Inoculação e coinoculação com Bradyrhizobium e Azospirillum na cultura da soja / Bradyrhizobium and Azospirillum inoculation and coinoculation in soybean culture

Andressa Serafim de Quadros, Luísa Bandeira, Natália Kasper, Paulo Roberto Fidelis Giancotti, Lessandro de Conti

Resumo


A nutrição equilibrada da soja (Glycine max L.) é fundamental para que as plantas possam expressar o seu potencial produtivo. O nitrogênio (N) é o macronutriente requerido em maior quantidade pela cultura da soja, sendo a fixação biológica do N2 a principal forma de suprimento deste nutriente para cultura no Brasil. Técnicas que aumentam a eficência deste processo de fixação do N2 são necessárias para atender à exigência das lavouras de alta produtividade. O trabalho teve por objetivo avaliar a influência da inoculação e coinoculação com Bradyrhizobium e Azospirillum sobre a produtividade e componentes do rendimento da soja no município de Santo Augusto RS. O experimento foi conduzido na safra 2018/2019, na área experimental do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha – campus Santo Augusto, sobre um Latossolo. Neste estudo avaliuo-se quatro tratamentos, sendo eles: sem inoculação (T1); inoculação com Bradyrhizobium japonicum (T2); inoculação com Azospirillum brasilense (T3) e coinoculação de Bradyrhizobium japonicum + Azospirillum brasilense (T4). A cultivar utilizada foi a TMG 7062 IPRO, semeada no dia 20 de novembro de 2018, sob sistema plantio direto. A adubação, manejo de doenças, pragas e plantas daninhas seguiram as recomendações técnicas regionais para a cultura. Durante o ciclo da cultura foi realizada avaliação do índice de clorofila foliar. Após a maturação da cultura foi determinado o número de grãos por planta, peso de mil grãos e produtividade de grãos. Os resultados obtidos foram submetidos à análise de variância e as médias agrupadas pelo teste de Tukey (p≤0,1). A coinoculação com Bradyrhizobium japonicum + Azospirillum brasilense não impactou no aumento dos parâmetros avaliados, não justificando a sua utilização para a cultivar e safra avaliada. A tendência de incremento na produtividade com a inoculação de Bradyrhizobium japonicum reforça a importância em realizar a inoculação periodicamente com esta bactéria, mesmo em áreas com histórico de cultivo de soja, dado o baixo investimento com o inoculante.


Palavras-chave


Fixação biológica de nitrogênio, FBN, Glycine max; simbiose, bactéria.

Texto completo:

PDF

Referências


BRACCINI, A. L.; MARIUCCI, G. E. G.; SUZUKAWA, A. K.; LIMA, L. H. S.; PICCININ, G. G. Co-inoculação e modos de aplicação de Bradyrhizobium japonicum e Azospirillum brasilense e adubação nitrogenada na nodulação das plantas e rendimento da cultura da soja. Scientia Agraria Paranaensis, v. 15, p. 27-35, 2016.

BULEGON, L. G., L. RAMPIM, J. KLEIN, D. KESTRING, V. F. GUIMARÃES, A. G. BATTISTUS, e A. M. INAGAKI. Componentes de produção e produtividade da cultura da soja submetida à inoculação de Bradyrhizobium e Azospirillum. Terra Latinoamericana 34: p. 169-176, 2016.

CÂMARA, G. M. S. Fixação Biológica de nitrogênio em soja. Informações agronômicas, n. 147, p. 1-9, 2014.

COMISSÃO DE QUÍMICA E FERTILIDADE DO SOLO - RS/SC. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Santa Maria: Núcleo Regional Sul - Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. 2016. 376p.

CONAB – COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da safra brasileira de grãos, v. 6 - Safra 2018/19 - Décimo levantamento, Brasília, p. 1-50, jul. 2019.

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Dados Econômicos da safra 2017/2018 . Disponível em: https://www.embrapa.br/web/portal/soja/cultivos/soja1/dados-economicos. Acesso em 24 de fevereiro de 2019.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, p. 1039-1042, 2011.

HUNGRIA, M.; NOGUEIRA, M. A.; ARAUJO, R. S. Co-inoculation of soybeans and common beans with rhizobia and Azospirilla: strategies to improve sustainability. Biology and Fertility of Soils, v. 49, p. 791-801, 2013.

SANTOS, H. G.; JACOMINE, P. K. T.; ANJOS, L. H. C.; OLIVEIRA, V. A.; LUMBRERAS, J. F.; COELHO, M. R.; ALMEIDA, J. A.; CUNHA, T. J. F.; OLIVEIRA, J. B. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3.ed. rev. e ampl. Brasília: Embrapa. 2013. 353p.

TAIZ, L. & ZIEGER, E. Fisiologia vegetal. Sinauer Associates, Sunderland, MA, USA. p. 918, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.