Esporotricose no Brasil: uma doença comum a felinos e humanos – revisão de literatura / Sporotricosis in Brazil: a common disease for felines and humans - literature review

Rafael Barbosa da Silva, Thainá Helena Limeira Parize, Mariana Horácio da Silva, Franciely Santos Feijó, Juliana Nascimento Santos, Rebecca Ekklecia da Costa Oliveira, Marcia Kikuyo Notomi

Resumo


A esporotricose é uma doença comum a humanos e a animais, portanto é uma zoonose. É uma enfermidade granulomatosa crônica de origem mundial causada pelo gênero Sporothrix, geralmente achado em locais úmidos e quentes como no solo, em cascas de árvores, nos vegetais e nos materiais em decomposição. Foi feita uma revisão na literatura médica e veterinária, com levantamento bibliográfico em periódicos e artigos científicos extraídos de bases de dados como o Scielo e Google Scholar, onde foi encontrando diversos artigos. As palavras chaves utilizadas foram: Esporotricose, esporotricose em felinos, esporotricose em humanos, relatos de caso sobre esporotricose em humanos e felinos e epidemiologia da esporotricose. A transmissão para humanos geralmente ocorre por mordidas ou arranhaduras de animais infectados. Em um estudo feito entre 1997 e 2007, foram diagnosticados e tratados 1.848 casos de esporotricose humana no Rio de Janeiro, sendo que o gato esteve como fonte de infecção em 66,34% dos casos ocorridos, dentre esses, 78,71% eram com gatos domesticados, 8,07% com gatos de rua e 13,21% não informaram a procedência do animal.A incidência da esporotricose vem aumentando em humanos, sendo considerada endêmica em alguns estados. A transmissão da enfermidade pelo gato é responsável por um elevado número de casos de zoonose. O médico veterinário deve estar preparado para o diagnóstico, evitando a transmissão, importante papel controle da esporotricose na saúde pública.


Palavras-chave


Gato, Sporothrix, Epidemiologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Lívia Gomes Ferreira de; ALMEIDA, Vivian Gomes Ferreira de. Uma revisão interdisciplinar de esporotricose. Revista Eletrônica Estácio Saúde, v.4, n.2, 2015

CRUZ, Camila Santos Anseloni ; FERREIRA, Maurício Lamano. Ocorrência de esporotricose em animais domésticos: um revisão bibliográfica. In: XIV Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação, 2010, São Pulo: Uninove. p.1-7.

BARROS, Monica Bastos de Lima; SCHUBACH, Tania Pacheco; COLL, Jesana Ornellas; GREMIÃO, Isabella Dib; WANKE, Bodo; SCHUBACH, Armando. Esporotricose: a evolução e os desafios de uma epidemia. Rev. Panam Salud Publica. v.27, n.6, p.455-460, jan. 2010.

ETTINGER, Stephen J.; FELDMAN, Edward C. Tratado de Medicina Interna Veterinária - Doenças do cão e do gato. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. 2236p.

FALCÃO, Eduardo Mastrangelo Marinho et al. Hospitalizações e óbitos relacionados à esporotricose no Brasil (1992-2015). Cad. SaúdePública. v.35, n.4, p.1-7, Mar. 2019.

GREENE, Craig E. Infectious diseases of the dog and cat. 4 º ed. Saint Louis: Elsevier, 2012. 1376p. p.

LLORET, Albert et al. Sporothricosis in cats: ABCD guidelines on prevention and management. Journal of Feline Medicine and Surgery, Thousand Oaks, v. 15, n. 7, p. 619-623, ago. 2013.

NELSON, Richard W.; COUTO, C. Guillermo. Medicina interna de pequenos animais.5º ed. Rio de janeiro: Guanabara koogan, 2015. 1512p.

MONTEIRO, Héllen Renata Borges; TANENO, Joyce Costa; NEVES, Maria Francisca. Esporotricose em felinos domésticos. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária. Ano VI, n.10, jan. 2008.

RODRIGUES, A. M. et al. Emerging sporotrichosis is driven by clonal and recombinant Sporothrix species. Emerging Microbesand Infection, Shanghai, v.3, n. e32, 2014. Disponível em: . Acesso em: 6 dez. 2016.

SILVA, Margarete Bernardo Tavares da; COSTA, Mônica Motta de Mattos; TORRES, Carla Carrilho da Silva; GALHARDO, Maria Clara Gutierrez; VALLE, Antonio Carlos Francesconi do; MAGALHÃES, Mônica de Avelar F. M.; Sabroza, Paulo Chagastelles; OLIVEIRA, Rosely Magalhães de. Esporotricose urbana: epidemia negligenciada no Rio de Janeiro, Brasil, Cad. Saúde Pública, v28, n10, p.1867-1880. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.