Utilização do Sistema de Informação Geográfica–SIG na análise estrutural da vegetação: o exemplo de Salvador, Bahia - Brasil / Use of the Geographic Information System-GIS in the structural analysis of vegetation: the example of Salvador, Bahia - Brazil

Anderson Gomes de Oliveira, Leonardo Correia da Luz Barros, Ricardo Augusto Souza Machado, Ícaro Thiago Andrade Moreira

Resumo


O conceito de paisagem surge em seu contexto histórico com uma denotação extremamente abrangente. A formação de uma paisagem resulta de diferentes mecanismos operando em escalas temporais. Os processos morfológicos, geológicos e os padrões de colonização dos organismos são os principais fatores que modelam as paisagens. A combinação desses três fatores resulta nas formas de relevo e sua composição biótica, o arranjo estrutural dos modelados que compõem os ecossistemas e conferem à paisagem uma distribuição de manchas características. A ideia da paisagem como um espaço geográfico definido por manchas possibilita o seu mapeamento utilizando o Sistema de Informação Geográfica (SIG). Alguns pesquisadores desenvolveram modelos que se propõem a quantificar parâmetros e indicadores das unidades de paisagem. Nesse sentido este artigo se propôs a estudar a estrutura de uma paisagem no entorno da Avenida Luís Viana – Paralela – em Salvador, Bahia, através da utilização de indicadores de estrutura da paisagem e a relação mancha-corredor-matriz com a utilização de SIG. Como resultado, a área de estudo ainda apresenta um percentual de vegetação representativo quando comparado com outras áreas e cidades. Os fragmentos apresentam grandes áreas de efeito de borda ultrapassando os 50% de sua área total. Essa área de borda, expressiva, é comprovada pelos índices de forma e fractal. Os fragmentos, quanto a seu nível estrutural, se encontram prejudicados. A distância relativamente baixa entre os fragmentos faz com que seja possível a adoção de políticas públicas para a sua proteção tornando possível uma conexão entre os fragmentos.

 


Palavras-chave


Paisagem, Manchas, Borda, Fragmento.

Texto completo:

PDF

Referências


Casimiro P. (2001) - Uso do solo – Ecologia da Paisagem: quantificação da estrutura da paisagem para análise de padrões espaciais – Concelho de Mértola. GeoINova (ISSN: 0874-6540), 6:125-157, Departamento de Geografia e Planejamento Regional, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal. Disponível on-line em http://www.fcsh.unl.pt/docentes/pcasimiro/PDF/Revista_DGPR_N4.pdf

Casimiro P. (2006) - Estrutura, Composição e Configuração da Paisagem Conceitos e Princípios para a sua Quantificação no Âmbito da Ecologia da Paisagem. Estudos Regionais (ISSN 1645-586X), 20:75-99, Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional (APDR), Lisboa, Portugal. Disponível on-line em http://www.apdr.pt/siterper/numeros/RPER20/20.6.pdf

Eduardo A.C.P. (2013) - Utilização dos pressupostos da ecologia da paisagem para a compreensão da distribuição de seus elementos. XIV Encuentro de Geógrafos de América Latina (EGAL). Reencuentro de Saberes Territoriales Latinoamericanos, Lima, Peru. Disponível on-line em http://observatoriogeograficoamericalatina. org.mx/egal14/Teoriaymetodo/Conceptuales/06.pdf

Ferreira M.C.; Azevedo T.S. (2003) - Influência da Resolução Espacial na Estimativa da Dimensão Fractal de Fragmentos de Matas Ciliares, 2721-2727. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Anais XI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto (SBSR), Belo Horizonte, MG, Brasil. Disponível on-line em http://marte.sid.inpe.br/col/ltid.inpe.br/sbsr/2002/11.17.16.47/doc/19_316.pdf

Lei Nº 11.428 de 22 de Dezembro de 2006 [Lei da Mata Atlântica] - Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica, e dá outras providências. Publicado no D.O.U. (Diário Oficial da União) Seção I, de 26/12/2006, Brasília, DF, Brasil. Disponível on-line em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11428.htm

Lei Nº 7.400 de 2008 de 20 de Dezembro de 2012 [Lei de Uso e Ocupação do Solo] - Dispõe sobre a Lei de Ordenamento do Uso e da Ocupação do Solo do Município de Salvador e dá outras providências. Publicado no D.O.M. (Diário Oficial do Município) em 21/12/2012. Salvador, BA, Brasil. Disponível on-line em http://www.gestaopublica.salvador.ba.gov.br/leis_estruturas_organizacionais/documentos/Lei_8.167_2012.pdf

Maciel A.B.C.; Lima Z.M.C.; Lima J.S.D. (2012) - Diversidade de olhares: a evolução do conceito de paisagem no decorrer das décadas. Revista Geonorte (ISSN: 2237-1419), Edição Especial, 3(4):887-899, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, AM, Brasil. Disponível on-line em http://www.revistageonorte.ufam.edu.br/attachments/009_%28DIVERSIDADE%20DE%20OLHARES%20A%20EVOLUÇÃO%20DO%20CONCEITO%20DE%20PAISAGEM%20NO%20DECORRER%20DAS%20DÉCADAS%29.pdf

Metzger J. (2001) - O que é ecologia de paisagens? Biota Neotropica (ISSN 1676 0603), 1, (1/2), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - Fapesp, São Paulo, SP, Brasil. Disponível on-line em http://www.biotaneotropica.org.br/v1n12/pt/fullpaper?bn00701122001+pt

Moura D. V.; Simões C. S. (2010) - A evolução histórica do conceito de paisagem. Ambiente & Educação (ISSN 1413-8638; E-ISSN 2238-5533), 15(1):179-186, EDGRAF - Editora e Gráfica da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Rio Grande, RS, Brasil. Disponível on-line em http://www.seer.furg.br/ambeduc/article/view/992

Pancher A.M.; Ávila M.R. (2012) - O uso de geotecnologias na determinação do percentual de áreas verdes urbanas no município de Americana-SP. Revista Geonorte (ISSN: 2237-1419) Edição Especial, 2(4):1662-1673, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Manaus, AM, Brasil. Disponível on-line em http://www.revistageonorte.ufam.edu.br/attachments/009_ (O%20USO%20DE%20 GEOTECNOLOGIAS%20NA%20DETERMINAÇÃO%20DO%20PERCENTUAL%20DE%20%ÁREAS%20VERDES%20URBANAS%20NO%20MUNICÍPIO%20DE%20AMERICANA-SP).pdf

Pedras L.R.V. (2000) - A paisagem em Alexander von Humboldt: o modo descritivo dos quadros da natureza. Revista USP (ISSN: 0103-9989), (46):97-114, Superintendência de Comunicação Social da Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil. Disponível on-line em http://www.usp.br/revistausp/46/08-luciaricotta.pdf

Silva G.N.F.; Paula-Neto H.M.; Diniz D.C.C.; Rocha G.F. (2009) - O Uso do Programa Spring no Cálculo do Índice de Área Verde em Goiânia-GO, Anais XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto (SBSR). 867-873, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Natal, RN, Brasil. Disponível on-line em http://marte.sid.inpe.br/col/dpi.inpe.br/sbsr@80/2008/11.17.16.01/doc/867-873.pdf

Soares-Filho B.S. (1998) - Análise da paisagem: Fragmentação e Mudanças. Departamento de Cartografia, Centro de Sensoriamento Remoto. Apostila, 88p., Instituto de Geociências da UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil. Disponível on-line em http://www.csr.ufmg.br/dinamica/publications/apostila.pdf

Vitte A. C. (2007) - O desenvolvimento do conceito de paisagem e a sua inserção na geografia física. Revista Mercator, (ISSN: 1676-8329 E-ISSN: 1984-2201) 6(11):71-78, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, CE, Brasil. Disponível on-line em http://www.mercator.ufc.br/index.php/mercator/article/view/58/33

Vitte A. C.; Silveira R.W.D. (2010) - Natureza em Alexander von Humboldt: entre a ontologia e o empirismo. Revista Mercator, (ISSN: 1676-8329; E-ISSN: 1984-2201), 9(20):179-195. DOI: 10.4215/RM2010.0920.0012. Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, CE, Brasil. Disponível on-line em http://www.mercator.ufc.br/index.php/mercator/article/ view/413/313

Whately M.; Hercowitz M. (2008) - Serviços Ambientais: conhecer, valorizar e cuidar. Subsídios para a proteção dos mananciais de São Paulo. (ISBN: 978-85-85994-56-3), 120p. ISA – Instituto Socioambiental, São Paulo, SP, Brasil. Disponível on-line em http://www.socioambiental.org/sites/blog.socioambiental.org/files/publicacoes/10366.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.