Ligações químicas: a utilização da modelagem como estratégia de ensino em um cursinho pré-vestibular, na ilha de Marajó, Pará

Donizette Monteiro Machado, Williams Carlos Leal da Costa, Diana Maria Melo Barros, Tales Vinicius Marinho de Araújo, Rita de Cássia Pereira dos Santos

Resumo


O presente trabalho teve por finalidade desenvolver uma metodologia adequada, utilizando-se da modelagem como recurso didático alternativo, visando tornar as aulas mais atrativas e de fácil compreensão do assunto “Ligações Químicas” — ligações iônica e covalente —, proporcionando ao aluno uma aprendizagem eficiente no ensino do mesmo. A atividade foi desenvolvida com sete estudantes pertencentes a um cursinho pré-vestibular — vinculado à Pró-reitora de Extensão da Universidade do Estado do Pará (PROEX/PA) — situado no município de Salvaterra – PA, sendo dividida em duas etapas: a primeira foi constituída de uma avaliação diagnóstico, por meio da aplicação de um questionário e uma aula expositivo-dialogada;  na segunda foi realizada uma atividade prática, e por fim foi realizada uma última intervenção avaliativa com enfoque voltado para a opinião do aluno sobre a metodologia empregada e conhecimentos obtidos durante a execução das atividades. Acerca da metodologia utilizada neste trabalho: os participantes foram unânimes em sua opinião ao avaliarem, como ótima metodologia a utilização do recurso pedagógico durante a prática. O uso de estratégias metodológicas diferenciadas de ensino, como a modelagem, possibilitam que o aluno seja sujeito ativo no processo de construção do seu conhecimento, refletindo e fazendo, aliando o conhecimento teórico ao prático, além de tornar o assunto “visível”, pois o discente faz em modelos palpáveis as ligações iônica e covalente, com isso diminui-se a abstração desse assunto, facilitando o entendimento do aluno.


Palavras-chave


Modelagem; Recurso didático alternativo; Ligações iônica e covalente.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Ministério da Educação (MEC). Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 1999.

CARVALHO, A. S.; BUENO, S. G.; SILVA, A. F. A. Concepções dos estudantes sobre o conceito de ligação química. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 7, 2009, Florianópolis- SC. Anais eletrônicos... Florianópolis- SC, 2009. Disponível em: < http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/1208.pdf >. Acesso em: 15 jun. 2016.

CRUZ, R.; LEITE, S.; ORECCHIO, L. A. Experimentos de ciências em microescala: Química e Física. São Paulo: Editora Scipione, 1996.

FELTRE, R. Química Geral. 19. ed., São Paulo: Moderna, 2009, 528p.

FERNANDES, L.S.; CAMPOS, A. F.; MARCELINO JÚNIOR, C. A. Concepções Alternativas dos Estudantes Sobre Ligação Química. Experiências em Ensino de Ciências, [S. l.], v.5(3), 2010. p. 19-27.

FERREIRA, P. F. M.; QUEIROZ, A. S.; MENDONÇA, P. C. C. Modelagem e representações no ensino de ligações iônicas: análise em uma estratégia de ensino. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE CIÊNCIAS, 6, 2007, Florianópolis- SC. Anais eletrônicos... Florianópolis- SC, 2007. Disponível em: < http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/vienpec/CR2/p244.pdf>. Acesso em: 19 ago. 2016.

FIGUEREDO, A. M.; SOUZA, S. R. G. de. Como elaborar projetos, monografias, dissertações e teses: da redação Científica à apresentação do texto final. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2008.

LIMA, J. A contextualização no Ensino de Cinética Química. Química Nova da Escola, [S. l.], n. 11, 2002. p. 26-29.

MELO, M. R.; NETO, G. L. Dificuldades de ensino e aprendizagem dos modelos atômicos em química. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE, 4, 2010, Laranjeiras- SE. Anais eletrônicos... Laranjeiras- SE, 2010. Disponível em: < http://educonse.com.br/2010/eixo_05/E5-44.pdf>. Acesso em: 8 set. 2016.

MENDONÇA, P. C.; JUSTI, R.; OLIVEIRA, M. M. Analogias sobre Ligações químicas elaboradas por alunos do Ensino Médio. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 6, n. 1, 2006, p. 22-34.

PERUZZO, F. M.; CANTO, E. L. Química na abordagem do cotidiano. 2. ed., São Paulo: Moderna, 1998.

RUBEM, C.M.; LOPES, A.P. a relação professor-aluno no processo ensino-aprendizagem de Química em uma escola da rede pública de ensino médio em Benjamin Constant – AM. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO QUÍMICA, 12, 2014, Fortaleza- PE. Anais eletrônicos... Fortaleza- PE, 2014. Disponível em: < http://www.abq.org.br/simpequi/2014/trabalhos/90/4214-17292.html>. Acesso em: 15 jun. 2016.

RUSSELL, J. B. Química Geral. 2. ed., São Paulo: Pearson Makron Book, 1994.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.