Mercado de trabalho formal para os gêneros no Setor de extrativismo mineral: observações nas Grandes Regiões do País / Formal labor market for genres in the industry mineral extraction: observations in the major regions of the country

Rúbia Silene Alegre Ferreira, Marklea da Cunha Ferst, Antonio Geraldo Harb

Resumo


A entrada do Brasil na história possui relação estreita com o extrativismo. Das diversas formas desta atividade, a mineração, embora seja uma ação que cause impactos pesados ao meio natural, desde o começo, tem tido participação significativa na economia. Neste cenário permeado por homens, motivados pela obtenção da renda, a presença da mulher, apesar de ser mínima, não consistia no desenvolvimento do trabalho em si. A história se modifica, os tempos são outros com inovações na forma de exploração e com a presença feminina cada vez maior. Desta forma, o objetivo deste artigo é de analisar as ocupações formais por gênero no setor de extrativismo mineral no Brasil, com enfoque nas Grandes Regiões. A metodologia utilizada foi a pesquisa de banco de dados proveniente do Ministério do Trabalho e Emprego (CAGED/RAIS) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados foram analisados de forma quantitativa, uma vez que a intenção é a de demonstrar os diferenciais regionais por gênero no setor. A pesquisa aponta que nas cinco macrorregiões observadas, há uma liderança estabelecida pela região Sudeste nos 19 anos delimitados. Segunda e terceira posição quem as ocupa são as regiões Nordeste e Sul, respectivamente, com volumes muito próximos. A quarta posição pertence ao Centro-Oeste e a quinta, ao Norte. Destaca-se neste cenário um crescimento das ocupações dos postos de trabalho formal pelo sexo feminino. Embora com volume sempre abaixo do volume masculino, o crescimento é persistente em todo o período observado. A remuneração média no setor do extrativismo apresentou resultados significativos também. Em 1995, por exemplo, as remunerações entre 1 a 5 salários mínimos eram maioria, sobretudo, nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Sul. Em 2014, verifica-se elevação de postos de trabalho com remunerações acima de 5 salários mínimos nas cinco macrorregiões. Este crescimento demonstra que o setor de extrativismo mineral tem tido relevante participação no cenário econômico do país, sem desprezar as competências essenciais inerentes às pessoas, como resultado da busca pelo aperfeiçoamento, bem como das inovações trazidas pelas questões ambientais.


Texto completo:

PDF

Referências


ALEIXO, Lúcia Helena Gaeta. O cotidiano da mulher trabalhadora nas minas de Mato Grosso. Caderno de publicação N. 03. ISSN: 1678-0655, UNIVAG, 2016.

BERTASSO, B.F.; CUNHA, A.M. Segmento de Máquinas e Equipamentos para Extração Mineral. – Campinas: UNICAMP, 2013.

BITTENCOURT, Carlos. DARIO, Bossi. SANTOS, Rodrigo. Crescimento cruel. Revista Democracia Viva, n. 48, junho, 2012.

COUTINHO, Mauricio C. Economia de Minas e economia da mineração em Celso Furtado. Nova Economia Belo Horizonte 18 (3) 361-378 setembro-dezembro de 2008.

DEMO, P. Pesquisa e construção de conhecimento: metodologia científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 2000.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL (DNPM). Governo lança Plano Nacional de Mineração 2030. Disponível em:

GERMANI, D.J. A mineração no Brasil. Relatório de Pesquisa. CGEE. Rio de Janeiro, maio, 2002. 59p.

GUDYNAS, E. (2012). O novo extrativismo progressista na América do Sul: teses sobre um velho problema sob novas expressões. In P. Lena & E. Pinheiro do Nascimento (Eds.), Enfrentando os limites do crescimento. Sustentabilidade, decrescimento e prosperidade. (pp. 303-318)

HOMMA, Alfredo Kingo Oyama. Extrativismo, manejo e conservação dos recursos naturais na Amazônia. In: MAY, Peter. Economia do meio ambiente: teoria e prática. Campus: Rio de Janeiro, 2010.

IBRAM. Informações e análises da economia mineral brasileira. Brasília, 2009




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n1-001.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.