A formação superior militar e a igualdade de gênero: uma história de conquistas / Military superior training and gender equality: a history of achievements

Hercules Guimarães Honorato

Resumo


O objetivo deste artigo é compreender a construção da identidade social da jovem mulher militar oriunda da formação superior nas Academias Militares brasileiras, e, em especial, na Escola Naval (EN), instituição de formação superior da Marinha do Brasil. Este estudo é de cunho qualitativo, bibliográfico e documental. A questão que norteou este estudo e que foi apresentada como coleta de dados para as Aspirantes pioneiras na graduação da EN foi: qual a importância para as Forças Armadas, em especial à Marina do Brasil, de termos mulheres oficiais formadas em sua instituição de ensino superior? O quartel tem por característica ser um território de homens, principalmente por envolver atividades de risco, força e de forte rigor da disciplina. A mudança estrutural nas relações entre gêneros evoluiu consideravelmente nos últimos anos, e como somos frutos de uma construção social histórica, uma vez abertas as oportunidades, as mulheres estão demonstrando seu valor e sua capacidade de decisão e liderança. As respostas a pergunta de pesquisa deixou claro a importância da entrada das mulheres na formação superior militar, a saber: (i) reconhecimento dos pares desde o início da formação; (ii) interação profissional; (iii) respeito ao outro; (iv) possibilidade de diversidade de pensamento; (v) auxílio ao amadurecimento dos pares masculinos; (vi) marco histórico e quebras de barreiras; (vii) preparação para o ambiente profissional onde terão mulheres como colegas de profissão.


Palavras-chave


Ensino Superior Militar. Escola Naval. Forças Armadas brasileiras. Igualdade de gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, S. A. de; PERES, H. M. Mulheres a Bordo: 30 anos da mulher militar na Marinha do Brasil. Rio de Janeiro: Hmperes & Associados, 2012.

BEAUVOIR, S. de. O Segundo Sexo: a experiência vivida. 2. ed. Tradução Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 12.705, de 08 de agosto de 2012. Dispõe sobre os requisitos para ingresso nos cursos de formação de militares de carreira do Exército. Diário Oficial [da] União. 09 ago. 2012.

______. Senado Federal. Comissão de Constituição e Justiça. Parecer no 20, de 28 de novembro de 1979. Brasília, DF. Serviço de Atendimento ao Usuário da Secretaria de Arquivo do Senado Federal (SARQ), 1979.

CARREIRAS, Helena. Mulheres em contextos atípicos: Lógicas de exclusão e estratégias de integração feminina nas Forças Armadas. Etnográfica, v. VIII, n.1, p.91-115, 2004.

CASTRO, C. O Espírito Militar: um antropólogo na caserna. 2. ed. revista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

MACÊDO, G. S.; MACEDO, K. B. As relações de gênero no contexto organizacional: o discurso de homens e mulheres. Revista Psicologia, v.4, n.1, p.81-90, 2004. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2015.

MENDES, L. C. K. B. Subsídios sobre a presença da mulher na MB. Brasília, DF: Centro de Comunicação Social da Marinha, 2010.

RIBAS, F. T.T.; RODRIGUES, C. M. C. Valores organizacionais declarados e implantados: uma percepção entre o real e o desejado. Revista Iberoamericana de Engenharia Industrial, Florianópolis, v.1, n.2, p.43-60, dez. 2009.

SAFFIOTI, H. O segundo sexo à luz das teorias feministas contemporâneas. In: MOTTA, A. B.; SARDENBERG, C.; GOMES, M. (Orgs.). Um diálogo com Simone de Beauvoir e outras falas. Salvador: NEIM/UFBA, 2000, parte I, p.15-39. (Coleção Bahianas; 5).

SANTOS, A. C. A. dos. O empego de Aviadoras na Aviação de Caça da Força Aérea Brasileira. Revista UNIFA, Rio de Janeiro, v.18, n.21, p.35-47.

TAKAHASHI, E. E. Homens e Mulheres em campo: um estudo sobre a formação da identidade militar. 276f. 2002. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.