Condições de trabalho e vulnerabilidade social: percepção dos responsáveis técnicos de serviços de alimentação no bairro Vila Esperança, São Luís-MA, Brasil / Working conditions and social vulnerability: perceptions of food service technicians in Vila Esperança neighborhood, São Luís-MA, Brazil

Eulália Cristina Costa de Carvalho, Milena Mária Silva Assunção, Adenilde Nascimento Mouchreck

Resumo


Introdução: Existem fatores que sofrem influência das condições de vida de cada indivíduo e seu ambiente de vivência cotidiana gerando a percepção ambiental do indivíduo: o estilo de vida, o ambiente físico, o ambiente social e endógenos - tanto genéticos como adquiridos durante a vida. Objetivo: Conhecer a percepção dos responsáveis técnicos de estabelecimentos de alimentação sobre as condições de trabalho e sua relação com a vulnerabilidade social. Metodologia: É uma pesquisa quanti-qualitativa, com uso da epidemiologia descritiva; análise de conteúdo e uso do Atlas de Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros. Foirealizada no bairro Vila Esperança no município de São Luís - MA com 10 estabelecimentos de alimentação, sendo 4 restaurantes e 6 lanchonetes no período de Março a Agosto de 2016. Resultados: caracterizou-se os participantes da pesquisa e obteve-se a percepção destes responsáveis técnicos, como: amaioria dos entrevistados (7) atribuiu valor ao saneamento básico e/ ou melhoria na estrutura física do estabelecimento –interferem diretamente na qualidade do serviço oferecido à população e na segurança à saúde, portanto a percepção foi correta em 70% dos entrevistados. Conclusão: Os entrevistados observam sua realidade a partir de suas perspectivas individuais e a maioria tem consciência de fatores abrangentes e influenciáveis na condição de seu trabalho e que a vulnerabilidade social a que estão sujeitos os proporciona estas condições.


Palavras-chave


Saúde Ambiental; Vigilância em Saúde Pública; Vulnerabilidade Social.

Texto completo:

PDF

Referências


BANCO MUNDIAL. Environment matters. Resumenanual. Washington D. C., jun. 2003/ jul. 2004.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, 1977.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, seção 1, p. 18.055, 20 set. 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Diário Oficial da União, 1990a; 12 set/1990.

BRASIL. Resolução RDC nº 275 de 21 de outubro de 2002. Dispõe sobre o regulamento técnico de procedimentos operacionais padronizados aos estabelecimentos produtores/ industrializadores de alimentos e a lista de verificação das boas práticas de fabricação em estabelecimentos produtores/ industrializadores de alimentos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 out. 2003.

_____. Resolução RDC 216, de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre o regulamento técnico de boas práticas para serviço de alimentação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 set. 2004.

_____. Ministério da Saúde (MS). PORTARIA n. 2.914 de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para o consumo humano e seu padrão de qualidade.

COSTA, C.; PASQUAL, M. Participação e políticas públicas na segurança alimentar e nutricional no Brasil. Participação popular nas políticas públicas, p. 97, 2006. In ALBUQUERQUE, Maria do Carmo, (Org.) Participação popular em políticas públicas: espaço de construção da democracia brasileira. – São Paulo: Instituto Pólis, 2006. 124p.

FIGUEIREDO, R. P.; RIBEIRO, M. C. S. Avaliação das condições higienicossanitárias de cantinas de escolas particulares da cidade de São Luís, MA. Higiene Alimentar, v. 27, n. 226/227, p. 60-64, 2013.

FUNDAÇÃO SEADE. Espaços e Dimensões da Pobreza nos Municípios de São Paulo, 2006. Disponível em:. Acesso em: 29 nov 2015.

FREITAS, C. M; PORTO, M. F. S. Saúde, ambiente e sustentabildade. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2006.

FREITAS, M. B.; FREITAS, C. M. A vigilância da qualidade da água para consumo humano – desafios e perspectivas para o Sistema Único de Saúde. Rev. Ciênc. e Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, 10, 2005.

GERMANO, M. I. S.; GERMANO, P. M. L. Higiene e vigilância sanitária dos alimentos. 7. ed. São Paulo: Livraria Varela, 2014.

HOLLADER, A. E. M; STAATSEN, B. A. M. Health, environment and quality of life: an epidemiological perspective on urban development. In: LandscapeandUrban Planning. 65. 2003. p. 53-62.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. 52 milhões de brasileiros estão em situação de insegurança alimentar. IBGE, PNAD – 2013. Publicação em: 19 dez 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 mai 2016.

IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros. Brasília, 2015. Disponível em: ivs.ipea.gov.br/ivs/pt/consulta/ Acesso em: 30 ago 2016.

LIMA, M. A. D. S. Análise de conteúdo: estudo e aplicação. Rev. Logos, 1993 (1): 53-58.

LOPES, M.V. O.; LIMA, J. R. C. Análise de dados epidemiológicos. In: Epidemiologia e Saúde. ROUQUARIOL, M. Z.; GURGEL, M. (Organizadores). 7 ed. Rio de janeiro: Medbook, 2013.

OMS, Prevention of Foodborne Disease: The five keys to safer foods, 2006. Disponível em: .Acesso em: 29 out 2013.

OTENIO, M. H. et al. Saneamento básico, qualidade da água e levantamento de enteroparasitas relacionadas ao perfil sócio-econômico ambiental de escolares de uma área rural do Município de Bandeirantes. Rev. SalusvitaBandeirantes, v. 26, n. 2, p. 75-85, 2007.

PANETTA, J. C. O manipulador: fator de segurança e qualidade dos alimentos. Rev. Higiene Alimentar, v. 12, n. 5, p. 8-12, 1998.

PIOVESAN, F. Direitos humanos e o direito constitucional internacional, 14. ed., rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2013.

PITTON, S. E. C. Prejuízos ambientais do consumo sob a perspectiva geográfica. In CORTEZ, A. T. C., and ORTIGOZA, S. A. G., Orgs. Da produção ao consumo: impactos socioambientais no espaço urbano (online). São Paulo: Editora UNESP;São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. 146 p.

PLANO MUNICIPAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NURICIONAL – PLAMSAN 2014- 2017. Câmara intersetorial de segurança alimentar em São Luís – CAISAN/ MUNICIPAL; SECRETARIA MUNICIPAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR - SEMSA. Francisca de Fatima Ribeiro (Org.). São Luís: 2014.

RESOLUÇÃO – RDC Nº 217, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2001. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA – ANVISA. Publicada no DOU em 16/12/2001. Disponível em: . Acesso em: 23 ago 2014.

SILVA JUNIOR, E. A. Manual de Controle Higiênico-Sanitário em Serviços de Alimentação.7 ed, São Paulo: Varela, 2014.

STEVANIM, L. F. Água de beber. Radis Comunicação e Saúde. n. 168. p. 27-29, 2016.

TÓRTORA, J. C. O.; MARTINS, P. R.; COSTA, C. R. M. Contaminação microbiana nas mãos de pessoas com diferentes atividades profissionais. JEM, v. 88, n. 6, p. 10-15, 2005.

VALENTE, F. L. S. O direito humano à alimentação: desafios e conquistas. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

VILA ESPERANÇA. Disponível em: . Acesso em: 17 jul 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.