Resíduo de caldeira como substrato alternativo à produção de mudas de meloeiro Cantaloupe / Boiler residue as an alternative substrate to the production of Cantaloupe melon seedlings

Eduardo Pradi Vendruscolo, Leticia Veloso Araujo, Leandra Regina Semensato, Luiz Fernandes Cardoso Campos, Paulo Ricardo de Oliveira, Alexsander Seleguini

Resumo


O objetivo deste trabalho foi de avaliar o resíduo de caldeira como substrato alternativo para a produção de mudas de melão Cantaloupe. O experimento foi conduzido em blocos casualizados, sendo os tratamentos compostos por dois diferentes substratos (100% resíduo de caldeira e 100% substrato) e três misturas destes nas proporções 75/25, 50/50 e 25/75, compondo os cinco tratamentos. Para a composição dos resultados foram avaliados a taxa de emergência, o tempo médio de emergência e o índice de velocidade de emergência, durante a etapa de emergência e após 30 dias da semeadura os teores de clorofilas a, b e total, área foliar, altura de parte aérea, número de folhas, comprimento de raiz, massa seca de parte aérea, raiz e total e índice de qualidade de Dickson. Obteve-se, para o melão Cantaloupe, que o resíduo de caldeira proporcionou incrementos significativos nas características biométricas das mudas, elevados teores das clorofilas e massa seca de parte aérea e raiz. O resíduo de caldeira possui potencial para substituir parcialmente ou integralmente o substrato comercial na produção de mudas de meloeiro.

 


Palavras-chave


Resíduos orgânicos; Melão rendilhado; Resíduo industrial; Suporte nutricional.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, D. L. et al. Produção de mudas de melão Cantaloupe em diferentes tipos de substratos. Revista Verde, Mossoró, v. 8, n. 3, p. 15 – 20, 2013.

BEZERRA, F.C.; BEZERRA, G.S.S. Diferentes substratos para a formação de mudas de

meloeiro. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 19, suplemento CD-ROM, julho 2001.

BEZERRA, F.C. : Documentos,72: Produção de Mudas de Hortaliças em Ambiente Protegido. ISSN 1677-1915. Embrapa, Fortaleza, Dezembro/2003.

CAMPANHARO, M. et al. Características físicas de diferentes substratos para produção de mudas de tomateiro. Revista Caatinga, Mossoró, v. 19, n. 2, p. 140-145, 2006.

COELHO, F.S. et al. Dose de nitrogênio associada à produtividade de Batata e índices do estado de nitrogênio na folha. R. Bras. Ci. Solo, Viçosa, v. 34, p. 1175-1183, 2010.

EASLON, H. M.; BLOOM, A. J. Easy Leaf Area: Automated digital image analysis for rapid and accurate measurement of leaf area. Plant sciences, v. 2, n. 7, p.1-4, 2014.

FERREIRA, E.F. et al. Produção de mudas de melão em diferentes tipos de substratos. In: CONGRESSO BRASILEO DE OLERIRICULTURA, 51. 2011 São Paulo. Horticultura Brasileira, v.29, n. 2 Suplemento - CD ROM, 2011.

FONSECA, E.P. et al. Padrão de qualidade de mudas de trema micrantha (l.) Blume, produzidas sob diferentes períodos de sombreamento. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.26, n.4, p.515-523, 2002.

HOFFMAN, A. et al. Propagação de Plantas Frutíferas. Brasília: Embrapa, 2005. 221 p.

IBGE. Tabela 1612 - Área plantada, área colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor da produção das lavouras temporárias: banco de dados. Disponível em: . Acesso em: 21 de abril 2017.

JESUS, S. V.; MARENCO, R. A. O SPAD-502 como alternativa para a determinação dos teores de clorofila em espécies frutíferas. Acta Amazonica, Manaus, v. 38, n. 4, p. 815 – 818, 2008.

KLEIN, C. Substratos Alternativos Para Produção De Mudas. Revista Brasileira de Energias Renováveis, Passo Fundo, v. 4, n. 3, p. 43-63, 2015.

LABOURIAU, L.G. A germinação de sementes. Washington, DC: Secretaria Geral da Organização dos Estados Americanos. 1983. 174p.

MADALENA, J.A.S. Caracterização morfo-agronômica, sensorial e póscolheita em famílias de meios-irmãos de melão. 2009. 92 f. Tese (Doutor em Ciências, em Fitotecnia) – Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2009.

MAGUIRE, J.D. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedlings emergence and vigor. Crop Science 2. 1962. 176-177.

MENEZES J.B. et.al. Colheita e manuseio pós-colheita. In: ALVES, R.E. (Org.) Melão: pós-colheita. Brasília: Embrapa Comunicação para transferência de Tecnologia, 2000. cap.3, p.23-40.

MENDES, A.M.S. et al. Coleção Plantar: Melão, Brasília: Embrapa, 2. ed. 2008. 191p.

MOREIRA.M.P.et al. Produção de mudas de berinjela com uso de pó de coco. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.12, n.2, p.163-170, 2010.

SEVERINO, L.S.; LIMA, R.L.S.; BELTRÃO,N.E.M. Composição Química de Onze Materiais Orgânicos Utilizados em Substratos para Produção de Mudas: Comunicado Técnico. n. 278, ISSN 0102-0099. Embrapa, Campina Grande, Agosto/2006.

OLIVEIRA, S.A. et al. Desenvolvimento inicial da mamoneira sob diferentes Fontes e doses de matéria orgânica. Revista Caatinga, Mossoró, v.22, n.1, p.206-211, janeiro/março, 2009.

OLIVEIRA, F.A. et al. Produção de mudas de cultivares de maxixeiro em fibra de coco fertiirrigadas com diferentes concentrações de nutrientes. Rev. Ceres, Viçosa, v. 63, n.5, p. 698-705, set/out, 2016.

PEREIRA, F.H.F. et al. Poda da haste principal e densidade de cultivo sobre a produção e qualidade de frutos em híbridos de melão. Horticultura Brasileira, Brasília, v. 21, n. 2, p. 191-196, abril/junho 2003.

PES, L.S; ARENHARDT.M.H. Fisiologia vegetal. Universidade Federal de Santa Maria, Colégio Politécnico, Rede e-Tec Santa Maria, RS, 81.p, 2015.

SILVA. M.C. Melão rendilhado em ambiente protegido submetido à doses de nitrogênio e potássio em Rondonópolis-MT. 2012. 104 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Sistemas Agrícolas) – Universidade Federal de Mato Grosso, Rondonópolis, 2012.

RAMOS, A.R.P.et al. Mudas de melancia produzidas com substrato à base de pó de coco e soluções nutritivas. Horticultura Brasileira, v. 30, p. 339-344, 2012.

SOUZA E.G.F. et al. Produção de mudas de cucurbitáceas utilizando esterco ovino na composição de substratos orgânicos. Agro@mbiente, On-line, v. 8, n. 2, p. 175-183, 2014.

SOUZA, E.G. F.et al. Emergência e desenvolvimento de mudas de tomate IPA 6 em substratos, contendo esterco ovino. Revista Ceres, Viçosa, v. 60, n. 6, p. 902-907, 2013.

TAIZ, L.; ZEIGER, E.; MOLLER, I. M.; MURPHY, A. Fisiologia e Desenvolvimento Vegetal. 6. ed. Artmed, Porto Alegre. 2017. 888 p.

VENDRUSCOLO, E.P.; MARTINS, A.P.B.; SELEGUINI,A. Promoção no desenvolvimento de mudas olerícolas com uso de bioestimulante. Journal of gronomic Sciences, Umuarama, v.5, n.2, p.73-82, 2016.

ZORZETO, T.Q. et al. Caracterização física de substratos para plantas. Solos e Nutrição de Plantas. Bragantia, , v. 73, n. 3, p.300-311, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.