Caracterização física e química de clones de ariá (Calathea allouia)/ Characterization physical and chemical of clones ariá (Calathea allouia)

Chelzea Mara Mota Cabral Marques, Danilo Fernandes Silva Filho, Ariel Dotto Blind, Herodilson Guimaraes da Costa, Jose Nilton Rodrigues Figueiredo, Edimilson Barbosa Lima, Manoel Ronaldo Aguiar Batista, Francisco Manoares Machado

Resumo


O ariá é uma hortaliça raiz pouco difundida entre consumidores, principalmente pela escassez de informações filotécnicas sobre o cultivo e dados referentes aos componentes minerais que suas raízes oferecem. Atualmente existe uma coleção de germoplasma da espécie que é mantida pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia da qual é desconhecido seu potencial alimentar sobre tudo os macro e micro elementos que podem ser disponibilizados pela ingestão de suas raízes. Desta forma, o presente trabalho buscou evidenciar a composição centesimal de 20 clones de ariá cultivados na Amazônia Central em condições convencionais de plantio e processamento. Após 8 meses de cultivo, as raízes de cada acesso foram colhidas, imediatamente transportadas para triagem, prepararação e determinação das características físicas e químicas utilizando metodologia adequada para estas análises. Os dados obtidos foram submetidos a análise de variância pelo teste F e as medias comparadas pelo teste Scott-Knott ao nível de 5 % de significância. Os resultados obtidos demonstram que as raízes do ariá, independentemente do clone varietal, possui excelente teor de umidade sendo acima de 80%, quantidades satisfatórias de Cálcio, Magnésio e Potássio essenciais para alimentação humana, além de que, pode ser considerado como um alimento nutraceutico com baixos níveis de calorias, sendo neste estudo, abaixo de 80 Kcal/100g de raiz. Entre os acessos estudados foi identificado superioridade de elementos em alguns materiais destacando-se assim dos demais, as progênies com melhores teores de proteínas, lipídios e carboidratos os clones 2070, 2087 e IH-6 respectivamente. 


Palavras-chave


Calathea allouia; diversidade varietal; Coleção de clones, composição centesimal

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, J. P. L. Tabela de composição de alimentos da Amazônia. Acta Amazônica, 26 (1-2):121-126. 1996.

AOAC, Association of Official Analitical Chemists. Official methods of analyses. 16. ed. 134p. 1995.

BARROS, D. R.; SILVA, E. R.; KINUPP, V. F.; ALFAIA, S. S.; AYRES, M. I. C.; COIMBRA, A. B. Aumento da produtividade e da qualidade das raízes de ariá (Calathea allouia (Aubl.) Lindl.) cultivado em pneus. Cadernos de Agroecologia, 10 (3), 1-6. 2015.

BRAGA, J. M. A. Marantaceae – Novidades taxonômicas e nomenclaturais II – Calathea joffilyana J. M. A. Braga sp. Bradea, 9(1):1-3. 2002.

BORGES, M. F.; FUKUDA, W. M. G.; ROSSETI, A. G. Avaliação de variedades de mandioca para consumo humano. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 31:1559-1565. 2002.

BUENO, C.R.; WEIGEL, P. Brotação e desenvolvimento inicial de rizomas de ariá [Calathea allouia (Aubl.) Lindl.]. Acta Amazónica, 11(2):407-410. 1981.

BUENO, C.R.; WEIGEL, P. Armazenamento de tubérculos frescos de ariá [Calathea allouia (Aubl.) Lindl.]. Acta Amazónica. 13(1):7-15. 1983.

CARVALHO, F. M. Analise econômica de sistemas de plantio e colheita de mandioca. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Lavras, Minas Gerais, 67p. 2009.

CRUZ, C. D. Genes - a software package for analysis in experimental statistics and quantitative genetics. Acta Scientiarum Agronomy, v. 35, n. 3, p. 271-276. 2013.

FAO: produção de alimentos cairá e preços subirão na próxima década. Relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Notícias e Mídia Radio ONU – Nova York. 2013. Disponível em: http://www.unmultimedia.org/radio/portuguese/2013/06/fao-producao-de-limentoscaira-e-precos-subirao-na-proxima-decada/. Acesso: 23/08/2019.

GOMES, F. L. Produção e qualidade de duas variedades de Ipomoea batatas (L.) Lam submetidas a densidades de plantio e quantidades de fosforo. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba, Areia, Paraíba, 69p. 2010.

GRIZOTTO, R. K.; MENEZES, H. C. Avaliação da aceitação de “Chips de Mandioca”. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 23 (Suplemento), p. 79-86. 2003.

IAL, Instituto Adolfo Lutz. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. Analise de agua e alimento. 3. ed. São Paulo. 1: 533. 1985.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estudo Nacional da Despesa Familiar: Tabelas de Composicao de Alimentos. 5. ed., Rio de Janeiro, 127p. 1999.

KINUPP, V. F.; LORENZI, H. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. São Paulo – SP, Brasil. Instituto Plantarum de Estudos da Flora. 2014.

LEITE, M. S.; OLIVEIRA, J. B. A família Marantácea nos herbários do estado de Pernambuco: distribuição e conservação. Revista Brasileira de Biociências, 5(2): 789-791. 2007.

LEONEL, M.; CEREDA, M.P. Caracterização físico-química de algumas tuberosas amiláceas. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.22, n.1, p.65-69, 2002.

MARTIN, F. W.; CABANILLAS, E. Leren (Calathea allouia), a little known tuberous root crop of the Caribbean. Economy Botany, 30: 249-256. 1976.

NODA, H. Hortaliças não convencionais da Amazônia. Horticultura Brasileira, 12(2): 274-276. 1994.

NODA, H., PAIVA, W.O. & BUENO, C.R. Hortaliças da Amazônia. Ciência Hoje, 3(13): 32-37. 1984.

PACHECO, M. Tabela de equivalentes, medidas caseiras e composicao química dos alimentos. Editora Rubio. Rio de Janeiro, 672p. 2006.

PADONOU, W; MESTRES, C.; NAGO, M. C. The quality of boiled cassava roots: instrumental and relationship with physicochemical properties and sensorial properties. Food Chemistry, 89: 261-270. 2005.

PAIVA, W. O. Caracterização e avaliação de aráceas comestíveis no estado do Amazonas. Acta Amazônica, 23(2-3): 115-123. 1993.

QUADROS, D. A.; IUNG, M. C.; FERREIRA, S. M. R.; FREITAS, R. J. S. Composição química de tubérculos de batata para processamento, cultivados sob diferentes doses e fontes de potássio. Campinas. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 29(2): 316-323. 2009.

REVILLA, J. Plantas da Amazônia: oportunidades econômicas e sustentáveis. SEBRAE-AM/INPA, Manaus, AM, Brasil, 405p. 2001.

SILVA FILHO, D. F. Domesticação e melhoramento de hortaliças amazônicas. In: Borem, A; Lopes, M. T. G.; Clement, C. R. (Eds.). Domesticação e melhoramento: espécies amazônicas. Viçosa, MG: Editora da Universidade Federal de Viçosa. p. 461-486. 2009.

VARIAN, P. Analytical Methods Flame Atomic Absorption Spectrometry Spectro AA, 220 FS. 146p. 2000.

VILLACHICA, H. Cocona (Solanum sessiliflorum Dunal). In: Frutales y hortalizas promisorios del Amazonas. Secretaria Pro-Tempore. p. 98-102. 1996.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv3n5-010

Apontamentos

  • Não há apontamentos.