Sociedade Contemporânea e o Ensino de Matemática: Conexões com a Educação em Direitos Humanos / Contemporary Society and the Teaching of Mathematics: Connections with Human Rights Education

Lygianne Batista Vieira, Geraldo Eustáquio Moreira

Resumo


Este artigo tem objetivo de refletir sobre o ensino de matemática no contexto dos direitos humanos, para isso apresentamos alguns aspectos da sociedade contemporânea e argumentamos sobre a necessidade de uma formação global, humana, estética e afetiva pautada nessa perspectiva. Além disso, discorremos sobre documentos oficiais para verificar quais são as orientações referentes a Educação em Direitos Humanos, bem como refletimos sobre o papel da educação matemática nesse contexto. Como metodologia, fizemos um estudo qualitativo e teórico, utilizando-se da literatura pertinente a temática. Concluímos que é urgente pensarmos em ações pedagógicas voltadas para os Direitos Humanos  diante do contexto social da contemporaneidade, para tanto, propomos a incorporação de temas relativos aos Direitos Humanos  nas aulas de matemática através da resolução de problemas e da construção de conhecimentos, ações e projetos que privilegie a interdisciplinaridade e a contextualização numa perspectiva crítica do ensino da matemática. E que o professor deve buscar a valorização da diversidade, da pluralidade, da discussão e reflexão das problemáticas vivenciadas, do combate a qualquer forma de violência na escola e fora dela.


Palavras-chave


Ensino. Matemática. Direitos Humanos. Formação Humana.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

BETTO, F. Por Uma Educação Crítica e Participativa. Rio de janeiro, RJ: Anfiteatro, 2018.

BJØRNEBOE, J.; NISSEN, G. Den taberproducerende matematikundervisning. Uddannelse 8, 1984.

BOURDIEU, P. Escritos de educação. Rio de Janeiro: Vozes, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília, DF: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. PCN + Ensino Médio. Orientações Curriculares para o Ensino Médio, Ciências da Natureza Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2002.

BRASIL. Portaria nº 98, de 9 de julho de 2003. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (PNEDH). Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República-Ministério da Educação-Ministério da Justiça, 2007.

BRASIL. Gênero e Diversidade Sexual na Escola: reconhecer diferenças e superar preconceitos. Brasília, DF: Secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, MEC, 2007.

BRASIL. Decreto nº 7.037, de 21 de dezembro de 2009. Aprova o Programa Nacional de Direitos Humanos - PNDH-3 e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2009/decreto-7037-21-dezembro-2009-598951-publicacaooriginal-121386-pe.html. Acesso em: 14 de out. 2019.

BRASIL. Diretrizes Nacionais para Educação em Direitos Humanos. Brasília, DF: Secretaria Especial dos Direitos Humanos; MEC, 2012.

BRASIL. Conversando sobre violência e convivência nas escolas. Rio de Janeiro: FLACSO - Brasil, OEI, MEC, 2012.

BRASIL. Caderno de Educação em Direitos Humanos – Diretrizes Nacionais. Brasília, DF: Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos. MEC, 2013.

BRASIL. Diversidade Religiosa e Direitos Humanos. Brasília, DF: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, MEC, 2013.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf . Acesso em: 22 de dezembro de 2017.

CANDAU, V. M. et al. Educação em Direitos Humanos e formação de professores (as). São Paulo: Cortez, 2013.

D'AMBRÓSIO, U. Que matemática deve ser aprendida nas escolas hoje? Teleconferência no Programa PEC – Formação Universitária, patrocinado pela Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, 27 de julho de 2002. Disponível em . Acesso em: 20 abril de 2017.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico–social dos conteúdos. 27 ed. São Paulo: Loyola, 2012.

PRAXEDES, R. R.; PRAXEDES, W. Educando contra o preconceito e a discriminação racial. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

SANTOS, B. S. Se Deus, fosse um ativista dos Direitos Humanos. – 2. ed. - São Paulo: Cortez, 2014.

SKOVSMOSE, O. Educação matemática crítica: a questão da democracia. 6ªed. Campinas – SP: Papirus, 2013.

SAVIANI, D. Educação em diálogo. Campinas: Autores Associados, 2011. (Memória da educação).

VIEIRA, L. B.; Educação Matemática Crítica na Perspectiva de Educar em Direitos Humanos: conexões entre Políticas Públicas e Formação de Professores. Tese (Doutorado em Educação). Universidade de Brasília/ Programa de Pós-Graduação em Educação. Brasília, 2020.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n2-007

Apontamentos

  • Não há apontamentos.