Compostagem acelerada de resíduos orgânicos: análise de caso por meio de uso de equipamento eletromecânico / Accelerated composting of organic waste: case study analisys by electromechanical equipment

Rui Pedro Cordeiro Abreu de Oliveira, Ana Vitória Gadelha Freitas, André Luís Oliveira Cavaleiro de Macedo, Vitor Lucio Motta Veimrober, Carlos de Araújo Farrapeira Neto

Resumo


A crescente geração de resíduos sólidos orgânicos principalmente nos grandes centros urbanos, e a escassez de soluções alternativas para o tratamento e destinação final tecnicamente adequadas, demanda técnicas de compostagem inovadoras, que permitem efetuar o tratamento desses resíduos no próprio local onde são gerados. Visando o correto tratamento deste tipo de resíduos, este artigo teve como objetivo avaliar a viabilidade do processo de compostagem acelerada, através do uso de um equipamento eletromecânico evitando assim a coleta e transporte desses resíduos para aterros e lixões reduzindo assim passivos ambientais. A metodologia utilizada foi de natureza qualitativa, quantitativa e exploratória, através do manuseio prático do equipamento de capacidade de carga de 20 kg. Em face do exposto constatou-se que após o processamento de 04 ciclos de 45 minutos cada, 80 kg de resíduos orgânicos foram transformados em 65kg de composto sem odores e de cor Dark Brown10 YR, composto esse que pode ser destinado para diversas aplicações. Portanto, conclui-se que a metodologia aplicada demonstrou potencial e viabilidade para a implementação da composteira eletromecânica, pois a compostagem acelerada potencializou o aproveitamento de restos alimentares e a sua transformação em adubo orgânico.


Palavras-chave


Compostagem, Tecnologias verdes, Compostagem acelerada, Resíduos orgânicos, Impactos ambientais.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NRB 13591/1996.Compostagem - Terminologia. Março, 1996, 4p. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2019.

BRASIL. Lei nº. 12.305, 02 de agosto de 2010 – Política Nacional de Resíduos Sólidos, (BR), 2010. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2019.

COELHO, H. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2000. 85p.Disponível em: . Acesso em 29 jun. 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico- 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Diagnóstico dos resíduos sólidos urbanos. 2012. Disponível em: . Acessoem: 20 jun. 2019.

MUNSELL SOIL COLOR COMPANY,Munsell soil color chats, Munsell color, Macbeth Division of Kollmorgen Corporation, Baltimore, Maryland, USA. 1950, revised 1975. Acesso em: 02 jul. 2019.

SARRA, A. (2013). Propriedade intelectual e tecnologias verdes. Humanidades Em Diálogo,5,77-91. Disponível em: . Acesso em: 03 jul. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.