Emissões de CO2 e o setor de transporte rodoviário: análise comparativa do Índice de Intensidade de Carbono do Distrito Federal e Amazonas / CO2 emissions and road transport sector: a comparative analysis of the Carbon Intensity Index of the Federal District and Amazon

Maria Luiza Machado Santos, Gilmar dos Santos Marques

Resumo


Este artigo visa analisar as emissões de CO2e (t GWP) no setor de transportes e avaliar o nível de participação das emissões do modal rodoviário em relação às emissões totais deste setor. O objetivo deste artigo é avaliar o Índice de Intensidade de Carbono (IIC) das emissões de CO2 relativas ao transporte rodoviário do Distrito Federal e do Amazonas, durante o período de 2000 a 2014. Para alcançar o objetivo proposto foram levantados dados de emissões totais do setor de transporte e do setor de transporte rodoviário de CO2e em Mg t de CO2e (GWP) na base de dados do Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estufa (SEEGBrasil), de ambos Estados, que foram cruzados com População e PIB, gerando o Índice de Intensidade de Carbono (IIC). O estudo levou a resultados tais como: o estado do Amazonas e o Distrito Federal apresentaram crescimento das emissões do setor de transporte rodoviário, da ordem de 105% e 65% respectivamente (comparando o ano 2000 com o ano 2014). O IIC do transporte rodoviário do Amazonas (0,025) é superior ao do DF (0,016) quando comparado ao PIB, no entanto o PIB do DF é superior ao do Amazonas. Isso indica que as emissões do Amazonas estão proporcionalmente maiores que o seu produto interno bruto quando comparado ao DF. Já em relação ao IIC do transporte rodoviário, comparado à população, o valor do DF (1,064) é superior ao do Amazonas (0,695), indicando que em relação ao transporte rodoviário, os habitantes do DF emitem mais que os habitantes do Amazonas.


Palavras-chave


Este artigo visa analisar as emissões de CO2e (t GWP) no setor de transportes e avaliar o nível de participação das emissões do modal rodoviário em relação às emissões totais deste setor. O objetivo deste artigo é avaliar o Índice de Intensidade de Carbon

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANCHES, S. Climate agenda as an agenda for development in Brazil: A policy oriented approach. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2016.

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. Anuário estatístico de transportes terrestres, 2010. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2016.

ANDRADE, A. L. C.; MATTEI, L. Consumo energético e emissões de CO2: uma análise do setor de transportes brasileiro. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 39., 2011, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: ANPEC, 2011.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTES PÚBLICOS. Sistema de informação da mobilidade urbana: relatório comparativo 2003-2013. São Paulo, 2015.

ATLASBRASIL. Atlas do desenvolvimento humano no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2016.

BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. Inventário brasileiro das emissões e remoções antrópicas de gases do efeito estufa: informações gerais e valores preliminares. Brasília, DF, nov. 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2016.

BRASIL. Ministério das Cidades. Política Nacional de Mobilidade Urbana Sustentável. Brasília, DF, 2004. (Cadernos Ministério das Cidades).

CARVALHO, C.; HENRIQUE R. Emissões relativas de poluentes do transporte motorizado de passageiros nos grandes centros urbanos brasileiros. Brasília, DF: IPEA, 2011. (Texto para Discussão, n. 1606).

COMPANHIA DE PLANEJAMENTO DO DISTRITO FEDERAL. Resultados do Índice de Desempenho Econômico do Distrito Federal: PIB do DF. Brasília, DF: IDCON, 2016. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2016.

DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO DISTRITO FEDERAL. Frota de veículos registrados no Distrito Federal, março 2016. Brasília, DF, 2013. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2016.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Demanda de energia 2050. Nota Técnica DEA 13/14. Rio de Janeiro: EPE, 2014.

EUROFORUM. The European Research Forum for Urban Mobility. Bruxelas: EUROFORUM, 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Centro de Estudos em Sustentabilidade da EAESP. Propostas empresariais de políticas públicas para uma economia de baixo carbono no Brasil. Energia, transportes e agropecuária. São Paulo, 2010.

GONÇALVES, J. M. F.; MARTINS, G. Consumo de energia e emissão de gases do efeito estufa no transporte de cargas no Brasil. Brasil Engenharia. Ago. 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2016.

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL. Plano Diretor de Transporte urbano e Mobilidade do Distrito Federal e Entorno. Relatório Final. Brasília, DF: Secretaria de Estado de Transportes, 2011. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2016.

HARRIS, J. Environmental and Natural Resource Economics: A Contemporary Approach. 2 ed. Boston: HoughtonMifflinCompany, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010 - Estados@ – Brasília, DF, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Transporte e Mobilidade Urbana. Brasília, DF: IPEA, 2011. (Textos para discussão, n. 34).

IPCC. Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group I to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. SOLOMON, S. et al. (Ed.). Cambridge University Press, Cambridge, United Kingdom; New York, NY, USA, 2007.

IPEADATA. PIB Brasil e unidades de federações. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2016.

MOLION, L. C. B. Desmistificando o Aquecimento Global. Intergeo, v. 5, p. 13-20, 2007.

NEGRÃO, A. P. Análise econômica dos custos ambientais das emissões de CO2 do transporte rodoviário para a cidade de Manaus. 2013. 76 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia) – Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2013.

ORGANISATION FOR ECONOMIC COOPERATION AND DEVELOPMENT. Towards sustainable transportation. Vancouver Conference, Canada,

RODRIGUES, S. et al. Aspectos geopolíticos das mudanças climáticas. Plenarium, Brasília, DF, v. 5, n. 5, p. 84-94, 2008.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2000.

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO AMAZONAS. Produto interno bruto: Manaus e demais municípios. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2016.

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO AMAZONAS. Produto interno bruto trimestral do estado do Amazonas. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2016.

SEEG BRASIL. Emissões por setor de atividade: energia. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2016.

SANTOS, M. L. M. Cidade sustentável: impactos ambientais e a eficiência energética do sistema de mobilidade urbana do Distrito Federal. 2017. 87f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2017.

SOUZA, G. A. Espacialização urbana, circulação e acidentes de trânsito: o caso de Manaus-AM (2000-2006). 2009. Tese (Doutorado em Ciências em Engenharia de Transportes) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, 2009.

VEIGA, J. et al. (Org.). Aquecimento Global: frias contendas científicas. São Paulo: Senac, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n2-003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.