Teores clorofilianos, composição mineral foliar e produtividade da couve-Manteiga adubada com urina de vaca / Chlorophyll content, leaf mineral composition and yield of cabbage-Butter fertilized with cow urine

José Lucínio de Oliveira Freire, Gildemara Dantas Dias da Silva, Ana Letícia Dantas Silva de Medeiros, Jaiane Eva da Silva

Resumo


A couve-Manteiga é uma das hortaliças mais cultivadas e consumidas no Brasil. Tradicionalmente, o seu cultivo é convencional, com adubação realizada com fertilizantes solúveis, o que, como se sabe, onera financeiramente os sistemas produtivos e acarreta sérios problemas de sustentabilidade ambiental. Esta pesquisa objetivou avaliar os efeitos de diferentes concentrações de urina de vaca, aplicadas via solo, no desempenho produtivo, nos teores clorofilianos e de nutrientes foliares em couve-Manteiga. No Instituto Federal da Paraíba, campus Picuí, o experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, com seis tratamentos — correspondendo à aplicação de urina de vaca diluída em água nas concentrações de 0,0; 4,0; 8,0; 12,0;16,0 e 20,0% (v/v) — e oito repetições. As variáveis analisadas massa fresca foliar, foram número de folhas, área foliar, teores de clorofila a, b e total, teores foliares de nitrogênio, fósforo, potássio e produtividade. As concentrações de urina de vaca não influenciaram a massa fresca, o número de folhas, os teores de clorofila a, b e total (a + b),a composição mineral de fósforo e a produtividade da couve-Manteiga. A dose de 15,0% de urina de vaca diluída em água proporcionou uma maior expansão foliar da couve-Manteiga. As concentrações de urina de vaca até 20,0% não afetaram os teores foliares de nitrogênio e potássio da couve-Manteiga, sendo necessárias novas pesquisas para avaliação do nível ideal deste insumo.

 


Palavras-chave


Agroecologia; BrassicaoleraceaL. var. acephala; Nutrientes; Insumo orgânico.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, T. A. S.; TAVARES, A. T.; CHAVES, P. P. N.; FERREIRA, T. A. &NASCIMENTO, I. R. Efeito de intervalos de aplicação de urina bovina na produção de alface em cultivo protegido. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 7, n. 3, p. 53-67, 2012.

ALMEIDA, J. A. R.; PEIXOTO, C. P.; PASSOS, A. R.; SANTOS, J. F.& PEIXOTO, V. A. B. Diferentes métodos para a determinação da área foliar em genótipos de girassol. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, v. 7, n. 13, p. 398-403, 2011.

DONAGEMA, G. K.; CAMPOS, D. V. B.; CALDERANO, S. B.; TEIXEIRA, W. G.& VIANA, J. H. M. Manual de métodos de análise do solo. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa, 2011. 225p. (CNPS, Documentos 132).

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2 ed. Rio de Janeiro: Embrapa, 2009. 627p.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a guide for its bootstrap procedures in multiplecomparisons. Revista Ciência e Agrotecnologia, v. 38, n. 2, p. 109-112, 2014.

ALENCAR, T. A. S.; TAVARES, A. T.; CHAVES, P. P. N.; FERREIRA, T. A. &NASCIMENTO, I. R. Efeito de intervalos de aplicação de urina bovina na produção de alface em cultivo protegido. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 7, n. 3, p. 53-67, 2012.

ALMEIDA, J. A. R.; PEIXOTO, C. P.; PASSOS, A. R.; SANTOS, J. F.& PEIXOTO, V. A. B. Diferentes métodos para a determinação da área foliar em genótipos de girassol. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, v. 7, n. 13, p. 398-403, 2011.

DONAGEMA, G. K.; CAMPOS, D. V. B.; CALDERANO, S. B.; TEIXEIRA, W. G.& VIANA, J. H. M. Manual de métodos de análise do solo. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa, 2011. 225p. (CNPS, Documentos 132).

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2 ed. Rio de Janeiro: Embrapa, 627p, 2009.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a guide for its bootstrap procedures in multiplecomparisons. Revista Ciência e Agrotecnologia, v. 38, n. 2, p. 109-112, 2014.

FREIRE, J. L. O.; SILVA, J. E.; LIMA, J. M.; ARRUDA, J. A.& RODRIGUES, C. R. Desempenho fitotécnico e teores clorofilianos de cultivares de alfaces crespas produzidas com fertilização à base de urina de vaca no Seridó paraibano. Revista Agropecuária Científica no Semiárido, v. 12, n. 3, p. 258-267, 2016.

LUCENA, M. A. A.; OLIVEIRA, M.G.B. & BEZERRA, I.S. Consórcio de energia solar e eólica em áreas isoladas no semiárido paraibano: um estudo de caso em Picuí-PB. Revista Ambiental. v.1, n.3, p. 115-124. 2015.

LUCENA, R. R. M.; BATISTA, T. M. V.; DOMBROSKI, J. L. D.; LOPES, W. A. R.& RODRIGUES, G. S. O. Medição de área foliar de aceroleira. Revista Caatinga, v. 24, n. 2, p. 40-45, 2011.

NEGREIROS, E. M. L. S. Comportamento produtivo e índice de clorofila da alface crespa adubada com urina de vaca. Picuí, 2016. 37 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Coordenação de Agroecologia, IFPB. Picuí - PB, 2016.

OLIVEIRA, N. L. C.; PUIATTI, M.; SANTOS, R. H. S.; CECON, P. R. & BHERING, A. S. Efeito da urina de vaca no estado nutricional da alface. Revista. Ceres. v. 57, n. 4, p. 507-515, 2010.

OLIVEIRA, N. L. C.; PUIATTI, M.; BHERING, A. S.; CECON, P. R.&SILVA, G. C. C. Uso de urina de vaca no cultivo da beterraba de mesa. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável, v. 2, n. 2, p. 7-13, 2012.

SOBRAL, L. F.; BARRETTO, M. C. V.; ANJOS, J. L. Guia prático para interpretação de resultados de análises de solo. Aracaju: EMBRAPA – Tabuleiros Costeiros, 2015. 13p. (Documentos, 2006).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.