Produção de biofilme de quitosana, reduzida da quitina, extraída de exoesqueleto de crustáceos: proposta e disponibilização sustentável / Chitosan biofilm production, reduced from chitin, extracted from exoskeletus of crustaceans: proposal and sustainable availability

Lais Oliveira Rodrigues, Nathalia Marin de Freitas, Pammela da Silva Barbosa, Otoniel de Aquino Azevedo, Caio Henrique Ungarato Fiorese, Gilson Silva-Filho

Resumo


O setor pesqueiro é um dos mais importantes para a economia do Estado do Espírito Santo. Esta atividade, porém, produz inúmeros resíduos, que causam danos ao meio ambiente devido a sua dificuldade de degradação. Nos crustáceos, há o descarte do exoesqueleto, que possui como um de seus componentes a quitina. Através dos processos de desmineralização, desproteinização, desodorização e secagem do exoesqueleto, obtém-se a quitina, que através de outro processo, denominado desacetilação, transforma-se em quitosana. A quitosana possui alto valor no mercado, e também diversas aplicações. Dentre elas o biofilme, um polímero fino e biodegradável, que pode substituir diversos outros polímeros utilizados na indústria que são de difícil degradação.


Palavras-chave


Exoesqueleto de Crustáceos, Quitina, Quitosana, Biofilme

Texto completo:

PDF

Referências


ANTONINO, N. A. Otimização do processo de obtenção de quitina e quitosana de exoesqueletos de camarões oriundo da industria pesqueira paraibana. 2007. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2007.

ASSIS, A. S. de. et al. Bioconversão de resíduos de camarão Litopenaeus Vannamei (booner, 1931) para produção de biofilme de quitosana. Revista Iberoamericana de Polímeros, v. 9, n. 5, p. 480-491, out. 2008.

ASSIS, O. B. G.; SILVA, V. L. Caracterização Estrutural e da Capacidade de Absorção de Água em Filmes Finos de Quitosana Processados em Diversas Concentrações. Polímeros, v. 13, n. 4, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). 1987. Resíduos Sólidos: Classificação. N º 01.043. NBR 10004. Set/1987.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). Amostragem de resíduos sólidos - NBR 10.007:2004. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

AZEVEDO, V. V. C. et al. Quitina e Quitosana: aplicações como biomateriais. Revista Eletrônica de materiais e processos, Paraíba, v. 2, n. 3, p. 27-34, dez. 2007. Disponível em: . Acesso em 11 de junho de 2018.

BESSA, A. P. J.; GONÇALVES, A. A. Análises econômica e produtiva da quitosana extraída do exoesqueleto de camarão. Revista Actapesca, Rio Grande do Norte, v. 1, n. 1, p. 13-28, out. 2013.

BRASIL. Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural. O novo cenário da pesca no Espírito Santo. Espírito Santo: INCAPER, 2010.

BRASIL. Ministério da Pesca e Aquicultura. Disponível em: . Acesso em: 06 de novembro de 2015.

BRASIL. Lei n° 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em: . Acesso em: 07 de novembro de 2015.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005. 2005. Disponível em: . Acesso em 06 de novembro de 2015.

CAÇADOR, S. B.; GRASSI, R. A. Olhar crítico sobre o desempenho recente da economia capixaba: Uma análise a partir da literatura de desenvolvimento regional e de indicadores de inovação. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 40, n. 3, p. 453-480, jul. 2009.

CAMPANA-FILHO, S. P. et al. Extração, estruturas e propriedades de α- e β-quitina. Química Nova, v. 30, n. 3, p. 644-650, 2007.

CANELLA, K. M. N. C., GARCIA, R. B. Caracterização de quitosana por cromatografia de permeação em gel – influência do método de preparação do solvente. Química Nova, v. 24, n. 1, p. 13-17, 2001.

CHUAH, T. G. et al. Rice huskas a potentially low-cost biosorbent for heavy metal and dye removal: an overview. Desalination, n. 175, p. 305-316, 2005.

CNIO - Comissão Nacional Independente sobre os Oceanos. O Brasil e o mar século XX. Rio de Janeiro: Comissão Nacional Independente sobre os Oceanos, 1998. 408 p.

COSTA, S. R.; SOUZA, P. A. R. O impacto dos resíduos de pescado: o caso da “Feira do Bagaço” no município de Parintins no Amazonas. DELOS Revista Desarrollo Local Sostenible, v. 5, n. 14, p. 1-11, 2012.

CRAVEIRO, A. A, CRAVEIRO A. C., QUEIROZ D. C. Quitosana: a fibra do futuro. Editora Universitária, 1998.

DENKBAS, E. B. et al. Magnetic chitosan microspheres: preparation and characterizations. Reactive & Functional Polymers, v. 50, n. 225, 2002.

DIAS, K. B. et al. Quitina e quitosana: características, utilizações e perspectivas atuais de produção. Journal of Biotechnology and Biodiversity, v. 4, n. 3, p. 184-191, ago. 2013.

ESPÍRITO SANTO. Incentivos fiscais e financeiros. Disponível em: < https://transp arencia.es.gov.br/>. Acesso em: 29 outubro de 2018.

FELTES, M. M. C. et al. Alternativas para a agregação de valor aos resíduos da industrialização de peixe. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 14, n. 6, p. 669-677, 2010.

FINANÇAS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Finanças dos Municípios Capixabas. Vitória: Aequus Consultoria, 2005.

FURLAN, L. Copolímeros grafitizados de quitina e quitosana com monômeros acrílicos: estudos de adsorção de Ca (II) e aplicações na tecnologia do papel. 1993. Dissertação (Mestrado em Química) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1993.

GARSON, S. Gestão fiscal do Espírito Santo 2003-2008: pavimentando o caminho para o crescimento da economia estadual. Vitória: IETS/IJSN, 2009. 23 p.

GOOSEN, M. E. A. Applications of chitin and chitosan. Lancaster: Technomic Publishing Company, 1996.

HENRIQUE, C. M.; CEREDA, M. P.; SARMENTO, S. B. S. Características físicas de filmes biodegradáveis produzidos a partir de amidos modificados de mandioca. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 28, n. 1, p. 231-240, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS RENOVÁVEIS (IBAMA). Estatística da pesca 2005. Brasília: Diretoria de Fauna e Recursos Pesqueiros, 2005. 115 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estimativas_projeções_população: Base de dados. Disponível em: Acesso em: 29 de outubro de 2018.

IPEADATA. Dados socioeconômicos dos estados e do Brasil para o período 1970-2007. Disponível em: . Acesso em: 06 de novembro de 2018.

KRAY, C. H. et al. Avaliação da aplicação de composto de lixo urbano e lodo de esgoto em dois solos diferentes. Pesquisa Agropecuária Gaúcha, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 119-125, 2011.

KIMURA, I. Y. et al. Efeito do pH e do tempo de contato na adsorção de corantes reativos por microesferas de quitosana. Polímeros, v. 9, n. 3, 1999.

MARICATO, E. S. O. Desenvolvimento de filmes de quitosana insolúveis em meio ácido com atividade antioxidante. 2010. Dissertação (Mestrado em Bioquímica) – Universidade de Aveiro, Aveiro, 2010.

MARTINS, P. P. de O.; PAIVA, Z. de A. O Guia Azul: Aquicultura e Pesca no Espírito Santo. Serra: Dossi Editora Gráfica, 2012.

MATOS, A. T. Tratamento de resíduos agroindustriais. In: CURSO SOBRE TRATAMENTO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS, 2005, Viçosa. Anais... Viçosa: Fundação Estadual do Meio Ambiente, 2005. p.1-34

MATHUR, N. K.; NARANG, K. Chitin and Chitosan, Versatile Polysaccharides from

Marine Animals. Journal of Chemical Education, v. 67, n. 11, 1990.

MOURA, C. et al. Quitina e quitosana produzidas a partir de resíduos de camarão e siri: Avaliação do processo em escala piloto. Revista de Ciências Exatas e Engenharias. v. 15, n. 1, p. 7-17, 2005.

NUNES, M. L. Farinha de pescado. In: Gonçalves, A. A. (Ed.). Tecnologia do pescado: ciência, tecnologia, inovação e legislação. São Paulo: Atheneu, 2011. 608 p.

PATERNO, L. G.; MATTOSO, L. H. C.; OLIVEIRA JUNIOR, O. N. Filmes ultrafinos produzidos pela técnica de automontagem: preparação, propriedades e aplicações. Química Nova, v. 24, n. 2, 2001.

PAUL, W.; SHARMA, C.. Chitosan and alginate wound dressing: A short review. Trends in Biomaterials and Artificial Organs, v. 18, n. 1, 2004.

RATHKE, T. D.; HUDSON, S. M. Review of chitin and chitosan as fiber and film formers. Journal Macromolecules Scince, v. 34, n. 3, 1994.

REVISTA BANAS QUALIDADE. Resíduos Sólidos: como se classificam quanto ao seu potencial poluidor. 2003. Disponível em: Acesso em: 06 de novembro de 2018.

RODRIGUES, Eveline Araújo. Avaliação dos resíduos gerados no processo produtivo de pescado na colônia de Pescadores z3, Pelotas – RS. 2013. 59 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia Ambiental e Sanitária) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2013.

ROSA, C. G. Quitina e Quitosana: Aspectos gerais de obtenção e aplicações. 33 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Química de Alimentos) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2008.

SANTOS, J. E. Preparação, caracterização e estudos termoanalíticos de bases de shiff biopoliméricas e seus complexos de cobre. 2005. 124 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2005.

SEBRAE. Diagnóstico dos Resíduos da Pesca e Aquicultura do Espírito Santo. Vitória: SEBRAE/ES, 2010. 112p.

SILVA, G. L. da. Estudos da ação inibitória da quitosana sobre os enteropatógenos: Salmonella enterica, Shigella Sonnei e Escherichia Coli EPEC. 2006. 98 f. Dissertação (Mestrado em Bioengenharia) – Instituto de Química de São Carlos, São Carlos, 2005.

SILVA, S. S. et al. Plasma surfasse modification of chitosan membranes: characterization and preliminar cell response studies. Macromolecular Biosciente, v. 8, p. 568-576, 2008.

TONHI, E.; PLEPIS, A. M. de G. Obtenção e Caracterização de Blendas colágeno-quitosana. Química Nova, São Paulo, v. 25, n. 6,




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n1-015

Apontamentos

  • Não há apontamentos.