O funcionamento dos discursos de estudantes de física sobre questões de gênero na ciência e no ensino da física / The operation of physics students discourses on gender issues in science and physics education

Leandro Londero da Silva, Debora Marques Santos

Resumo


Apresentamos os resultados de um estudo que investigou os discursos das alunas, de um curso de formação de professores de física, sobre questões de gênero, sobretudo aquelas que remetem ao potencial das mulheres no exercício de atividades científicas e ao posicionamento do sujeito docente em atividades de sala de aula, no nível superior. Para tanto, identificamos as estudantes acessando o sistema acadêmico e mediante informações fornecidas pelo Departamento de Registro Geral e Controle Acadêmico da universidade. Após, localizamos as estudantes por meio da criação de um grupo intitulado “Meninas na Física” em uma rede social. Utilizamos para a coleta de informações um questionário com 15 perguntas abertas, enviado no formato online para o e-mail pessoal das meninas mapeadas e disponibilizado em um link no referido grupo. Os discursos foram analisados por meio da Análise de Discurso originada na França por Michel Pêcheux. A investigação permitiu pontuar diferentes aspectos responsáveis pela desistência e permanência, bem como discursos sobre questões de gênero. Os discursos apontaram um imaginário no qual os professores homens do curso são mensageiros de um ideário histórico patriarcado que pode ressoar no rendimento e na baixa estima das estudantes. A reprodução de desigualdades configura-se por meio do tratamento diferenciado de alunas e alunos.

 

 


Palavras-chave


gênero na ciência; análise de discurso; ensino de física.

Texto completo:

PDF

Referências


AGRELLO, D. A.; GARG, R. Mulheres na física: poder e preconceito nos países em desenvolvimento. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 31, n. 1, pp. 13050/1-6. 2009.

BARATA, G. Mulheres são maioria na educação, mas não chegam ao topo na carreira profissional. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 57, n. 3, pp. 14-15. 2005.

BEZERRA, N. Mulher e Universidade: a longa e difícil luta contra a invisibilidade. In: Conferência Internacional sobre os Sete Saberes, Fortaleza. Anais da Conferência Internacional sobre os Sete Saberes, Anais, Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2017. 2010.

CAREGNATO, R. C. A.; MUTTI, R. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enfermagem, v. 15, n. 4, pp. 679-684. 2006.

LETA, J. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso. Estudos Avançados, v. 17, n. 49, pp. 271-284. 2003.

LETA, J.; LEWISON, G. The contribution of women in brazilian science: a case study in astronomy, immunology and oceanography. Scientometrics, v. 57, n. 3, pp. 339-353. 2003.

LIMA, N. R. L. B. Quando as meninas não contam: gênero e ensino da matemática. Viva. Maceió: Brasil, 2013.

LOPES, M. M. Aventureiras nas ciências. Refletindo sobre gênero e história das ciências naturais no Brasil. Cadernos Pagu, Rio de Janeiro, v. 10, pp. 345-368. 1998.

MASCARENHAS, M. G. Mulheres na ciência brasileira. Agência FAPESP. Disponível em: http://www.agencia.fapesp.br/materia/622/especiais/mulheres-na-ciencia brasileira.htm. 2003.

MUJTABA, T.; REISS, M. J. What sort of girl wants to study physics after the age of 16? Findings from a large-scale UK survey. International Journal of Science Education, v. 35, n. 17, pp. 2979-2998. 2013.

ORLANDI, E. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Pontes. Campinas: Brasil, 2005.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso. In: Discurso e Textualidade. Pontes. Campinas: Brasil, 2010.

RENNÓ JÚNIOR, J. Diferenças cerebrais entre homens e mulheres justificam habilidades e comportamentos distintos? Estadão, São Paulo, 7 janeiro. 2014.

ROSSI, A. S. Women in Science: why so few? Social and psychological influences restrict women’s choice and pursuit of careers in science. Science, v. 148, n. 3674, pp. 1196-1202. 1965.

SCHERER, A. E.; TASCHETTO, T. R. O papel da memória ou a memória do papel de Pêcheux para os estudos linguístico-discursivos. Estudos da Língua(gem), n. 1, pp. 119-123. 2005.

SILVA, O. S. F. Os ditos e os não-ditos do discurso: movimentos de sentidos por entre os implícitos da linguagem. Revista da Faculdade de Educação, n. 14, pp. 39-53. 2008.

TRIVIÑOS, A. N. S. A Pesquisa qualitativa em educação. Atlas. São Paulo: Brasil, 1987.

VELHO, L.; LEÓN, E. A construção social da produção científica por mulheres. Cadernos Pagu, Rio de Janeiro, n. 10, pp. 309-344. 1998.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv3n5-009

Apontamentos

  • Não há apontamentos.