Preservação permanente do rio Castelo–trecho urbano do município de Conceição do Castelo, ES / Temporal behavior of the soil use of the permanent preservative areas of the Castelo river – urban area of the municipality of the Conceição do Castelo, ES

Caio Henrique Ungarato Fiorese

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi avaliar o uso de solo dos trechos de áreas de preservação permanente (APP) em torno do rio Castelo, em seu curso na cidade de Conceição do Castelo/ES, bem como propor sugestões para melhorias no local. Foram coletadas, junto ao Geobases/ES, imagens de satélite dos levantamentos realizados em 2007-2008 e 2012-2015 para, em seguida, determinar as classes de uso de solo através de fotointerpretação das feições e da delimitação da APP no programa ArcMap.  As áreas de vegetação arbórea decresceram em 7,084%, em função do crescimento das áreas construídas na APP do rio. As áreas edificadas aumentaram em 15,568%, ao passo que aocupação de vegetação rasteira (pasto/grama) apresentou uma redução em 6,321%. Apesar de ter ocorrido uma redução da mata ciliar, os valores encontrados foram superiores a 44%, sendo considerados satisfatórios. Manejo correto do uso de solo, reflorestamento das áreas degradadas e educação ambiental com a população da cidade são exemplos de propostas para mitigar e atenuar os impactos da ação antrópica na APP do rio Castelo.


Palavras-chave


geotecnologias, mata ciliar, proteção dos recursos hídricos, urbanização.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, G. M. R.; FERREIRA, M. F. M. Uso do solo em áreas de preservação permanente (APP) na bacia do Córrego do Pântano, no município de Alfenas-MG. Revista de Geografia, v. 6, n. 4, p. 329-337, 2016.

BORGES, L. A. C.; REZENDE, J. L. P. de.; PEREIRA, J. A. A.; COELHO JUNIOR, L. M.; BARROS, D. A. de. Áreas de preservação permanente na legislação ambiental brasileira. Ciência Rural, Santa Maria, v. 41, n. 7, p. 1202-1210, 2011.

BRASIL. Lei n° 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a vegetação nativa, e dá outras providências. Brasília, DF, 2012.

EUGÊNIO, F. C. et al. Mapeamento das áreas de preservação permanente do estado do Espírito Santo. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 27, n. 3, p. 897-906, 2017.

FERREIRA, E. de M.; ANDRAUS, M. de P.; TSAI, H. M.; CARDOSO, A. A.; LEANDRO, W. M. Área de preservação permanente em processo de revegetação com espécies arbóreas e adubos verdes. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 23, n. 2, p. 243-252, 2018.

IJSN. Instituto Jones dos Santos Neves. Shapefiles. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2018.

INCAPER, 2010. Programa de assistência técnica e extensão rural PROATER 2011 – 2013: Conceição do Castelo. Disponível em: . Acesso em: 2 ago. 2018.

NICÁCIO, J. E. de M. A manutenção da mata ciliar: um ativo permanente. Revista de Estudos Sociais, n. 6, p. 85-92, 2001.

PINHEIRO, A. C. D.; PROCÓPIO, J. B. Áreas urbanas de preservação permanente ocupadas irregularmente. Revista de Direito Público, Londrina, v. 3, n. 3, p. 83-103, 2008.

RICCI, V. G. Área de preservação permanente de cursos d’água e várzeas: ante os interesses de ambientalistas e empresários rurais. 2013. 60 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia Ambiental) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina, 2013.

ROSA, M. D. A relevância ambiental das áreas de preservação permanente e sua fundamentação jurídica. Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas, Macapá, n. 3, p. 83-95, 2011.

SANTOS, C. D. M. dos.; MAGRI, R. A. F. Áreas verdes urbanas do município de Itaú de Minas-MG, Brasil. Revista Enciclopédia Biosfera, v. 15, n. 27, p. 42-53, 2018.

SILVA, M. V. As áreas de preservação permanente urbanas: usos sustentáveis e usos alternativos na Lei n° 12.651. In: CONGRESSO NACIONAL DO CONPEDI, 4., Niterói, 2012. Anais... Niterói: FUNJAB, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.