O lodo de ETE como alternativa para a recuperação do solo em áreas degradadas / ETE sludge as an alternative to soil recovery in degraded areas

Samya de Freitas Moreira, Sara Dorea de Oliveira Santos, Aline Souza Sardinha, Antônio Pereira Júnior

Resumo


A aplicação do lodo de esgoto resulta na recuperação das características físicas, químicas e biológicas do solo em áreas degradadas. O objetivo deste estudo foi a realização de uma análise qualitativa e uma explicação geral, a respeito da influência do lodo de esgoto processado (biossólido) na recuperação de áreas degradadas, de modo a evidenciar as mudanças nas propriedades físicas, químicas e biológicas em solos degradados. O método aplicado foi o dedutivo, com abordagem qualitativa, natureza observativa e com procedimento exploratório, associada a levantamento de dados documentais nacionais e internacionais, indexados, com recorte temporal compreendido entre os anos de 2009 a 2019, com exceção dos aparatos legislativos. As bases de dados consultadas para a produção deste estudo foram: Science Eletronic Library Online (SicELO); coordenação de Pesquisa e Aperfeiçoamento do Ensino Superior (CAPES), WebScience, Google Scholar e SciVerse Scopus. A análise dos dados indicou que, em relação ao solo: (1) houve tendências de evolução positiva na macroporosidade, porosidade total e densidade. O mesmo ocorreu com os teores de macro (Ex.: C, N e P) e micronutrientes (Ex.:Cu, Zn e Mo), bem como do potencial hidrogeniônico (pH). Biologicamente, proporcionou o restabelecimento da população microbiana nos solos degradados. Dessa forma, o biossólido auxilia na recuperação de propriedades físico-químicas e biológicas do solo de áreas degradadas, as quais são fundamentais para o restabelecimento das características naturais da área.


Palavras-chave


Biossólidos. Características naturais.Reestabelecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, F. F.; GIL, F.C.; TIRITAN, C. S. Lodo de esgoto na fertilidade do solo, na nutrição de Brachiaria decumbens e na atividade da desidrogenase. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia – GO, v. 39, n. 1, p. 1-6, jan/mar. 2009.

ARRUDA, O. G. et al. Atributos físicos de um Latossolo degradado tratado com biossólido há cinco anos. Científica, Jaboticabal – SP, v. 41, n. 1, p. 73-81, jan. 2013.

ASSENHEIMER, A.Benefícios do uso de biossólidos como substratos na produção de mudas de espécies florestais. Ambiência, Guarapuava – PR, v. 5, n. 2, p. 321-330, mai/ago. 2009.

BONINI, C. S. B.; ALVES, M. C.; MONTANARI, R. Lodo de esgoto e adubação mineral na recuperação de atributos químicos de solo degradado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 19, n. 4, p.388-393, abr. 2015.

BORTOLINI, J. Produção de mudas de espécies arbóreas nativas para a recuperação de áreas degradadas utilizando cama de aviário e lodo de esgoto. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia Ambiental) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Francisco Beltrão, 2014.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 31 ago. 1981. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm>. Acesso em: 29 jan. 2019.

BRASIL. Lei n° 12.305, de 02 de agosto de 2010. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 02 ago. 2010. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 29 jan. 2019.

BRINGHENTI, J. R. et al. Co disposição de lodos de tratamento de esgotos em aterros sanitários brasileiros: aspectos técnicos e critérios mínimos de aplicação. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 23, n. 5, p. 891-899, set/out. 2018.

BUENO, J. R. P. Qualidade do solo após sucessivas aplicações de lodo de esgoto para cultivo do milho. 2010. Número de páginas.Dissertação (Mestrado em Agricultura Tropical e subtropical), Programa de Pós-Graduação da CAPES – Instituto Agronômico. Campinas – SP, 2010.

CABREIRA, G. V. et al. Biossólido como componente de substrato para produção de mudas florestais. Floresta, Curitiba – PR, v. 47, n. 2, p. 165-176, abr/jun. 2017.

CALDEIRA, M. V. W. et al. Biossólido como substrato para a produção de mudas de Toona ciliata Var. australis.Revista Árvore, Viçosa, v. 36, n. 6, p. 1009-1017, nov/dez. 2012.

CALDEIRA, M. V. W. et al. Diferentes proporções de biossólido na composição de substratos para a produção de mudas de timbó (Ateleia glazioveana Baill). Scientia Forestalis. Piracicaba – SP, v. 40, n. 93, p. 015-022, mar. 2012.

CASTRO, A. L. F. G.; SILVA, O. R.; SCALIZE, P. S. Cenário da disposição do lodo de esgoto: uma revisão das publicações ocorridas no Brasil de 2004 a 2014. Multi-Science Journal, Urutaí – GO, v. 1, n. 2, p. 66-73, abr. 2015.

COSTA, V. L. et al. Distribuição espacial de fósforo em latossolo tratado com lodo de esgoto e adubação mineral. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande – PB, v. 8, n. 3, p. 287-293, out. 2013.

DALVACHIOR, F. C. et al. Atributos físicos de um latossolo vermelho distrófico degradado em resposta à aplicação de biossólidos. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 8, n. 2, p. 205-210, abr./jun. 2013.

DELARICA, D. L. D. Carbono, nitrogênio e fósforo em Latossolo após aplicação de lodo de esgoto por anos consecutivos. 2016. Número de párignas.Dissertação (Mestrado em Ciência do solo) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Jaboticabal, 2016.

FORTES NETO, P. et al. A qualidade do solo medida pela liberação de CO2 e pelo número de bactérias e fungos num solo fertilizado com composto de lodo de esgoto. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 9., 2012, Resende – RJ. Anais.... Resende – RJ: AEDB. 2012.

FREDDO, A. Caracterização físico-química de lodo proveniente de duas estações de tratamento de esgoto da região oeste do Paraná. Trabalho de Conclusão de Curso – TCC (Graduação em Engenharia Ambiental) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira – PR, 58 p, 2014.Favor substituir!

FREITAS, R. X. A.; MELO, G. A. Avaliação do uso de biocomposto de lodo de esgoto como substrato para produção de mudas, 2010. Revista Monografias Ambientais, Santa Maria – RS, v. 12, n. 12, p. 2665 – 2673, ago. 2013.

FREITAS, T. O. T. Lodo de esgoto e adubos verdes na recuperação de área degradada: alterações nos atributos químicos e biológicos do solo. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Agrônoma) – Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Brasília, 2014.Favor substituir!

GARCIA, G. O. et al. Características químicas de um solo degradado após aplicações de lodo de esgoto doméstico. Revista Verde, Mossoró, v. 4, n. 2, p. 01-12, abr/ jun. 2009.

GARCIA, G. O. et al. Crescimento de mudas de eucalipto submetidas à aplicação de biossólidos. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza – CE, v. 41, n. 1, p. 87-94, jan/mar. 2010.

GODOY, L. C. A logística na destinação do lodo de esgoto. Revista Científica online -Tecnologia, Gestão e Humanismo, Guaratinguetá – SP, v. 2, n. 1, p. 79-90, nov. 2013. Disponível em: http://www.fatecguaratingueta.edu.br/revista/index.php/RCO-TGH/article/view/43/26. Acesso em: 15 jan. 2019.

HOFFMANN, R. B. Potencial de uso de biossólidos para fins de recuperação de áreas degradadas. 2012. 93 p.Tese (Doutorado em Fertilidade do solo e nutrição de plantas; Gênese, Morfologia e Classificação, Mineralogia, Química) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa – MG, 2012.

KITAMURA, N. C. Biossólido no estabelecimento de espécies herbáceas e nos atributos químicos de espécies herbáceas e nos atributos químicos microbiológicos em solo impactados pela mineração de carvão. 2017. Número De páginas. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Florianópolis – SC, 2017.

KRATZ, D. et al. Propriedades físicas e químicas de substratos renováveis. Revista Árvore, Viçosa – MG, v. 37, n. 6, p. 1103-1113, out. 2013.

MARIA, I. C. et al. Sewage sludge application to agricultural land as soil physical conditioner. Revista Brasileira de Ciência do solo, Viçosa – MG, v. 34, n. 3, p. 967-974, mai/jun. 2010.

MATIAS-PEREIRA, J. Manual de metodologia da pesquisa científica. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2016.

MENDES, J. C. Estudo da aplicabilidade do lodo de uma ETE como fonte alternativa de nutrientes em solo construído. Trabalho de Conclusão de Curso – TCC (Graduação em Engenharia Ambiental) – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma – SC, 62 p, 2012.PEÇO A GENTILEZA DE SUBTITUIR ESTA REFERENCIA, POR FAVOR.

MODESTO, P. T. et al. Alterações em algumas propriedades de um latossolo degradado com uso de lodo de esgoto e resíduos orgânicos. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 33, n. 5, p. 1489-1498, set/out. 2009. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2019.

NAKAYAMA, F. T.; OLIVEIRA, C. L. B.; PERDONÁ, M. J. Recuperação de solo degradado com a aplicação de lodo de esgoto e plantas de cobertura. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental da Alta Paulista, [S.I], v. 10, n. 7, p. 28-38, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2019.

NASCIMENTO, M. B. H. et al. Propriedades químicas do solo cultivado com mamona, irrigado com água residuária tratada e adubado com biossólido.Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Mossoró – RN, v.4, n.1, p. 08-15, jan/mar. 2009.

OLIVEIRA, L. S. Utilização de lodo de esgoto associado a três espécies nativas do cerrado na recuperação de áreas degradadas. 2015. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade de Brasília, Brasília, 2015.

OLIEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis:Vozes, 2012, 232 p.

PEDROSA, M. V. B. et al. Biossólido de lodo de esgoto na agricultura: desafios e perspectivas. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre – MG, v. 9, n. 4, p. 125-142, dez. 2017.

PEDROZA, M. M. et al. Produção e tratamento de lodo de esgoto – uma revisão. Revista Liberato, Novo Hamburgo, v. 11, n. 16, p. 149-160, jul/dez. 2010.

PEREIRA, N. G. F. et al. Efeitos da aplicação de lodo de esgoto estabilizado por diferentes processos nos atributos químicos e microbiológicos de um Cambissolo Háplico. Cadernos de Ciência e Tecnologia, Brasília, v. 32, n. 1/2, p. 115-127, jan./ago. 2015.

PEREIRA, A. C. A.; GARCIA, M. L. Efeitos da disposição de lodo de estações de tratamento de efluentes (ETE) de indústria alimentícia no solo: estudo de caso. Engenharia Sanitária e Ambiental,Rio de Janeiro – RJ,v. 22, n. 3, p. 531-538, mai/jun. 2017.

PRADO, A. K.; CUNHA, M. E. T. Efeito da Aplicação de Lodo de Esgoto e Curtume nas Características Físico-Químicas do Solo e na Absorção de Nitrogênio por Feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.). Revista de Ciências Exatas e Tecnológicas, Londrina – PR, v. 10, n. 1, p. 37-41, nov. 2011.

PRODANOV C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2 ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

RIBEIRINHO, V. S. et al. Fertilidade do solo, estado nutricional e produtividade de girassol, em função da aplicação de lodo de esgoto. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 42, n. 2, p. 166-173, abr./jun. 2012.

RIBEIRO, M. A. Contaminação do solo por metais pesados. 2013. 249 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia do Ambiente – Gestão e Ordenamento Ambiental) – Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, 2013

RICCI, A. B.; PADOVANI, V. C. R.; PAULA JÚNIOR, D. R. Uso de lodo de esgoto estabilizado em um solo decapitado. II – Atributos químicos e revegetação. Revista Brasileira de Ciência do Solo (online), Viçosa – MG, v. 34, n. 2, p. 543-551, mar/abr. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2019.

ROSA, D. B.; PAULA JÚNIOR, D. R. Disposição de lodo de esgoto no solo: estudo de viabilidade. Revista Brasileira de Engenharia de Biossistemas, Campinas – SP, v. 3, n. 2, p. 133-147, mai/ago. 2009.

SAKAMOTO, C. K.; SILVEIRA I. O. Como fazer projetos e Iniciação Científica. São Paulo: Paulus, 2014. 111 p.

SAMPAIO, T. F. et al. Lodo de esgoto na recuperação de áreas degradadas: efeito nas características físicas do solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo (online),Viçosa – MG, v. 36, n. 5, p. 1637-1645, out/nov. 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2019.

SANTOS, E. R. Caracterização química, microbiológica e toxidade do lodo de esgoto da Estação Mangueira, Pernambuco, Brasil. 2009. 150 p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento de Processos Ambientais) – Universidade Católica de Pernambuco, Recife – PE, 69 p, 2009.

SANTOS, N. G. B. Gestão do Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas: estratégia para aperfeiçoamento.2013. 150 p, Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola) – Instituto de Ciências Agrárias e Tecnológicas da Universidade Federal de Mato Grosso, Rondonópolis – MT.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2017. 154 p.

SILVA, G. R. et al. Uso do lodo de curtume na produção de plantas de açaizeiro em fase inicial de desenvolvimento. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife – PE, v. 10, n. 4, p. 506-511, nov. 2015.

SILVEIRA, D. T; CÓRDOVA, T. E. A pesquisa científica In:GERHARDT, T. E.;SILVEIRA, D. T. (Org.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, p. 31-42, 2009.

URBAN, R. C.; ISAAC, R. L. Mapa de aptidão do solo para a aplicação de lodo de esgoto: Bacia dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. Revista Ambiente e Água, Taubaté – SP, v. 11, n. 1, p. 125-134, jan/mar. 2016.




DOI: https://doi.org/10.34115/basrv3n3-006

Apontamentos

  • Não há apontamentos.