Perfil socioeconômico de manipuladores de alimentos da rede municipal de ensino de um município Piauiense / Socio-economic profile of food handlers of the municipal education district of a city in the state of Piauí

Alana Paulina De Moura Sousa, Fernanda Lopes Souza, Ennya Cristina Pereira Dos Santos Duarte, Sarah De Melo Rocha Cabral, Marize Melo Dos Santos

Resumo


O manipulador de alimentos tem um papel fundamental na qualidade higiênico- sanitária e nutricional da alimentação que será oferecida aos alunos. Muitos manipuladores de alimentos, devido sua baixa escolaridade e falta de capacitação para exercerem a função, não possuem uma percepção adequada do que é saúde e alimentação saudável. Trata-se de um recorte da pesquisa intitulada “Efeito da intervenção educativa sobre Boas Práticas de Manipulação de alimentos no PNAE”. Esse estudo foi do tipo descritivo, quantitativo, intervencional e comparativo before and after, realizado no período de agosto a novembro de 2017, na cidade de Altos-PI. Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Piauí. Para coleta de dados socioeconômicos dos manipuladores foi aplicado questionário estruturado com as seguintes variáveis: sexo, idade, escolaridade, tempo de serviço e renda mensal. A amostra foi definida a partir do número de escolas do município distribuídas em creches, pré-escola, ensino fundamental e EJA (n=62), seguida de sorteio aleatório de 01 manipulador de alimentos por escola. 54 indivíduos aceitaram participar da pesquisa sendo todos do sexo feminino. A maioria declarou ter de 20 a 39 anos (51,9%), viver com companheiro (59,3%), possuir ensino médio completo (42,6%), renda per capita de até um salário mínimo nacional (75,9%), e tempo de serviço entre 1 a 9 anos (57,4%). Observou-se que  há predomínio de mulheres, adultas, com baixa renda exercendo a função de manipulador de alimentos. Porém, em sua maioria, com nível de escolaridade acima da média nacional. O grau de escolaridade constatado pode ser visto como aspecto positivo, no que diz respeito à melhor assimilação de conhecimentos relacionados às boas práticas de manipulação de alimentos e sua consequente execução, já que indivíduos com baixa escolaridade têm mais dificuldade, são mais lentos e cometem mais erros relacionados à execução do trabalho. O estudo permitiu traçar o perfil socioeconômico dos manipuladores de alimentos da rede de ensino no município, esses dados possibilitarão desenhos metodológicos específicos a serem utilizados em capacitações com os mesmos, visando a qualidade higiênico-sanitária dos alimentos e segurança alimentar.


Palavras-chave


Manipulador de Alimentos, Escolaridade, Mulheres

Texto completo:

PDF

Referências


ABADIA, L.L. et al. Knowledge of food security workers in pre-schools attended by the PNAE in the municipality of Rio Branco – AC. Revista Higiene Alimentar - Vol.31 - nº 264/265 - janeiro/fevereiro de 2017. Disponível em:< http://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-833024>. Acesso em: 27 fev. 2018.

ALMEIDA, J.S., AMOR, A.L.M., SILVA, I.M.M. Perfil das merendeiras e inadequação das condições sanitárias e estruturais de escolas de uma cidade do recôncavo da Bahia – Brasil. Revista Cereus. v.10, n.3, p.103-119, 2018.

BEZERRA, B.D.Z.; FERREIRA, G.H.L. Divisão sexual do trabalho: Rebatimentos da lógica patriarcal na vida das mulheres. Revista Includere. v. 3, n. 1. 2017. Disponível em: < https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/includere/article/view/7425>. Acesso em: 11 abr. 2018.

BOCCALETTO, E.M.A.; MENDES, R. T.; VILARTA, R. Estratégias de promoção da saúde do escolar: atividade física e alimentação saudável. Campinas: IPES, 2010. p.42. Disponível em:< https://www.fef.unicamp.br/fef/qvaf/estrategias-de-promocao- da-saude-do-escolar-atividade-fisica-e-alimentacao-saudavel>. Acesso em: 27 fev. 2018.

CARVALHO, A.T. et al. Programa de alimentação escolar no município de João Pessoa – PB, Brasil: as merendeiras em foco. Revista Interface. vol.12 no.27 Botucatu Oct./Dec. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832008000400012. Acesso em: 25 fev. 2018.

CUNHA, A.N.; ROSA, O.O. Determinação de microrganismos indicadores de condições higiênicas sanitárias nas mãos de manipuladores de alimentos. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, Universidade Tecnológica Federal do Paraná–UTFPR, 2014: 8(1);1251-1261. Disponível em:< https://periodicos.utfpr.edu.br/rbta/article/view/1488/4667>. Acesso em: 05 mar. 2018.

DEVIDES, G. G. G.; MAFFEI, D. F.; CATANOZI, M. P. L. M. Perfil socioeconômico e profissional de manipuladores de alimentos e o impacto positivo de um curso de capacitação em Boas Práticas de Fabricação. Braz. J. Food Technol., Campinas, v. 17, n. 2, p. 166-176, abr./jun. 2014.

DUARTE, F.M. Percepção de manipuladores de alimentos sobre risco sanitário.2017. 62 f. (Gestão da Produção de Refeições Saudáveis) - Universidade de Brasília, Distrito Federal, 2017. Disponível em: < http://bdm.unb.br/bitstream/10483/18585/1/2017_FlaviaMorenoDuarte_tcc.pdf>. Acesso em: 05 maio 2018.

FERNANDES, A.G.S.; FONSECA,A.B.C.; SILVA, A.A. Alimentação escolar como espaço para educação em saúde: percepção das merendeiras do município do Rio de Janeiro, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v.19, n.1, p.39-48, 2014.

GÓIOS, A. et al. Conhecimentos de manipuladores de alimentos sobre segurança dos alimentos e alergias. Revista Higiene Alimentar - Vol.31 - nº 264/265 - Janeiro/Fevereiro de 2017. Disponível em: < http://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/04/833022/264-265-sitecompressed-38- 44.pdf>. Acesso em: 25 novembro. 2018.

GÓES, J. A. W.; FURTUNATO, D. M. N.; VELOSO, I. S.; SANTOS, J. M. Capacitação dos manipuladores de alimentos e a qualidade da alimentação servida. Revista Higiene Alimentar, v.15, p. 20-22, 2001.

GOMES, N.A.A.A.; CAMPOS, M.R.H.; MONEGO, E.T. Aspectos higiênico-sanitários no processo produtivo dos alimentos em escolas públicas do Estado de Goiás, Brasil. Revista de Nutrição. 2012, vol.25, n.4, pp.473-485. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2016 / IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. - Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf. Acesso em: 06 mar. 2018.

JUZWIAK, C.R.; CASTRO, P.M.; BATISTA, S.H.S.S. A experiência da Oficina Permanente de Educação Alimentar e em Saúde (OPEAS): formação de profissionais para a promoção da alimentação saudável nas escolas. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2013; 18:1009-18. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000400014>. Acesso em: 22 fev. 2018.

MONLEVADE, J.A.C. Técnico em alimentação escolar: um novo profissional para a educação básica. In: BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. SEDIA/INEP. Em Aberto, v.67, n.15, p.113-7, 1995. Disponível em: 05 maio 2018.

QUEIROZ, V.S.; ARAGÓN, J.A.O. Alocação de tempo em trabalho pelas mulheres brasileiras. Revista Estudos Econômicos. vol.45 no.4 São Paulo Oct./Dec. 2015. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101- 41612015000400787〈=pt>. Acesso em: 07 mar. 2018.

SOARES, C.; MELO, H.P.; BANDEIRA, L. O trabalho das mulheres brasileiras: Uma abordagem a partir dos censos demográficos de 1872 a 2010. Trabalho apresentado no XIX Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em São Pedro/SP – Brasil, de 24 a 28 de novembro de 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2018.

VIVEIROS, F.C. Avaliação de conhecimentos de higiene e segurança alimentar de manipuladores de alimentos em unidades de alimentação e nutrição do sector hospitalar [trabalho de investigação]. Porto (PT): Universidade do Porto; 2010.

VOOS, M.C. et al. A influência da escolaridade no desempenho e no aprendizado de tarefas motoras: uma revisão de literatura. Revista Fisioterapia e Pesquisa. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fp/v21n3/pt_1809-2950-fp-21-03-00297.pdf. Acesso em: 06 mar. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.