocorrem dois fatos que tiveram uma relevância maior na cobertura do telejornal, a morte por acidente aéreo do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, e as rebeliões ocorridas em presídios do norte e nordeste brasileiros. O artigo visa desvelar o tempo dedicado a cada bloco de notícia, mostrando como o telejornal é estruturado, tendo em vista sua liderança de audiência em cada programa que apresenta, portanto, a maior ênfase sobre a notícia acaba por ser a tônica do que é discutido nos meios de comunicação em todo o país, e consequentemente isso influência até mesmo o governo e a agenda política nacional. A análise do tempo foi dividida em cinco blocos: Acidente Teori, Violência, Demais Notícias, Notícias Internacionais, Política Nacional. Nesta análise pudemos perceber a disparidade entre os tempos dedicados a cada notícia o que, por conseguinte, pode visar objetivos dos mais variados além do protocolar de levar a informação à população, como por exemplo formar ou moldar a chamada “opinião pública”, modificar a agenda presidencial, influenciar a popularidade ou a credibilidade de alguma política específica ou até mesmo de um governo.


Palavras-chave


Mídia; Agenda; Opinião Pública

Texto completo:

PDF

Referências


ARUGUETE, Natalia. El poder de la agenda: política, medios y público. – 1ª ed - Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Biblos, 2015

BECERRA, M. y MASTRINI, G.(2006): “Periodistas y magnates”. Prometeo, Buenos Aires.

CHAMPAGNE, Patrick. “La visión mediática”. En Bourdieu, Pierre. La miseria del mundo. FCE, Buenos Aires, 2000.

CHARADEAU,Patrick. “Discurso de mídias”. São Paulo: Contexto,2006.

HERREROS, Mariano Cebrián - La informacion en televisión: obsesión mercantil y política. Barcelona. Gedisa. 2009

Jornal Nacional: a notícia faz história / Memória Globo. - Rio de- Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004

MARTINI, Stella. Periodismo, noticia y noticiabilidad. Buenos Aires: Norma, 2000.

MOSCO, Vincent. La Economía Política de la Comunicación: una actualización diez años después. CIC Cuadernos de Información y Comunicación 2006, vol. 11 57-79

RINCÓN, Omar. Narrativas mediáticas. O cómo se cuenta la sociedad del entretenimiento, col. Estudios de televisión, núm. 23. Barcelona: Gedisa. 2006.

Temer, A. C. R. P. Alfredo Viseu, Flávio Porcello, IluskaCoutinho (orgs,) 60 anos de telejornalismo no Brasil: história, análise e crítica /.. Florianópolis: Insular, 2010

SÁNCHEZ RUIZ, Enrique E. Medios de difusión y sociedad. Notascríticas y metodológicas. Guadalajara: Universidad de Guadalajara. 1992

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2016-04/ibge-embardada-ate-amanha-10h-0604

https://globoplay.globo.com/jornal-nacional/p/819/


Apontamentos

  • Não há apontamentos.