Avaliação laboratorial para escolha de coagulante no tratamento de esgoto sanitário / Laboratory evaluation for choice of coagulant in the treatment of sanitary sewage

Andrew da Rosa Kühne, Luciano Peske Ceron, Peter Caubi Machemer

Resumo


Este trabalho investigou a substituição dos coagulantes inorgânicos utilizados em estações de tratamento de esgoto sanitário por um coagulante orgânico, através de ensaios no teste de jarros e análises de Cor, Turbidez, Demanda Química de Oxigênio, Demanda Bioquímica de Oxigênio e Sólidos Suspensos Totais dos efluentes tratados para cada coagulante. Utilizou-se como base a norma ambiental do Rio Grande do Sul determinada pela resolução CONSEMA 355/2017. A partir da metodologia proposta, os resultados foram satisfatórios para à utilização de coagulante orgânico no tratamento de efluente sanitário em comparação aos coagulantes inorgânicos.

Palavras-chave


Coagulante inorgânico. Coagulante orgânico. Esgotosanitário.

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, M. J. H. Uso de coagulantes naturais no processo de obtenção de água potável. 2008. 151 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana) - Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2008.

FRANCO, E. F. Avaliação da Influência dos Coagulantes de Alumínio e Cloreto Férrico na Remoção de Turbidez e Cor da Água Brita e Sua Relação com Sólidos na Geração de Lodo em Estações de Tratamento de Água. 2009. 187f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto-SP. 2013.

MANCUSO, PEDRO C. S.; SANTOS, F. Reuso da água. 3 ed. Barueri: Manuelie, 2003.

MARTINS, H. C. Estudo sobre os processos de coagulação, floculação e decantação em efluentes oriundos de usina canavieira. UTFP, 2014. p.24.

MB 3227/1990, Determinação de Turbidez, ABNT. Rio de Janeiro-RJ, 1990.

NBR 10357/1988 Determinação da Demanda Química de Oxigênio (DQO) – Métodos de RefluxoAberto, Refluxo Fechado –Titulométricoe Refluxo Fechado –Colorimétrico. ABNT, Rio de Janeiro-RJ 1988.

NBR 10664/1989 – Determinação de resíduos (sólidos) – Método gravimétrico. ABNT, Rio de Janeiro-RJ, 1989.

NBR 12216/1992, Projeto de estação de tratamento de águas, ABNT. Rio de Janeiro-RJ, 1992.

NBR 12614/1992, Água – Determinação da Demanda Bioquímica de Oxigênio. ABNT. Rio de Janeiro-RJ, 1992.

NBR 13798/1997, Água – Determinação de cor, Método da comparação visual. ABNT, Rio de Janeiro-RJ, 1997.

NBR 9648/1986, Estudo de concepção de sistemas de esgoto sanitário, ABNT, Rio de Janeiro-RJ, 1986.

Resolução CONSEMA 355/2017. Dispõe sobre os critérios e padrões de emissão de efluentes líquidos para as fontes geradoras que lancem seus efluentes em águas superficiais no Estado do Rio Grande do Sul.Rio Grande do Sul, CONSEMA 2017.

SILVA, C. V. Remoção de fósforo em estação de tratamento de esgotos sanitários através de precipitação química. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2009.

SILVA, T. S. S. Estudo de tratabilidade físico-química com uso de taninos vegetais em água de abastecimento e esgoto. 1999. 85f. Tese (Mestrado, Área de Saúde Pública) – Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 1999.

VON SPERLING, Marcos. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 3ª ed. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.