Resultados e efeitos da atuação da imprensa burguesa sobre os partidos políticos no Brasil / Results and effects of the bourgeois press on political parties in Brazil

Levy Lisboa Neto

Resumo


A imprensa, enquanto subproduto da mídia, apresenta-se em condições de ser um dos elementos a interferir na compreensão dos cidadãos sobre as instituições políticas, bem como influenciar o comportamento, de maneira específica, dos partidos políticos, posto que ela se tornou uma das principais instituições sociais a ter ascendência no processo de socialização do indivíduo. Por isso, há necessidade de contextualizar e pesquisar as intercorrências dessa relação, cujas causas e efeitos parecem atingir sobremaneira a operacionalização do sistema político com um todo, dado o protagonismo ainda exercido pelos partidos sobre a representação política na democracia. Em outros termos, o modo com o qual a imprensa age seria capaz de repercutir e influenciar o modus operandi dos partidos. Dessa forma, buscamos entender parcela da relação entre imprensa e partidos de forma a enumerar alguns pontos capazes de influenciar e alterar procedimentos, sobretudo aqueles oriundos da imprensa sobre os partidos políticos e não o contrário. Tal perspectiva se desenvolve a partir de uma leitura da imprensa ancorada no modo capitalista de produção. Neste caso específico, vamos nos deter e estabelecer como parâmetro e substrato analíticos a condição da notícia e/ou informação – obtida por meio dos meios de comunicação de massas e de seus porta-vozes da imprensa – como mercadoria.Neste ponto, publicizamos (repercutimos) uma relação cada vez mais sobressalente na contemporaneidade, a da imprensa com os partidos e a política em geral, a qual, para alguns autores, já ganha status de centralidade nas discussões de âmbito institucional. Não obstante, inserido no bojo desse debate emerge, de forma paralela, a possibilidade de se levantar algumas interpretações relativas à suposta crise da representação política conferida em larga medida aos partidos.


Palavras-chave


Imprensa; Capitalismo; Partidos Políticos

Texto completo:

PDF

Referências


ANASTASIA, Fátima; MELO, C. Ranulfo; SANTOS, Fabiano. Governabilidade e Representação Política na América Latina. São Paulo: UNESP, 2004.

ARBEX JR., José. Showrnalismo – a notícia como espetáculo. São Paulo: Casa Amarela, 2001.

BOBBIO, Norberto. O Futuro da Democracia – Em defesa das Regras do Jogo. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

CERRONI, Umberto. Teoria do Partido Político. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1982.

CINTRA, AntônioOctávio. O Sistema de Governo no Brasil. In: AVELAR, Lúcia e CINTRA, Antônio. (orgs). Sistema Político Brasileiro: UmaIntrodução. – Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, São Paulo: Editora da UNESP (FEU), 2007.

DINES, Alberto. O papel do jornal: uma releitura. 6.ed. São Paulo: Summus, 1996.

LIMA, Venício.Revisitando as sete teses sobre mídia e política no Brasil. Comunicação & Sociedade, Ano 30, n. 51, p. 13-37, jan./jun. 2009.

MARCONDES FILHO, Ciro. O Capital da Notícia – Jornalismo como produção social da segunda natureza. São Paulo: Editora Ática, 1986.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1996.

MILLS, C. Wright. A elite do poder. Rio de Janeiro: Zahar, 1962.

MOISÉS, José Álvaro. Cultura política, instituições e democracia: lições da experiência brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 23, n° 66, 2008.

MOISÈS, José Álvaro. CARNEIRO, Gabriela.Democracia, desconfiança política e insatisfação com regime: o caso do Brasil. Revista Opinião Pública, v. 14, n°1. 2008.

MOURA, Mauro Castelo Branco de. Sobre o projeto de crítica da economia política de Marx.Crítica Marxista, São Paulo, Xamã, v.1, n.9, 1999, p. 52-78.

PRADO, Carlos Batista. A dialética do conceito de Democracia em O Capital de Karl Marx

PRZEWORSKI, Adam; LIMONGI, Fernando. Modernization: theory and facts. New York: New York University, 1995.

SILVEIRA, Fabio. Imprensa e Política: o caso Belinati. Londrina: Edições Humanidades, 2004.

VÁSQUEZ, Rodrigo Alonso.CONFIANÇA INSTITUCIONAL E CORRUPÇÃO POLÍTICA NO BRASIL PÓS 1985. Campinas: Unicamp, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.