Des-envolvimento estatal e populações tradicionais do Rio São Francisco no Norte de Minas: “O rio faz e desfaz e a gente acompanha na pesca e na vazante” / State de-involvement and traditional populations of the São Francisco River in the North of Minas Gerais: "The river makes and undoes and we accompany in the fishing and the vazante"

Rafael Pereira Santos, Roberta Alves da Silva

Resumo


Investigar os processos sociais de expropriação instituída pelo desenvolvimentismo na década de 1970 no Norte de Minas é o objetivo deste artigo. A exproppiação materializou-se na restrição da terra, da água e na violência contra diversas populações tradicionais sanfranciscanas. Frente a esta experiência expropriatória e outras ameaças existentes, os diversos povos e comunidades tradicionais têm  emergido aglutinados reconfigurando processos de intensas resistências, demonstrando o seu projeto instituinte ao defender e garantir à apropriação física, simbólica e a reprodução da vida em sua organização étnica quilombola associada a uma política de idendade por eles anunciada, enquanto sujeitos exporpriáveis. A partir dos métodos da abordagem etnográfica e das técnicas de pesquisa da Nova Cartografia Social da Amazônia (PNCSA) esta pesquisa desenvolve uma interpretação densa e compartilhada viabilizada pelas incursões de campo na comunidade e em outros ambientes de articulação política compreendidos como espaços de exercício de sua territorialidade. Os resultados das análises apontam para um processo de reprodução social territorializante étnica imersa em movimento social pesqueiro na interface da expropriação pela formação de fazendas no período desenvolvimentista sobre a terras tradicionalmente ocupadas de uma comundiade tradicional quilombola e pesqueira imersa na sociodinâmica ambiental junto a este rio que sustenta sigmaticamente e materialmente a existência deste povo.

 


Palavras-chave


Desenvolvimento; Pesca artesanal, Movimento territoriais na pesca; Conflitos territoriais.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Alfredo W. B. Terra de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livre”, “castanhais do povo”, faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Alfredo Wagner Breno de Almeida. – 2.ª de, Manaus: PGSA–UFAM, 2008a

BRANDÂO, Carlos, R. A comunidade Tradicional. In: COSTA, João. B., OLIVEIRA, Cláudia, L.(Org.). Comunidades Tradicionais nos Sertões Roseamos: Cerrado. Gerais, Sertão. São Paulo. Editora intermeio, 2012. p. 367-380.

BRANDÂO, Carlos, R. BORGES, Maristela C. O lugar da vida: a comunidade tradicional. Campo-território: revista de geografia agrária. Edição especial do XXI ENGA-2012, p. 1-23, jun., 2014

CANDIDO, Antônio. Parceiros do Rio Bonito: Estudo do caipira paulista e a transformação do seu meio de vida. 11ª ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre o Azul, 2010.

DIEGUES, Antônio. C. ARRUDA, Rivaldo. S. V. Biodiversidade e Comunidades Tradicionais no Brasil. São Paulo, MAPUB, 1999

GIDDENS, Antony. As consequências da Modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

INGOLD, Tim. Jornada ao longo de um caminho de vida – mapas, descobridor, caminhos e navegação. In: MAFRA, Clara; GIUMBELLI, Emerson; BIRMAN, Patrícia et. al. Ver. Religião e Sociedade. Vol. 25. N° 1. Junho de 2005. P. 72-110

MALDONADO, Simone. Pecadores do mar. São Paulo, Ática: 1986

MATTA-MACHADO. Bernardo. História do Sertão Noroeste de Minas Gerais 1690-1930. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1991.

PORTO-GONÇALVES, C. W. As Minas e os Gerais - Breve ensaio sobre desenvolvimento e sustentabilidade a partir da Geografia do Norte de Minas. In: GUIMARÃES, P. W. et al. Cerrado e desenvolvimento: tradição e atualidade. Montes Claros: Unimontes. 2000, 35 p.

ROCHA, Letícia A. O poder da territorialidade: o lugar da gente o território pesqueiro, Montes Claros, [Dissertação de Mestrado], Unimontes, 2017. 178 p.

RUFFINO, Mauro l. A gestão dos recursos pesqueiros no Brasil. In: ARAÙJO, M.A. R Repensando a gestão ambiental no Brasil: uma construção ao de construção nacional. Ed. Kindle. Belo Horizonte, 2016.

SANTOS, Rafael P. A Questão da Memória no Processo de Aprendizagem da Língua Patxôhã: Culturas em Trânsito: as Representações Sociais da Língua Patxôhã dos Jovens Indígenas da Aldeia Cinta Vermelha Jundiba. Saarbrücken, Alemanha: Novas Edições Acadêmicas, 2016.

SANTOS, Rafael P. Da existência ilhada ao território: estratégias e trajetórias da Comunidade de Croatá, MG na busca de conquistar seu território. Dissertação de Mestrado: UFVJM, 2018, 237 p.

SANTOS, Rafael P. SILVA, Roberta, A. Território e territorialidades no Rio São Francisco: o modo de “apossear o mundo” pelas palavras e trabalho. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 4, n. 5, Edição Especial, p. 1747-1764, ago. 2018. P. 1747 -1764.

SANTOS, Rafael; NASCIMENTO, Alan F; SILVA, Roberta, A. In: Anais da VI Semana da Integração, Ensino, Pesquisa e Extensão. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, PróReitoria de Extensão e Cultura, Pró-Reitoria de Graduação (org.). -Diamantina: SINTEGRA/UFVJM, 2018. p. 761.

SATO, Yoshimi; VERANI, Nelsy; GODINHO Hugo P. Reprodução induzida de peixes da bacia do São Francisco. In: GODINHO Hugo P. GODINHO, Alexandre L. Águas, peixes e pescadores do São Francisco das Minas Gerais / A Organizadores – Belo Horizonte: PUC Minas, 2003. p. 275-290.

SERVILHA, Mateus. Quem precisa de Região: o espaço (dividido) em disputa. 1. ed. Rio de Janeiro: Consequência, 2015.

GLINFSKOY THÉ, Ana P. Saudades da Vazante Geral: um estudo etnoecológico sobre as mudanças socioambientais na pesca artesanal no Alto-Médio São Francisco, Minas Gerais. In: COSTA, João. B., OLIVEIRA, Claudia L (Org.). Comunidades Tradicionais nos Sertões Roseanos: Cerrado. Gerais, Sertão. São Paulo. Editora Intermeios, 2012


Apontamentos

  • Não há apontamentos.