Efeito do pH e da concentração de soro de queijo na produção de pigmentos por Monascus ruber em cultivo sólido / Effect of pH and serum concentration of cheese on the production of pigments by Monascus ruber in solid culture

Jaquelinne Pires Vital Da Costa, Camila Fernanda Dias De Oliveira, Welker Denner Bernardes De Araújo, Francielo Vendruscolo

Resumo


É de amplo conhecimento que o soro de queijo é o mais importante subproduto da indústria de laticínios. assim, este estudo buscou evidenciar o soro de queijo como substrato sob diferentes condições de ph para a produção de pigmentos naturais, a partir da determinação da velocidade de crescimento radial pelo fungo filamentoso monascus ruber cct 3802 em cultivo sólido. em diferentes valores de ph e a uma concentração de 20 g l-1 de soro de queijo (o que corresponde a 6,4 g l-1 de lactose como fonte de carbono), as colônias de monascus apresentaram crescimento e colorações diferentes. a maior velocidade de crescimento foi verificada em ph 6,0, o que correspondeu a um crescimento médio de 0,1340±0,0075 mm h-1 e colocaração vermelha intensa. em valores de ph extremos, como ph 2,0 e 8,0, o crescimento do fungo apresentou inibição e o aspecto visual diferiu-se, apresentando coloração amarela e vermelha, respectivamente. a velocidade de crescimento em ph 3,0, 4,0 e 5,0 não diferiu significativamente (p ≤ 0,05), porém, observou-se que em diferentes valores de ph, houve produção de pigmentos laranja e vermelho, o que demonstra a clara influência do ph na produção de pigmentos produzidos por monascus ruber.  evidencia-se, portanto, o soro de queijo como alternativa viável, barata e rentável à produção de biopigmentos produzidos por monascus ruber, haja vista o alto teor de nutrientes deste subproduto e o elevado crescimento do fungo nesse meio quando em condições adequadas de ph e concentração.


Palavras-chave


Soro de queijo; Fermentação sólida; Pigmentos microbianos; Monascusruber.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBEY, J.; FIELDS, B.; O’MULLANE, M.; TOMASKA, L. D. Food addtives: colorants. Encyclopedia of Food Safety, v. 2, p. 459–465, 2014.

AMCHOVA, P.; KOTOLOVA, H.; RUDA-KUCEROVA, J. Health safety issues of synthetic food colorants. Regulatory Toxicology and Pharmacology, v. 73, p. 914–922, 2015.

CHEN, W.; CHEN, R.; LIU, Q.; HE, Y.; HE, K.; DING, X.; KANG, L.; GUO, X.; XIE, N.; ZHOU, Y.; LU, Y.; COX, R.; MOLNÁR, I.; LI, M.; SHAO, Y.; CHEN, F. Orange, red, yellow: biosynthesis of azaphilonepigments in Monascus fungi. Chemical Science, v. 8, p. 4917–4925, 2017.

COSTA, J. P. V.; OLIVEIRA, C. F. D. de; ARAÚJO, W. D. B. de; VENDRUSCOLO, F. Influência do pH na produção de pigmentos produzidos por Monascusruber mediante utilização de lactose como substrato. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA QUÍMICA, 9., 2016, Goiânia, Goiás. Resumos expandidos. Rio de Janeiro: ABQ – Associação Brasileira de Química, 2016. Disponível em: . Acessoem: 07 dez. 2016.

DUFOSSÉ, L. Natural and Artificial Flavoring Agents and Food Dyes. In:Handbook of Food Bioengineering. Academic Press, p. 113–132, 2018a.

DUFOSSÉ, L. Red colourants from filamentous fungi: Are they ready for the food industry? Journal of Food Composition and Analysis, v. 69, p. 156–161, 2018b.

GABIATTI, JR. C.; VENDRUSCOLO, F.; PIAIA, J. C. Z.; RODRIGUES, R. C.; DURRANT, L. R.; COSTA, J. A. V. Radial growth rate as a tool for the selection of filamentous fungi for use in bioremediations. Brazilian Archives of Biology and Technology, v.49, p.29-34, 2006.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. Coordenadores: Odair Zenebon, NeusSadoccoPascuet e Paulo Tiglea. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 1020p, 2008.

MARTINS, N.; RORIZ, C. L.; MORALES, P.; BARROS, L. Food colorants: challenges, opportunities and current desires of agroindustries to ensure consumer expectations and regulatory practices. Trends in Food Science & Technology, v. 52, p. 1–15, 2016.

NIGAM, P. S.; LUKE, J. S. Food additives: production of microbial pigments and their antioxidant properties. Current Opinion in Food Science, v. 7, p. 93–100, 2016.

PANESAR, R.; KAUR, S.; PANESAR, P. S. Production of microbial pigments utilizing agroindustrial waste: a review. Current Opinion in Food Science, v.1, p. 70-76, 2015.

PRAZERES, A. R.; CARVALHO, F.; RIVAS, J. Cheese whey management: a review. Journal of Environmental Management, v. 110, p. 48-68, 2012.

RODRIGUEZ-AMAYA, D. B. Natural food pigments and colorants. Current Opinion in Food Science, v. 7, p. 20–26, 2016.

VENDRUSCOLO, F.; BÜHLER, R. M. M.; CARVALHO, J. C. de; OLIVEIRA, D. de; MORITZ, D. E.; SCHMIDELL, W.; NINOW, J. L. Monascus: a reality on the production and application of microbial pigments. Applied Biochemistry and Biotechnology, v. 178, p. 211–223, 2016a.

VENDRUSCOLO, F.; PITOL, L. O.; CARCIOFI, B. A.; MORITZ, D. E.; LAURINDO, J. B.; SCHMIDELL, W.; NINOW, J. L.; BARBI, I. Construction and application a vane system in a rotational rheometer for determination of the rheological properties of Monascusruber CCT 3802. Journal of Biomolecular, v. 24, p. 29-35, 2010.

VENDRUSCOLO, F.; SCHMIDELL, W.; MORITZ, D. E.; BÜHLER, R. M. M.; OLIVEIRA, D. de; NINOW, J. L. Isoelectric point of aminoacid: Importance for Monascus pigment production. Biocatalysis and Agricultural Biotechnology, v. 5, p. 179–185, 2016b.

WIBOWO, S.; VERVOORT, L.; TOMIC, J.; SANTIAGO, J. S.; LEMMENS, L.; PANOZZO, A.; GRAUWET, T.; HENDRICKX, M.; LOEY, A. V. Colour and carotenoid changes of pasteurised orange juice during storage. Food Chemistry, v. 171, p. 330–340, 2015.

YULIANA, A.; SINGGIH, M.; JULIANTI, E.; BLANC, P. J. Derivates of azaphiloneMonascus pigments. BiocatalysisandAgriculturalBiotechnology, v. 9, p. 183–194, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.