Inserção da dimensão ambiental na educação de jovens e adultos em Sergipe: caminhos para a sustentabilidade / Insertion of the environmental dimension in the education of young people and adults in Sergipe: paths towards sustainability

Juliana Souto Santos

Resumo


O objetivo desse artigo é fortalecer a discussão sobre a temática ambiental na Educação de Jovens e Adultos - EJA,por meio da Pedagogia de Projetos, visando a dinamização das práticas pedagógicas dessa modalidade. Para tanto,foram realizados Ciclos Formativos para professores de EJA da rede estadual com suporte dos técnicos da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura - SEDUC, com vistas a construção de projetos de intervenção socioambiental. A metodologia utilizada para análise desse processo foi a Pesquisa Ação-Participante, em função da importância de apreender as intervenções realizadas nas escolas de EJA pelos professores e alunos, que começaram a redimensionar suas práticas a partir da execução dos projetos.Ficou constatado que a interação entre a EJA e a Educação Ambiental perpassa por ações interdisciplinares que envolvem representantes escolares e da SEDUC,e que existe a necessidade da construção de uma ética socioambiental cidadã no coletivo da escola enquanto política que a viva a EJA em Sergipe

Palavras-chave


Educação Jovens e Adultos, Educação Ambiental,Formação, Intervenção e Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Mª Josefa de Menezes. O desafio da interdisciplinaridade, interculturalidade, intersetorialidade: exemplo de aprendizagem significativa na Educação de Jovens e Adultos. 2013. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/rle. Acesso em: 04 de outubro de 2017.

ARROYO, Miguel G. Educandos e educadores: seus direitos e o currículo. Em: Indagações sobre currículo. Brasília/DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.

BRASIL. Manual orientador do MEC. Brasília/DF: MEC/Coletivo Jovem do Meio Ambiente, 2005.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais da educação básica. Brasília/DF: MEC/SEB/DICEI, 2013.

BRASIL. Constituição brasileira. Brasília, DF, Congresso Nacional, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Brasileira - LDBEN, N. 9.394/1996. Brasília/DF: MEC/SEB, 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais Temas Transversais. Brasília, 1998.

BRASIL. Parecer N. 11de 10 de maio de 2000. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Relator: Carlos Roberto Jamil Cury. Brasília. Disponível em: Acesso em: 21dejulho de 2002.

BRASIL. Educação ambiental: aprendizes de sustentabilidade. Cadernos SECAD 01.Brasília/DF: MEC/SECAD, 2007.

BRASIL. Educação para jovens e adultos: ensino fundamental: proposta curricular- 1º segmento/coordenação e texto final (de) Vera Masagão Ribeiro. São Paulo: Ação Educativa: Brasília/DF: MEC,1998.

CONFINTEA VI. Marco de Belém. 2010. Disponível em: http://www.observatoriodaeducacao.org.br/index.php/confintea-vi/65-confitea-vi/385-o-que-e-a-confintea-vi-quais-sao-seus-objetivos. Acesso em: 02 de agosto de 2017.

FÁVERO, O.; RUMMERT, S. M.; DEVARGAS, S. M. Formação de profissionais para a educação de jovens e adultos trabalhadores: a proposta da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense. 22ª ANPEd,Caxambu/MG, 1999. CD-ROM.

Fazenda, Ivani (org.). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido.3 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 41ª ed., São Paulo: Paz e Terra, 2010.

HISSA, Cássio E. V. Saberes ambientais: a prevalência da abertura. In: HISSA, Cássio E. V. (Org.).Saberes ambientais: desafios para o conhecimento disciplinar. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2008.

QUINTAS, José Silva (Org.). Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente. Brasília/DF: IBAMA, 2002.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO ESPORTE E DA CULTURA. Referencial Curricular. Rede Estadual de Ensino de Sergipe. Aracaju/SE: SEDUC, 2013.

THIOLLENT, Michael. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1985.

VALENTE, Tânia Lúcia Corrêa. Uma abordagem da educação ambiental no espaço prisional. 1999.Disponível: em: www.depen.pr.gov.br/arquivos/File/planoedu.pdf. Acesso em: 04 de agosto de 2017.

UNESCO. Declaração de Hamburgo. Brasília/DF, UNESCO, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.