Indicadores de qualidade de vida no trabalho de docentes de instituições federais de ensino superior das regiões sudeste, centro-oeste e Distrito Federal / Quality of life indicators in the work of teachers from federal higher education institutions in the southeast, midwest and Federal District

Ana Alice Vilas Boas, Ana Alice de Sousa Pires, Danuza Adriane Faria, Estelle M. Morin

Resumo


A carreira docente no ensino superior que já foi muito almejada, vem sofrendo com a precarização das condições de trabalho que pode ser observada no produtivismo, no excesso de atividades administrativas que os docentes precisam realizar e na precariedade de algumas instituições.  Tendo em vista que os profissionais buscam a Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) como uma forma de obter uma sensação de bem-estar no local de trabalho, essa situação compromete a QVT desses profissionais. A QVT é um conceito complexo, que combina dois aspectos principais: os fatores - determinantes da QVT - e os indicadores - componentes de QVT. Neste estudo vamos analisar os indicadores: sentido do trabalho, sentido no trabalho, comprometimento organizacional, bem-estar psicológico, sofrimento psicológico, burnout, comprometimento com o trabalho, estresse relacionado ao trabalho, equilíbrio vida-trabalho e presenteísmo.O presente estudo quantitativo faz uma análise desses indicadores de qualidade de vida no trabalho de instituições federais de ensino superior localizadas nas regiões Sudeste (exceto MG e ES), Centro-Oeste e Distrito Federal. Os dados foram coletados através de um questionário on-line enviado via Survey Monkey para os e-mails dos docentes que foram coletados dos sites das instituições, no ano de 2016. Os dados foram analisados no SPSS versão 2.1. Os resultados obtidos através das análises mostram que o inter-relacionamento entre os indicadores são consistentes. Quando esses são bem compreendidos e trabalhados, eles podem proporcionar ganhos para as organizações e para os próprios indivíduos. O inter-relacionamento entre os indicadores de QVT encontrado nesta pesquisa mostram que os resultados são consistentes com outra pesquisa comparativa entre professores brasileiros e canadenses e que os coeficientes dos indicadores são coerentes com os construtos aparentes que mostram a relevância dos indicadores de Sentido do Trabalho e do Sentido no Trabalho para se entender melhor os padrões de qualidade de vida no trabalho (VILAS BOAS e MORIN, 2017, 2016, 2013). A comparação de medias de amostras independentes mostra que as mulheres apresentam mais estresse relacionado ao trabalho, mais sofrimento psicológico, mais burnout e mais presenteísmo, enquanto que os homens apresentam mais bem-estar psicológico e mais e equilíbrio vida/trabalho. Em suma, pode-se afirmar que a promoção da qualidade de vida no trabalho deve ser um conjunto de atividades para promover um ambiente de trabalho saudável e um trabalho que faz sentido ao indivíduo, por isso lidar com estes indicadores e de extrema importância para melhorar o ambiente organizacional e os mesmos devem ser observado pelos gestores públicos.


Palavras-chave


QVT; Modelo Sistêmico de QVT; Professores universitários; Saúde do trabalhador

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, L. G.; LIMONGI-FRANÇA, A. C. Estratégias de Gestão de Pessoas e Gestão da Qualidade de Vida no Trabalho: o stress e a expansão do conceito de qualidade total. Revista de Administração, São Paulo, v. 33, n. 2, 1998.

ALLEN, N. J. & MEYER, J. P. The measurement and antecedents of affective, continuance and normative commitment to the organization. Journal of Occupational Psychology, v.63, p.1-18, 1990.

ALTOÉ, A. Impactos do absenteísmo e do presenteísmo no trabalho docente. Belo Horizonte. Disponível em: www.altoeconsultoria.com.br, 2010.

ALVES, E. F. Qualidade de vida no trabalho: indicadores e instrumentos de medidas. In: Diálogos & Saberes 6 (2010). p.3

ARELLANO, E. B. Qualidade de Vida no Trabalho: como a nutrição está inserida nos programas de QVT. Dissertação (Mestrado). PRONUT, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2004.

ARONSSON, G., & GUSTAFSSON, K, (2005) Sickness, Presenteeism: Prevalence, attendance-pressure factors, and outline of a model for research. Journal of Occupational and Environmental Medicine, 47, 958-966.

ARONSSON, G., GUSTAFSSON, K. and DALLNER, M. (2000), “Sick but yet at work. An empirical study of sickness presenteeism”, Journal of Epidemiological Community Health, Vol. 54, pp. 502-9.

ASSUNÇÃO, A. A.; OLIVEIRA, D. A. Intensificação do trabalho e saúde dos professores. Educação & Sociedade, v. 30, n. 107, p. 349-372, 2009. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302009000200003.

BASTOS, A. V. B. Comprometimento no trabalho: a estrutura dos vínculos do trabalhador com a organização, a carreira e o sindicato. Brasília, 1994. Tese de Doutorado/Universidade de Brasília.

BASTOS, A. V. B.; BRANDÃO, M. G. A; PINHO, A. P. M. Comprometimento organizacional: uma análise do conceito expresso por servidores universitários no cotidiano de trabalho. Revista de Administração Contemporânea, v. 1, n. 2, p. 97-120, 1997.

BECKER, H. S. Notes on the concept of commitment. The American Journal of Sociology, v.66, n.1, p. 32-40, 1960.

BERRO, D. Qualidade de vida e produtividade. Brasil Escola. 2007. Disponível em: http://meuartigo.brasilescola.com/economia-financas/qualidade-vida-produtividade.htm. Acesso em: 09 jun. 2008.

BIRON, C., SAKSVIK, P Ø. (2009) Sickness presenteeism and attendance pressure factors: implications for practice. International Handbook of Work and Health Psychology, 3.

BIRON, C., BRUN, J.& IVERS, H. (2006). At work but ill: Psychosocial work environment and wellbeing determinants of presenteeism propensity. Journal of Public Mental Health, 5(4), 26-37.

BOISVERT, M. P. The quality of working life: an analysis. Human Relations, v. 30, n. 2, p. 155-160, 1977.

BÚRIGO, C. C. D. Qualidade de vida no trabalho: dilemas e perspectivas. Florianópolis: Insular, 1997.

CARLSON, D. S., KACMAR, K. M., WAYNE, J. H., & GRZYWACZ, J. G. Measuring the Positive Side of the Work–Family Interface: Development and Validation of a Work–Family Enrichment Scale. Journal of Vocational Behavior, 68(1), 131–64. 2006.

CATANO, V.; FRANCIS, L.; HAINES, T.; KIRPALANI, H.; SHANNON, H.; STRINGER, B.; LOZANZKI, L.. Occupational Stress in Canadian Universities: a national survey. International Journal of Stress Management. 17(3): 232-258. 2010.

CONSTANTINO, M. A. C. Avaliação da Qualidade de Vida:desenvolvimento e validação de um instrumento, por meio de indicadores biopsicossociais, junto à comunidade da Universidade de São Paulo-USP. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia e Administração - FEA, Programa de Pós-Graduação em Administração, São Paulo, 2007.

DAVIS, L. E.; CHERNS, A. B. (Eds). The Quality of Working Life. (Vol 1. Problems, Prospects, and the State of the Art), New York, USA, Free Press, 1975.

DE OLIVEIRA, P. M.; LIMONGI-FRANÇA, A. C. Avaliação da gestão de programas de qualidade de vida no trabalho. RAE-eletrônica, v. 4, n. 1, 2005.

ETZIONI, A. A comparative analysis of complex organizations. New York: Free Press, 1975.

FARIA, D. A ; VILAS BOAS, A. A. ; PIRES, A. A. de S. ; MORIN, E. M. . Fatores de Qualidade de Vida no Trabalho dos Docentes de Instituições Federais de Ensino Superior do Brasil. In: X Congresso de Administração, Sociedade e Inovação, 2017, Petrópolis. Anais do X CASI. Volta Redonda: UFF, 2017. v. 1. p. 1-12.

FARIA, D. A., VILAS BOAS, A. A.; PIRES, A. A. de S.. Fatores de Qualidade de Vida no Trabalho dos Docentes de Instituições Federais de Ensino Superior do Estado de Minas Gerais. In: IV Congresso Lusófono em Comportamento Organizacional e Gestão, 2017, São Paulo. Anais do IV Congresso Lusófono em Comportamento Organizacional e Gestão. São Paulo: Universidade Mackenzie, 2017a. v. 1. p. 1-17.

FERNANDES, E. Qualidade de vida no trabalho: como medir para melhorar. Salvador, BA: Casa da Qualidade. 1996.

FREITAS, M. N.de C. A inserção de pessoas com deficiência em empresas brasileiras – um estudo sobre as relações entre concepções de deficiência, condições de trabalho e qualidade de vida no trabalho. Programa de Pós-graduação em Administração - UFMG. (Tese de Doutorado), Belo Horizonte, 2007. 314 p.

GRATIVOL, K. Jornada sem fim. Criativa. Rio de Janeiro: Editora Globo, 2008. Disponível em: http://revistacriativa.globo.com/Criativa/0,19125,ETT917427-4241,00.html. Acesso em: 09 jun. 2008.

HAIR, J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; e TATHAM, R. L. Multivariate data analysis (Vol. 6). Upper Saddle River, NJ: Pearson Prentice Hall, 2006.

HARZEM, P. The language trap and the study of pattern in human action. In: THOMPSOON, T., ZEILER, M. D. (eds.) Analysis and integration of behavioral units. Hillsdade, NJ: Erlbaum, 1986.

HUSE, E.; CUMMINGS, T. Organization development and change. Saint Paul: West Publishing, 1985. 384 p.

JAROS, S. J., JERMIER, J. M., KOEHLER, J. W., SINCICH, T. Effects of continuance, affective, and moral commitment on the withdrawal process: an evaluation of eight structural equation models. Academy of Management Journal, v.36, n.5, p.952-995, 1993.

JOHNS, G. Presenteeism in the workplace: a review and research agenda, Journal of Organizational Behavior, 31(1), 519-542. 2010.

KERTESZ, R.; KERMAN, B. El Manejo del Stress. Buenos Aires: IPPEM, 1985, 442p.

KETCHUM, L. D., & TRIST, E. All teams are not created equal: how employee empowerment really works. Newbury Park: Sage. 1992.

LEVINE, Mark. F. Self-developed QWL measures. Journal of Occupational Behavior, v. 4, n. 1, 35-46, 1983.

LIMONGI-FRANÇA, A. C. Indicadores empresariais de Qualidade de Vida no Trabalho: esforço empresarial e satisfação dos empregados em ambiente de manufaturas com Certificação ISO 9000. Tese (Doutorado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. 1996. 355p.

LIMONGI-FRANÇA, A. C. Qualidade de vida no trabalho: conceitos e práticas nas empresas da sociedade pós-industrial. São Paulo, Atlas, 2003.

MAY, D. R., GILSON, R. L. e HARTER, L. M.. The psychological conditions of meaningfulness, safety and availability and the engagement of the human spirit at work. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 77(1), 11-37. 2004.

McKEVITT, C., MORGAN, M., DUNDAS, D. & HOLLAND, W.W. (1998), “Sickness absence and ‘working through’ illness: a comparison of two professional groups”, Journal of Public Health Medicine, Vol. 19, pp. 295-300.

MENDONÇA, C. H. de. Qualidade de Vida no Trabalho para Professores de Ensino Médio da Rede Estadual de Ensino de Minas Gerais. 2016. Dissertação (Mestrado em Administração - PPGA) Universidade Federal de Lavras – UFLA.

MENDONÇA, C. H. de; VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M. Qualidade de Vida no Trabalho de Professores da Rede Estadual de Educação de Minas Gerais. In: Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, 2016, Costa do Sauípe - BA. Anais do XL EnANPAD, 2016.

MEYER, J. P.& ALLEN, N. J.. Testing the "Side-Bet Theory" of Organizational Commitment: some methodological considerations.Journal of Applied Psychology, 69(3), 372-378, 1984.

MEYER, J. P., ALLEN, N. J., SMITH, C. A. Commitment to organizations and occupations: extension and test of a three-component conceptualization. Journal of Applied Psychology, v.78, n.4, p.538-551, 1993.

MOWDAY, R. T., PORTER, L. W., STEERS, R. M. Employee-organization linkages - the psychology of commitment, absenteism, and turnover. New York: Academic Press, 1982.

MINAYO, M.C. de S. Importância da Avaliação Qualitativa combinada com outras Modalidades de Avaliação. Saúde & Transformação Social, Florianópolis, v.1, n.3, p.02-11, 2011.

MORIN, E. M. e DASSA, C. Characteristics of a meaningful work:Construction and validation of a scale. HEC Montréal/Université de Montréal, Montréal, QC, Canada, 2004.

MORIN, E. M. Sens du travail, santé mentale au travail et engagement organisationnel. Études et recherches, Rapport R-543, IRSST (avec collaboration de F. Aranha, FGV-EASP), 62, 2008.

MORIN, E. M.. Le sens du travail pour des gestionnaires francophones. Psychologie du travail et des organisations, v. 2, n. 3, p. 26-45, 1997.

MORIN, E. M. & CHERRÉ, B.. Les cadres face au sens du travail. Revue française de gestion, 126, p. 83-93, 1999.

MORIN, E. M.. Os sentidos do trabalho. Revista deAdministração de Empresas, v. 41, n. 3, p. 08-19, 2001. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902001000300002.

MORIN, E.; TONELLI, M. J.; PLIOPAS, A. L.V. O trabalho e seus sentidos. Anais... Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-graduação em Administração, Atibaia. Atibaia: ANPAD, 2003.

MORETTI, S. Qualidade de vida no trabalho x auto-realização humana. Instituto Catarinense de Pós-Graduação. 2005.

NADLER, D; LAWER, E. Quality of work life: perspectives and directions. Organization Dynamics, v.1, n.11, 1983, p. 20-30.

O'REILLY, C. A. III, CHATMAN, J. Organizational commitment and psychological attachment: theeffects of compliance, identification, and internalization on prosocial behavior. Journal of Applied Psychology, v.71, n3, p.429-499, 1986.

PARKER, D. F. & DECOTIIS, T. A.. Organizational Determinants of Job Stress,Organizational Behavior and Human Performance.32(1), 160-177. 1983.

PAULA, A. V. Qualidade de Vida no Trabalho de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior: um estudo em duas universidades brasileiras. Programa de Pós-graduação em Administração – PPGA UFLA. (Tese de doutorado) 2016.

PAULA, A. V. de; VILAS BOAS, A. A.; CAMARGO, G. C.; SANTOS, A. P.; COSTA, A, C. N.; BERTÃO, A. R.; THOMAS, C. A. O. Uma Análise sobre a Precarização do Trabalho Docente no Magistério Superior de Instituições Federais Brasileiras. In: Congresso de Stress da ISMA-BR, 2016, Porto Alegre. Anais do 16° Congresso de Stress da ISMA-BR. Porto Alegre: ISMA-BR, 2016. v. 1. p. 1-29.

PIRES, A. A. de S.; VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M. ; TAVEIRA, A. M. ; FARIA, D. A. Indicadores de Qualidade de Vida no Trabalho de Docentes de Instituições Federais de Ensino Superior das regiões Sudeste, Centro Oeste e Distrito Federal. In: International Conference on Stress Management - ISMA Brasil, 2017, Porto Alegre. Anais do ISMA Brasil 2017. Porto Alegre: ISMA Brasil, 2017. v. 1. p. 1-25.

PIRES, A. A. de S. ; VILAS BOAS, A. A. ; FARIA, D. A ; MORIN, E. M. . Indicadores de Qualidade de Vida no Trabalho de Docentes de Instituições Federais de Ensino Superior do Estado de Minas Gerais. In: X Congresso de Administração, Sociedade e Inovação, 2017, Petrópolis. Anais do X CASI. Volta Redonda: UFF, 2017a. v. 1. p. 1-14.

PRATT, M. G., & ASHFORTH, B. E.. Fostering meaningfulness in working and at work. In K. S. Cameron, J. E. Dutton, & R. E. Quinn (Ed.), Positive Organizational. 2003.

RYLE, G. The concept of mind. London: Routledge, Totowa, New Jersey: Rowman & Littlefield, First edition published in 1949 by Hutchinson & Company, 1979.

SAMPAIO, J. dos R. Qualidade de vida no trabalho: perspectivas e desafios atuais. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 12, n.1, p. 121-136, 2012.

SANT’ANNA, A. de S.; KILIMNIK, Z. M. Qualidade de vida no trabalho: abordagens e fundamentos. Rio de Janeiro:Campus-Elsevier, 2011.

SCHAUFELI, W. B., SALANOVA, M., GONZÁLEZ-ROMÁ, V., & BAKKER, A. B. The Measurement of Engagement and Burnout: A Two Sample Confirmatory Factor Analytic Approach,Journal of Happiness Studies, 3(1), 71-92.2002.

TOLFO, S. da R.; PICCININI, V. C. Sentidos e significados do trabalho: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicologia & Sociedade. São Paulo.v. 19, ed. esp. 1, p. 38-46, 2007.

VEIT, C., WARE, J. The structure of psychological distress and well-being in general populations. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 51(1), 730-742. 1983.

VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M. Qualidade de vida no trabalho: um modelo sistêmico de análise. Revista Administração em Diálogo – RAD. Vol.19, n.2, Mai/Jun/Jul/Ago 2017, p.62-90.

VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M.. Indicadores de Qualidade de Vida no Trabalho para Professores de Instituições Públicas de Ensino Superior: uma Comparação entre Brasil e Canadá. Contextus - Revista Contemporânea de Economia e Gestão, v. 14, n. 2, p. 170-198, 2016.

VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M. . Sentido do Trabalho e Fatores de Qualidade de Vida no Trabalho: a percepção de professores brasileiros e canadenses. Revista Alcance (Online), v. 23, p. 272-292, 2016a.

VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M. Stress no Trabalho, Bem-Estar Psicológico e Comprometimento com o Trabalho: Efeitos e Relações com a Qualidade de Vida no Trabalho. In: ROSSI, A. M.; MEURS, J. A.; PERREWÉ, P. L. (Orgs.). Stress e qualidade de vida no trabalho: Stress Interpessoal e Ocupacional. São Paulo: Atlas, 2015. p. 119-140.

VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M. Qualidade de Vida no Trabalho: um modelo sistêmico de análise. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (EnGPR), V, 2015, Salvador, BA, Brasil. Anais do V EnGPR.Rio de Janeiro: ANPAD, 2015a. p. 01-18.

VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M. Fatores de Qualidade de Vida no Trabalho em Universidades Públicas: Uma Comparação entre Brasil e Canadá. Anais do 14° Congresso de Stress da ISMA (Internacional Stress Management Association) e do 16° Fórum de Qualidade de Vida no Trabalho, Porto Alegre, RG, Brasil, 2014.

VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M. La Qualité de Vie au Travail des professeurs des établissements publics d'enseignement supérieur: une comparaison entre le Brésil et le Canada. Rapport de Recherche de post-doctorale, HEC, Montreal, Canadá, 2014a. 119 p.

VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M.. Psychological well-being and psychological distress for professors in Brazil and Canada. RAM - Revista de Administração Mackenzie, v. 15, n. 6, p. 201–219, 2014b. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712014/administracao.v15n6p201-219.

VILAS BOAS, A. A.; MORIN, E. M.. Indicadores de Qualidade de Vida no Trabalho para Professores de Instituições Públicas de Ensino Superior: uma comparação entre Brasil e Canadá. In: XXXVII ENANPAD, 2013, Rio de Janeiro. Anais do XXXVII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração.Curitiba: ANPAD, 2013. v. 1. p. 1-16.

VILAS BOAS, A. A. & MORIN, E. M. (2013b, September). Quality of Working Life in Public Higher Education Institutions: the perception of Brazilian and Canadian professors. International Journal of Business and Social Science. 4(12, Special Issue), 67-77.

VIRTANEN, P.; VAHTERA, J.; NAKARI, R.; PENTII, J.; KIVIMAÄKI, M. Economy and job contract as contexts of sickness absence practices: Revisiting locality and habitus. Social Science & Medicine, v. 58, n. 1, 1219-1229, 2004.

WALTON, R. E. Quality of working life: what is it? Sloan Management Review, v. 15, n. 1, 1973, p. 11-21.

WINEFIELD, A.H.; GILLESPIE. N.; SLOUGH, C.; DUA. J.; HAPUARACHCHI, J.; BOYD, C.. Occupational stress in Australian University Staff. International Journal of Stress Management. 10: 51-63. 2003.

WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1987.

WRZESNIEWSKI, A.; DUTTON, J. E.; DEBEBE, G. Interpersonal Sensemaking and the Meaning of Work. Research in Organizational Behavior, v. 25, n. 1, pp. 93-135, 2003.

XAVIER, M. L. dos S. A relação entre presenteísmo e comprometimento organizacional de professores. VII Congresso Brasileiro de Psicologia Organizacional e do Trabalho, Anais do ... Brasília, Centro Universitário de Brasília, 2016. DOI:10.13140/RG.2.2.29686.60487


Apontamentos

  • Não há apontamentos.