Memória e educação inclusiva: a prática de um grupo de professores de ciências naturais que trabalham com alunos deficientes, cidade de Marabá(PA) / Memory and inclusive education: the practice of a group of natural science teachers working with disabled students, city of Marabá(PA)

Airton dos Reis Pereira, Mírian Rosa Pereira, Marinalda Gomes Apinagés

Resumo


Este texto analisa o trabalho realizado por um grupo de professores e professoras da educação básica, da cidade de Marabá (PA), que ministram aulas de ciências naturais para alunos com deficiência da rede pública municipal e estadual de ensino. Para a sua construção, além das fontes bibliográficas, foram de fundamentais importância os relatos orais propiciados por meio da metodologia da história oral quando foi possível entrevistar individualmente e em grupoalguns dessesprofessores e professoras de ciências naturais da educação básica. Procurou-se trazer à baila as práticas desses educadores e educadoras em salas de aulas, os desafios vivenciados cotidianamente nas escolas, os problemas de infraestruturas e de equipamentos no exercício da profissão, além dos desafios enfrentados para colocar em prática o que preconiza a legislação brasileira a respeito da educação inclusiva, sobretudo na perspectiva dos direitos humanos.


Palavras-chave


Memória, Educação Inclusiva, Prática docente.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTI, Verena. Manual de História Oral. 3a edição, Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Diário Oficial da União,de 26/08/2009.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura - MEC/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão – SECADI. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SECADI, s/d.http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192. Acessado: 08 de novembro de 2017.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia da Pesquisa-Ação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 483-502, set./dez. 2005.

FREIRE, Paulo.Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 16 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

GUIMARÃES NETO, Regina Beatriz. Historiografia, diversidade e história oral: questões metodológicas. In: LAVERDI, Robson; FROTSCHER, Méri; DUARTE, Geni Rosa; MONTYSUMA, Marcos F. Freire; MONTENEGRO, Antônio Torres (Orgs.). História Oral, desigualdades e diferenças. 1ª edição, Florianópolis-SC; Recife-PE: EdUFSC; Ed. Universitária UFPE, 2012, v. 1, p. 15-37.

JOULARD, Philippe. Desafios à história oral do século XXI. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; FERNANDES, Tania Maria; ALBERTI, Verena (Orgs.). História Oral: desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: Editora FioCruz, 2000, p.31-45.

MEIHY, José Carlos Sabe Bom; HOLANDA, Fabíola. História Oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA –UNIESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem Jomtien. UNESCO, 1998.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 22º ed. São Paulo: Cortez, 2002.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.