Descarte domiciliar de medicamentos e seu impacto ambiental: análise da compreensão de uma comunidade / Dispose of household medicines and its environmental impact: analysis of a community understanding

Mônica de Souza Rodrigues, Michele Daros Freitas, Silvia Dalbó

Resumo


Boa parte dos medicamentos que sobram nas residências favorece o seu uso irracional e o descarte de forma inadequada. A disposição destes no meio ambiente e a diversas condições climáticas pode gerar o desequilíbrio do ecossistema. Este estudo teve por objetivo avaliar como são descartados os medicamentos domiciliares em uma comunidade do Extremo Sul Catarinense, no município de Santa Rosa do Sul, SC-Brasil, através de um questionário estruturado. Constatou-se que 77,33% dos entrevistados não possuem informações suficientes sobre o descarte adequado e o fazem diretamente no lixo comum. Conclui-se que os residentes desconhecem os riscos que esta atividade pode causar a si e ao meio ambiente.


Palavras-chave


Descarte de medicamentos; domicílios;medicamentos; meio ambiente.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR T.O.S. Descarte de medicamentos: uma análise da prática no Programa Saúde da Família. Ciência &Saúde Coletiva, v.19, n. 7, p. 2157-2166, 2014.

ALVARENGA L.S.V; NICOLETTI M;A. Descarte doméstico de medicamentos e algumas considerações sobre o impacto ambiental decorrente. Revista Saúde,v.4, n. 3, p. 34-39, 2010.

ANVISA. Agencia Nacional da Vigilância Sanitária,Proposta de RDC de revisão de regulamento que trata do gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde .RDC nº 306/2004. Disponível em: 21 de maio de 2015.

BRASIL. Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973.Dispõe sobre controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências. Presidência da Republica de1973; 17 dezembro.

BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). RDC nº306, de7 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Diário Oficial da União 2007; 10 dezembro.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Resolução nº 358, de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dosserviços de saúde e dá outras providências. DiárioOficial da União2005; 4 maio.

BUENO C.S; WEBER D; OLIVEIRA K.R. Farmácia caseira e descarte de medicamentos no bairro Luiz Fogliatto do município Ijuí-RS. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v.30, n.2, p.203-210, 2009.

CARVALHO E.V, et al. Aspectos legais e toxicológicos do descarte de medicamentos. Revista Brasileira de Toxicologia, v. 22, n. 1-2, p.1-8, 2009.

CIPOLLE R; STRAND L; MORLEY P. Pharmaceuticalcarepractice. Toronto (ON): McGraw-Hill; 1998.

DOAK C; DOAK J; ROOT C. Teaching patients with low literacy skills. 2nd ed. Philadelphia: Mosby; 1995. p. 1-9.

EBBESEN J, et al. Drug -related deaths in department of internal medicine. ArchivesofInternalMedicine, v. 161, n. 1, p. 2317-2323, 2001.

EICKHOFF P; HEINECK I; SEIXAS L.J. Gerenciamento e Destinação Final de Medicamentos: uma discussão obre o problema. Revista Brasileira de Farmácia, v. 90, n.1, p.64-68, 2009.

EPSTEIN M; SOWERS J. R. Diabetes mellitus andhypertension. Hypertension,v. 19, n. 5, p. 403-418, 1992.

FOOD AND DRUG ADMINISTRATION.[homepage Internet]. How to disposeof unused medicines: 2009.FDA. Disponível em: http://www.fda.gov/consumer> Acesso em: 20 out. 2015.

FERNANDEZ-LLIMOS F, et al. Morbidity and mortality associated with pharmacotherapy. Evolution and current concept of drug-related problems.Current Pharmaceutical Design, v. 10, n.31, p. 3947-67, 2004.

FERNANDES L.C; PETROVICK P.R. Os medicamentos na farmácia caseira. In: Schenkel EP. Cuidados com os medicamentos, Porto Alegre: Editora da UFRGS, 4. ed. rev. e amp; 2004, p. 39-42.

GAMBA M.A, et al. Amputações de extremidades inferiores por diabetes mellitus: estudo caso controle. Revista de Saúde Pública, v. 38 n. 3, p. 399-404, 2004.

LÄNGE R, et al. Effects of the synthecticstrogen 17 alpha ethinyl estradiol on the life cycle of the fathead minnow. Environmental Toxicology and Chemistry/SETAC, v.20, n. 6, p. 1216-1227, 2001.

MANNESSE CK, et al. Contribution of adverse drug reaction to hospital admission of older patients. Age Ageing; v. 29, n. 1, p. 35-39, 2000.

MENEZES T. N; LOPES F.J.M; MARUCCI M.F.N. Estudo domiciliar da população idosa de Fortaleza/CE: aspectos metodológicos e características sócio-demográficas. Revista Brasileira de Epidemiologia, v.10, n. 2, p. 168-177, 2007

PINTO G, et al. Estudo do descarte residencial de medicamentos vencidos na região de Paulínia (SP), Brasil. Engenharia Sanitária e Ambiental, v.19, n.3, p. 219-224, 2014.

RATHMANN W; GIANI G. Global prevalenceof diabetes: estimates for theyear 2000 andprojections for 2030. Diabetes Care, v. 27, n. 10, p. 1047-1053, 2004.

REYNOLDS K.A. Preocupación por la presencia deproductos farmacêuticos enel água potable. ÁguaLatinoamérica, v. 8, p. 16-8, 2008.

SANTA ROSA DO SUL. Município de Santa Rosa do Sul. Informações Municipais,2014. Disponível em: http://www.cidade-brasil.com.br/municipio-santa-rosa-do-sul.html#territorio Acesso em: 01 de outubro de 2015.

SANTOS AMP et al. Diagnóstico das ações das vigilâncias sanitárias municipais frente à devolução de medicamentos inseridos na Portaria 344/98. Revista Brasileira de Farmácia, v.90, n. 2, p.117-119, 2009.

SERAFIM, E. et al. Qualidade dos medicamentos contendo dipirona encontrados nas residências de Araraquara e sua relação com a atenção farmacêutica. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v.43, n.1, p. 127-135, 2007.

SILVA, A.S. Interferentes endócrinos no meio ambiente:um estudo de caso em amostras de água in natura efluente da estação de tratamento de esgotos da Região Metropolitana de São Paulo. [Tese]. São Paulo (SP):Universidade de São Paulo, Faculdade de SaúdePública; 2009.

SILVIA M.A.B, et al. Levantamento etnobotânico de plantas utilizadas como anti-hiperlipidêmicas e anorexígenas pela população de Nova Xavantina-MT, Brasil. Revista Brasileira de Farmacognsia, v. 20, n.4, p. 549-562, 2010

SOWERS J.R; EPSTEIN M; FROHLICH E.D. Diabetes, Hypertension, and cardiovascular disease: an update. Hypertension, v. 37, n. 4, p. 1053-1059, 2001.

UEDA J,et al. Impacto ambiental do descarte de fármacos e estudo da conscientização da população a respeito do problema. Revista Ciências do Ambiente On-line, v.5, n.1, p. 1-6, 2009.

VALORMED. [homepage Internet]. Recolha de resíduos de embalagens e medicamentos fora desuso. 2010.Disponívelem:

http://www.valormed.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=305:comunicado&catid=63:comunicados &Itemid=129>Acesso em: 22 out 2015.

VAN MIL J.W.F; SCHULZ M; TROMP T.F. Pharmaceutical care, european developments in concepts, implementation, teaching and research: a review. Pharmacy World Science: PWS, v. 26, n. 6, p. 303-311, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.