A gestão ambiental sob a ótica do desenvolvimento / Environmental management from a development perspective

Marcus Bruno Malaquias Ferreira, Alexandre Ottoni Teatini Salles

Resumo


Este artigo investiga a relação entre o momento em que as questões ambientais são consideradas no sistema de planejamento governamental e os reflexos no processo de desenvolvimento. Baseado em proposições cepalinas, parte-se do princípio que quanto mais abrangente o “nível de decisão” em que as variáveis ambientais são avaliadas, mais influencia a gestão ambiental terá na promoção do desenvolvimento. Nessa acepção, os instrumentos de gestão ambiental ex ante, como a Avaliação Ambiental Estratégica, se destacam como mecanismos de promoção do desenvolvimento socioeconômico.


Palavras-chave


Avaliação Ambiental Estratégica; Avaliação de Impacto Ambiental; Desenvolvimento.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, P.F. “Organização Industrial”. In: PINHO, D.B. & SANDOVAL DE VASCONCELLOS, M.A. (org.) Manual de Economia. São Paulo: Saraiva, 1998.

CEPAL, Unidad CEPAL/PNUMA de desarrollo y medio ambiente.Incorporación de ladimension ambiental enlaplanificación. México: Revista Interamericana de Planificación, v.18, n.69, 1984.

FERREIRA, M.B.M.; SALLES, A.O.T. Política ambiental brasileira: análise histórico-institucionalista das principais abordagens estratégicas. Revista de Economia, v. 42, n. 2, 2017.

IAIA - International Association for Impact Assessment. Principles of Environmental Impact Assessment Best Practice.IAIA, 1999.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Parecer nº 597/2016 COPAH/IBAMA, de 24 de fevereiro de 2016: Licenciamento Ambiental do empreendimento “Porto Norte Capixaba”.Brasília: Ibama, 2016a.

IBAMA – Avaliação de Impacto Ambiental: caminhos para o fortalecimento do Licenciamento Ambiental Federal: Resumo Executivo. Brasília: Ibama, 2016b.

KULA, E. History of Environmental Economic Thought.Londres e Nova York: Routledge, 1998.

LEFF, E. Racionalidade Ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MALVESTIO, A. C. Análise da efetividade da Avaliação Ambiental Estratégica como instrumento de Política Ambiental no Brasil. Dissertação (Mestrado): Programa de Pós-Graduação em Ciências da Eng. Ambiental, EESC/USP, 2013.

MONOSOWSKI, E. Políticas ambientais e desenvolvimento no Brasil. São Paulo: Cadernos FUNDAP, págs. 15 - 24, 1989.

MOTA, J. A. O valor da Natureza: Economia e política dos recursos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond, 2001.

PARTIDÁRIO, M. R. Elements an SEA framework - improving the added-value of SEA. Environmental ImpactAssessmentReview. V. 20, p. 647-663, 2000.

PARTIDÁRIO, M. R. Seminário Latino-Americano sobre AAE- relatório. Brasília, MMA, Projeto: BRA/00/020, 2006.

PELLIN, A. et al. Avaliação Ambiental Estratégica no Brasil: considerações a respeito do papel das agências multilaterais de desenvolvimento. São Paulo: Eng. Sanit. Ambient., v.16 n.1, p.27-36, 2011.

ROMEIRO, A. R. Desenvolvimento sustentável e mudança institucional: notas preliminares. Texto para Discussão, IE/UNICAMP, Campinas, n. 68, abr. 1999.

SÁNCHEZ, L.E.; Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de Textos, 2008a.

SÁNCHEZ, L.E.; Avaliação Ambiental Estratégica e sua Aplicação no Brasil. Texto preparado como referência para o debate “Rumos da Avaliação Ambiental Estratégica no Brasil” - Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo. 2008b.

SUNKEL, O. La dimensión ambiental enlos estilos de desarrollo de America Latina. Santiago do Chile: Cepal / Pnuma, 1981.

TEEB - A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade para Formuladores de Políticas Locais e Regionais. Londres, PNUMA, 2010.

TEIXEIRA, I. M. V. O uso da Avaliação Ambiental Estratégica no PLanejamento da Oferta de Blocos para Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural no Brasil: Uma Proposta. UFRJ, COPPE, D.Sc.,PlanejamentoEstratégico, 2008.

WOOD, C. & DEJEDDOUR, M. Strategic environmental assessment: EA of policies, plans and programmes. UK:ImpactAssessment, 10:1, 3-22, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.