Participação social como instrumento de democratização escolar / Social participation as an instrument for school democratization

José Antônio Francisco, Alessandro Ney Guimarães Távora

Resumo


A presente investigação é parte da pesquisa de doutorado e visa verificar mediante estudos bibliográficos a participação social nos espaços escolares e identificar quais os órgãos de participação predominante como instrumento de articulação nas ações que objetiva a autonomia da escola e a emancipação do educando sob a orientação referencial central de autores renomados que tratam especificamente desse assunto, utilizando como principal instrumento estudos documentais como leituras de livros, artigos e periódicos, o qual se confirma que o compartilhamento do poder no ambiente escolar se fundamenta de estudos acerca dos eventos e anseios sociais em termos de interações grupais e inter-relacionamentos, e tem sido frequentemente pensado como uma expressão da natureza humana, ao buscar a preservação de identidades, cultura e valores e a valorização de diferenças. Considerando que as rápidas transformações causadas pela globalização e o avanço econômico e tecnológico nas diferentes formas do conhecimento tenciona grandes exigências do mundo em todos os sentidos, o que tornado cada vez mais a vida competitiva. Assim, foi possível entender que a participação social nos espaços escolares por meio dos órgãos de participação, atinge positivamente o processo democrático na escola e o nível de participação da comunidade local interfere na aprendizagem significativa.


Palavras-chave


Participação - Poder - Controle

Texto completo:

PDF

Referências


AMARO, Sarita Teresinha Alves. Serviço Social na escola: o encontro da realidade com a educação. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 1997.

BRANDÃO, Carlos da Fonseca, 1965 LDB Passo a Passo: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei Nº 9394/96), comentada e interpretada, art. Por art./ Carlos da Fonseca Brandão. – 3. Ed. Atual. – São Paulo: Editora Avença. 2007.

Conferência Nacional de educação. - MEC, 2008.

Constituição Federal de 1988. Art. 88, 205 e 2016.

Estatuto da (APM EESF), Associação de Pais e Mestre. V. São Francisco/Bonfim. – RR, 2014

EESF. Projeto Político Pedagógico. Da Escola Estadual São Francisco Versão 2012/2013, município de Bonfim – RR.

DOURADO, Luiz Fernando e MACHADO, Maria Pro gestão Modulo II/ Como Promover, Articular e Envolver a ação das pessoas no Processo de Gestão Escolar – Brasília: CONEDE - Conselho Nacional de Secretarias da Educação 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. 30° edição. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e Gestão da Escola - teoria e prática. 4ª ed. Goiânia: Alternativa, 2001.

LUCK, Heloisa. Cadernos Gestão Escolar 2010

Ministério da Educação – MEC Conferencia Nacional da Educação Básica – (CONAB)

PARO, Vitor I [enrique. Administração escolar, introdução crítica. São Paulo:

Cortez: Autores Associados, 1986.

PARO, Victor Henrique. Administração Escolar: Introdução Critica – 16. ed. – São Paulo: Cortez, 2010.

RIESF: Regimento Interno da Escola Estadual São Francisco, Bonfim – RR/ 2019

Portaria nº 2015/09/SECDE/GAB/RR. Boa Vista – RR, 15 de julho de 2009 Secretaria de Educação e Desporto do Estado de Roraima,

www.supremotribunalfederal. br.com.gestãoescolar

SILVA, Josias Benevides. Um olhar histórico sobre a gestão escolar. A historical look on the school administration. Educação em Revista, Marília, 2007, v8, n.1,

Portaria nº 2015/09/SECDE/GAB/RR. Secretaria de Educação e Desporto do Estado de Roraima,




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv4n1-010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.