O conceito de paisagem e a identidade cultural: reflexões a partir do Bioma Pampa, RS, Brasil / The concept of landscape and cultural identity: reflections from the Pampa Biome, RS, Brazil

Diana Milena Reina Ávila, Margarita Rosa Gaviria Mejía, Eduardo Périco

Resumo


Os processos de ocupação humana e não humana tem sido estabelecidos em espaços onde os recursos que a paisagem proporciona, satisfazendo suas necessidades biológicas e culturais. No processo de interação continua entre homem e paisagem se construí um elo sentimental com a terra, outorgando-lhe um sentido patrimonial. As marcas do tempo, impressas na paisagem, revelam uma construção histórica de arte, lembrança e ciclos de identidades vivenciados por aqueles que ali habitam. Neste sentido, a paisagem pode ser um referente de identidade, assim como uma composição cultural simbólica, dinâmica e transitória. Este trabalho, apresenta uma revisão teórica da evolução do conceito de paisagem e seu significado na contemporaneidade como um elemento chave na compreensão da identidade cultural, a qual se constrói com base nos elementos das paisagens. Cientes da multiplicidade de tipos de paisagens, nossa proposta é refletir sobre o assunto tomando como eixo o bioma Pampa e os elementos simbólicos da cultura gaúcha construída nesse contexto. Esta análise é inspirada em reflexões elaboradas como parte da fundamentação teórica do projeto de dissertação de mestrado. O conceito de paisagem como iremos apresenta-lo, vem sendo construído desde o século XV, principalmente por autores do pensamento ocidental. No entanto, temos consciência que a noção de paisagem esteve sempre presente na memória do ser humano, pois a essência do homem como um animal territorial deriva do seu relacionamento com o meio. A categoria de paisagem, como conceito, vem sendo até hoje motivo de debate e discussões, tanto por diversos acadêmicos, quanto por pessoas do senso comum. As reflexões contemporâneas nos permitem entender a paisagem como um elemento de identidade cultural.


Palavras-chave


Território. Lugar. Percepção.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, António Campar de. Paisagens: um património e um recurso. O interior raiano do Centro de Portugal. Outras fronteiras, novos intercâmbios, p. 31-42, 2006.

BASTIAN, Olaf. Landscape Ecology–towards a unified discipline?. Landscape Ecology v.16, n. 8, p. 757-766, 2001.

BENTANCOR Milton Hernán. ¿Identidad gaucha?: Rodríguez o Benjamín Otálora. ANTARES, v. 5, n 9. 2013.

BOLDRINI, Ilsi Iob, FERREIRA, Pedro Maria de Abreu, ANDRADE, Bianca OTT, SCHNEIDER Angelo Alberto, SETUBAL Robberson Bernal, TREVISAN, Rafael, FREITAS, Elisete Maria de. Bioma pampa: diversidade florística e fisionômica. Porto Alegre: Palloti, 2010.

CABRAL, Luiz Otávio. Revisitando as noções de espaço, lugar, paisagem e território, sob uma perspectiva geográfica. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, v. 41, n. 1/2, p. 141-155, 2007.

CORRÊA, Roberto Lobato. A dimensão cultural do espaço: alguns temas. Espaço e cultural, v,1, p. 1-22, 1995.

FARINA, Almo. Ecología del paisaje. Universidad de Alicante, 2011.

FREITAS, Elisete Maria de. Bioma pampa: diversidade florística e fisionômica. Porto Alegre: Palloti, 2010.

FORMAN, Richard T., GODRON Michel. Landscape ecology. Jhon Wiley & Sons, New York, 1986.p. 619

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. Trad : Eduardo Brandão. SP: Martins Fontes, 2008 Apud MENEZES, Leandro Alves Martins de. Michel Foucault e o problema da governamentalidade. Revista Inquietude 3, n.1, 2012. p.198-211

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Zahar, 2002.

LEFF, Enrique. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental: Olhar de professor. Ponta Grossa, v. 14, n.2. p. 309-335, 2011. Disponível em: www.revistas2.uepg.br/index.php/olhardeprofessor> Acesso em: 04 jun, 2017.

NAVEH, Zev, LIEBERMAN Arthur S. Landscape ecology: theory and application. Springer Science & Business Media, 2013.

NETO, Helena Brum, BEZZI Meri Lourdes. Regiões culturais: a construção de identidades culturais no Rio Grande do Sul e sua manifestação na paisagem gaúcha. Revista Sociedade & Natureza 20, no. 2, 2007.

MACIEL, Ana Beatriz Câmara, LIMA Zuleide Maria Carvalho. O conceito de paisagem: diversidade de olhares. Sociedade e Território v. 23, n. 2, p. 159-177, 2011.

MATHEWSON, Kent, SEEMANN Jörn. A geografia histórico-cultural da Escola de Berkeley: Um precursor ao surgimento da História Ambiental. Varia Historia 24, n. 39: 71-85, 2008.

MAXIMIANO. Liz Abad. Considerações sobre o conceito de paisagem. R. RA´E GA, Editora UFPR, Curitiba, n. 8, 2004. p. 83-91.

MENEZES, Leandro Alves Martins de. Michel Foucault e o problema da governamentalidade. Revista Inquietude 3, n. 1. p. 198-211, 2012.

MOLANO, Olga Lucía. Identidad cultural un concepto que evoluciona. Opera 7, n. 7. p. 69-84, 2007.

OLIVEN, Rubén George. Nación y modernidad: la reinvención de la identidad gaucha en el Brasil. EUDEBA: Buenos Aires, 1999.

PISSINATI, Mariza Cleonice, Mariza C. ARCHELA, Rosely Sampaio. Geossistema território e paisagem-método de estudo da paisagem rural sob a ótica bertrandiana. Geografia Londrina 18, n. 1, 5-31 p., 2009.

SAUER, Carl O. Geografia cultural. Espaço e cultura v. 3 p. 1-7, 1997.

SCHIER, Raul Alfredo. Trajetórias do conceito de paisagem na geografia. Raega-O Espaço Geográfico em Análise v. 7, 2003.

TUAN, Yi-Fu. Espaço, tempo, lugar: um arcabouço humanista/Space, time, place: a humanistic frame. Geograficidade 1, n. 1, p. 4-15, 2011.

UHLMANN, Günter Wilhelm. Teoria Geral dos Sistemas. São Paulo. Centro Interdisciplinar de Semiótica da Cultura e da Mídia, 2002.

VITTE, Antonio Carlos. O desenvolvimento do conceito de paisagem e a sua inserção na geografia física. Mercator-Revista de Geografia da UFC v. 6, n. 11, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.