Ações de restauração de florestas exploradas seletivamente no sudoeste da Amazônia brasileira / Restoration of selectively harvested forests in southwestern Brazilian Amazon

Henrique José Borges de Araujo

Resumo


Por meio de técnicas de restauração, florestas exauridas podem ser conduzidas de maneira a minimizar os efeitos da exploração seletiva que as modificaram. O plantio de mudas é um método rápido e eficaz de restauração de florestas. Este trabalho objetiva descrever os resultados de plantios de enriquecimento de florestas de produção nos municípios de Xapuri, Brasiléia e Rio Branco, no estado do Acre. Foram utilizadas dez espécies florestais madeireiras comerciais: Amarelão (Aspidosperma vargasii A. DC.), Angelim (Ormosia arborea (Vell.) Harms), Cedro (Cedrela odorata L.), Cerejeira (Amburana acreana (Ducke) A. C. Sm.), Freijó (Cordia alliodora (Ruiz & Pav.) Oken), Ipê (Tabebuia serratifolia (Vahl) G. Nicholson), Itaúba (Mezilaurus itauba (Meisn.) Taub. ex Mez), Jatobá (Hymenaea courbaril L.), Mogno (Swietenia macrophylla King) e Timbaúba (Enterolobium maximum Ducke). Os plantios foram entre outubro/2011 a março/2012, totalizando 1273 mudas. Os tratamentos silviculturais de condução e o monitoramento foram nos anos de 2012 a 2019. Após oito anos (96 meses) ao plantio, a taxa média de sobrevivência foi de 29,3%, altura total média de 2,75 m e diâmetro médio de 3,11 cm. As cinco espécies com os melhores desempenhos quanto a crescimento (diâmetro e altura) foram Timbaúba, Freijó, Mogno, Cerejeira e Cedro; com as melhores taxas de sobrevivência foram Timbaúba, Jatobá, Cerejeira, Mogno e Cedro.

Palavras-chave


Enriquecimento de clareiras, espécies florestais madeireiras amazônicas, manejo florestal, regeneração florestal, tratamentos silviculturais.

Texto completo:

PDF

Referências


ACRE. Governo do Estado do Acre. Programa Estadual de Zoneamento Ecológico-Econômico. Zoneamento Ecológico-Econômico do Acre Fase II Documento síntese – escala 1:250.000. Rio Branco, Secretaria de Estado de Meio Ambiente. 355p. 2006.

AGUIAR, S. H. S.; CARVALHO, J. O. P.; RUSCHEL, A. R.; RAMOS, E. M. L. S.; ROCHA, E. S.; CASTRO, T. C.; SILVA, B. M. F. Dinâmica da regeneração natural de espécies madeireiras durante três décadas da exploração florestal na Floresta Nacional do Tapajós, Brasil. Scientia Forestalis. Piracicaba, v. 47, n. 121, p. 92-104. 2019.

ARAUJO, H. J. B. Diagnóstico das indústrias de serraria do Estado do Acre. Rio Branco: FUNTAC, 1991. 238p.

ARAUJO, H. J. B. Aproveitamento de resíduos das indústrias de serraria do Acre para fins energéticos. EMBRAPA-CPAF-Acre. 2003. (Embrapa Acre. Documentos, 82). 38p.

ARAUJO, H. J. B.; MAGALHÃES, W. L. E.; OLIVEIRA, L. C. Durabilidade de madeira de eucalipto citriodora (Corymbia citriodora (Hook.) K.D. Hill & L.A.S. Johnson) tratada com CCA em ambiente amazônico. Acta Amazônica. v.42(1). p.49-58. 2012.

ARAUJO, H. J. B.; CORREIA, M. F.; SIVIERO, A.; MACEDO, P. E. F.; OLIVEIRA, L. C. Plantios de enriquecimento em florestas de produção no Acre. Rio Branco: Embrapa Acre, 2013. 18 p. (Embrapa Acre. Circular Técnica, 66).

ARAUJO, H. J. B. Restauração florestal: demanda crescente para a Amazônia. AgroDebate (http://g1.globo.com/mato-grosso/agrodebate/noticia/2014/11/opiniao-restauracao-florestal-demanda-crescente-para-amazonia.html). 2014.

ATTANASIO, C. M.; GANDOLFI, S.; RODRIGUES, R. R. Manual de Recuperação de Matas Ciliares para Produtores Rurais. Governo do Estado de São Paulo. 2006. 60p.

ASNER, G. P.; KNAPP, D. E.; BROADBENT, E. N.; OLIVEIRA, P. J. C.; KELLER, M.; SILVA, J. N. Selective Logging in the Brazilian Amazon. Science 310(5747): 480-482. 2005.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento de Produção Mineral. Projeto Radambrasil. Folha SC19. Levantamento dos Recursos Naturais. Vol. 12. Rio Branco. Rio de Janeiro, RJ. 1976. 458 p.

CARVALHO, J. O. P. Estrutura de matas altas sem babaçu na Floresta Nacional do Tapajós. In: SILVA, J. N. M.; CARVALHO, J. O. P. de; YARED, J. A. G. (Ed.) A silvicultura na Amazônia Oriental: contribuições do projeto Embrapa/DFID. Belém: Embrapa Amazônia Oriental/DFID. p.277-290. 2001.

DE GRAAF, N. R. A silvicultural system for natural regeneration of tropical rain forest in Suriname. Wageningen: Agricultural University. 250 p. 1986.

DENSLOW, J. S.; HARTSHORN, G. S. Tree-fall Gap Environments and Forest Dynamic Process. In: L. A. McDade; K. S. Bawa; H. A. Hespenheide; G. S. Hartshorn (eds.). LA SELVA - Ecology and Natural History of a Neotropical Rain Forest. The University of Chicago. Chicago, U.S.A. p.120 - 128. 1994.

DUARTE, A. F. Aspectos da climatologia do Acre, Brasil, com base no intervalo 1971–2000. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 21, n. 3b, p. 96-105, dez. 2006.

ISERNHAGEN, I.; RODRIGUES, R. R. Recuperação de áreas degradadas: uma proposta para o Cerrado da Bacia Hidrográfica do Rio São Lourenço - Mato Grosso. 1. ed. Brasília: FAMATO / TNC / SEMA, 2008. 32 p.

JARDIM, F. C. S.; SILVA, G. A. P. Análise da variação estrutural da floresta equatorial úmida da estação experimental de silvicultura tropical do Instituto Nacional de pesquisa da Amazônia – INPA, Manaus (AM). Revista de Ciências Agrárias, n.39, p.25-54. 2003.

HUMMEL, A. C.; ALVES, M. V. S.; PEREIRA, D. S.; VERÍSSIMO, A.; SANTOS, D. A atividade madeireira na Amazônia brasileira: produção, receita e mercados. Belém: Serviço Florestal Brasileiro; Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia. 2010. 32 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Anuário Estatístico do Brasil. Sistema IBGE de recuperação automática. Rio de Janeiro: IBGE/SIDRA. 2014.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (Brasil). Projeto PRODES: monitoramento da floresta amazônica brasileira por satélite. São José dos Campos, 2014.

LACERDA, D. M. ; FIGUEIREDO, P. S. Restauração de matas ciliares do rio Mearim no município de Barra do Corda-MA: seleção de espécies e comparação de metodologias de reflorestamento. Acta Amazonica, vol. 39(2), pp. 295-304. 2009.

LEAL FILHO, N. Dinâmica inicial da regeneração natural de florestas exploradas na Amazônia brasileira. Tese de doutorado. Instituto de Biociências/Universidade de São Paulo. 2000. 157p.

MIRANDA, E. M.; ARAUJO, H. J. B. Avaliação de danos de uma exploração florestal de baixo impacto no Projeto de Colonização Pedro Peixoto – Acre. In: IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE COMPENSADO E MADEIRA TROPICAL. Belém: ABIMCI, 1999.

PARDO, M. H. A. Elementos para um plano de gestão ambiental do campo experimental da Embrapa Acre. 2012. 122f. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Mestrado de Ciências Ambientais e Saúde, Goiânia, 2012.

ROSAS, G. K. C.; DRUMOND, P. M. Caracterização da caça de subsistência em dois seringais localizados no Estado do Acre (Amazônia, Brasil). Rio Branco, AC: Embrapa Acre, 2007. 31 p. (Embrapa Acre. Documentos, 109).

SABOGAL, C.; ALMEIDA, E.; MARMILLOD, D.; CARVALHO, J. O. P. Silvicultura na Amazônia Brasileira: avaliação de experiências e recomendações para implementação e melhoria dos sistemas. Belém, CIFOR. 2006. 190 p.

SANTOS, R. C. Resíduos da indústria madeireira do Acre. Rio Branco: FUNTAC, 2007. 65 p.

SOBRAL, L.; VERÍSSIMO, A.; LIMA, E.; AZEVEDO, T.; SMERALDI, R. Acertando o alvo 2: consumo de madeira amazônica e certificação florestal no Estado de São Paulo. Belém: Imazon. 2002. 72 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.